A China perdeu “a Deusa de Yangtzé”, mas as alterações climáticas estão a ameaçar outras espécies

CNN , Heather Chen
24 set, 16:00
Deusa de Yangtzé (Xiao Yijiu/Xinhua/Getty Images)

Diziam ser “a Deusa de Yangtzé” – uma criatura tão rara que se acreditava que trazia fortuna e proteção aos pescadores locais e a todos os que tinham a sorte de a conseguir observar.  

Mas a pesca excessiva e a atividade humana levaram-na para a beira da extinção e não é avistada há décadas.

“O baiji, ou golfinho do rio Yangtzé, era esta criatura única e bela - não havia nada que se assemelhasse a ela”, afirmou Samuel Turvey, um zoólogo e conservacionista britânico que passou mais de duas décadas na China a tentar localizar este animal.

“Esteve por cá durante dezenas de milhões de anos e pertenceu à sua própria família de mamíferos. Existem outros golfinhos de rio no mundo, mas este era muito diferente, tão distinto de outra coisa qualquer”, disse Turvey. “O seu desaparecimento foi mais do que uma tragédia de uma outra espécie - foi uma enorme perda de diversidade fluvial em termos de quão único era e deixou enormes falhas no ecossistema.”

Os peritos expressaram uma grande preocupação pelo facto de outras espécies animais e vegetais nativas e raras do Yangtzé poderem sofrer um destino semelhante ao de baiji, o golfinho deste rio, uma vez que o agravamento das alterações climáticas e as condições meteorológicas extremas têm consequências no rio mais longo da Ásia.

A China tem vindo a lutar com a sua pior onda de calor alguma vez registada e o Yangtzé, o terceiro rio mais longo do mundo, está a secar.

Com precipitações abaixo da média desde julho, os seus níveis de água baixaram para níveis recorde de 50% dos seus níveis normais nesta época do ano, expondo leitos de rios fissurados e revelando até ilhas submersas.

Partes do rio Yangtzé secaram devido ao calor extremo (AFP/Getty Images)

A seca já teve um efeito devastador no rio mais importante da China, que se estende por cerca de 6.300 quilómetros (3.900 milhas) desde o planalto tibetano até ao Mar da China Oriental perto de Xangai e fornece água, alimentos, transporte e energia hidroelétrica a mais de 400 milhões de pessoas.

O impacto humano tem sido enorme. As fábricas foram fechadas para preservar o abastecimento de eletricidade e água a dezenas de milhares de pessoas.

Mas os especialistas afirmam que não se fala o suficiente sobre o impacto ambiental que as alterações climáticas e os fenómenos meteorológicos extremos associados têm tido nas centenas de espécies protegidas e ameaçadas de vida selvagem e vegetais que vivem no rio e nas suas imediações.

“O Yangtzé é um dos rios mais ecológicos do mundo para a biodiversidade e ecossistemas de água doce - e ainda estamos a descobrir novas espécies todos os anos”, afirmou a ecologista de conservação Hua Fangyuan, uma professora assistente da Universidade de Pequim.

“Muitos dos pequenos (conhecidos) e desconhecidos peixes e outras espécies aquáticas estão, muito provavelmente, a enfrentar riscos de extinção secretamente e nós simplesmente não temos conhecimento suficiente destes casos.”

Um jacaré chinês num jardim zoológico em Xangai. Nativo do Yangtzé, o número de animais desta espécie está a diminuir drasticamente na natureza e pode piorar à medida que o rio diminui e seca (Hector Retamal/AFP/Getty Images)

Centenas de espécies que estão em risco

Ao longo dos anos, conservacionistas e cientistas identificaram e documentaram centenas de espécies animais e vegetais selvagens nativas do Yangtzé.

Entre elas estão o boto sem barbatanas do Yangtzé que, semelhante ao baiji, enfrenta a extinção devido à atividade humana e à perda de habitat, e répteis criticamente ameaçados, como o jacaré chinês e a tartaruga gigante de concha mole do Yangtzé – que se acredita que seja a maior espécie viva de tartaruga de água doce do mundo.

Os peritos também notaram um declínio drástico de muitas espécies de peixes nativos de água doce, como o já extinto peixe-espátula-chinês e o esturjão.

Em alto risco está a salamandra gigante chinesa, um dos maiores anfíbios do mundo. As populações selvagens estão em declínio, afirmou o zoólogo Turvey, e as espécies estão “agora à beira da extinção.”

“Embora seja uma espécie protegida, as salamandras gigantes chinesas estão sob maior ameaça das alterações climáticas - o aumento da temperatura global e as secas certamente não serão benéficas para a espécie, tendo em conta que já está extremamente vulnerável”, referiu Turvey.

Uma salamandra gigante chinesa fotografada numa instalação de reprodução local (Imaginechina/AP)

“Há muito tempo que enfrentam ameaças como a caça furtiva, a perda de habitat e a poluição, mas quando se acrescentam as alterações climáticas à mistura, as suas hipóteses de sobrevivência tornam-se drasticamente reduzidas”, acrescentou.

“Só podem viver em ambientes de água doce e os níveis de água mais baixos colocarão inevitavelmente uma maior pressão sobre o número de anfíbios desta espécie em toda a China.”

Um problema para o mundo

Grupos de conservação da natureza como o World Wildlife Fund (WWF) dizem que a situação do Yangtzé é uma grande preocupação não só para o povo e governo chineses, mas também para a comunidade internacional em geral.

“Houve um declínio nos rios de todo o mundo, da Europa aos Estados Unidos, para níveis historicamente baixos de fluxo que estão a ter um impacto negativo nos ecossistemas”, afirmou o seu cientista-chefe Jeff Opperman.

“O fluxo reduzido do rio e as águas mais quentes do Yangtzé são uma ameaça para as espécies de água doce e aumentam a pressão sobre animais que já se encontram criticamente ameaçados, como os restantes botos sem barbatanas do Yangtzé e os jacarés chineses que restam na natureza. Os níveis mais baixos dos rios também têm impacto na saúde dos lagos e zonas húmidas (próximas), que são vitais para milhões de aves migratórias ao longo da rota aérea do Leste Asiático.”

Hua, a ecologista de conservação, referiu que era necessária uma maior consciencialização do público e maiores esforços para ajudar o grande rio chinês que está a encolher. “Os seres humanos dependem da natureza para sobreviver, ponto final. Isto é uma lição para qualquer civilização”, disse ela.

“O Yangtzé é o rio mais longo da China e (de toda) a Ásia e tem sido desde há muito o berço da civilização. Apesar das graves ameaças e perdas de conservação ao longo dos anos, ainda há muita biodiversidade a conservar dentro e ao longo do Yangtzé.”

Poucos negariam a importância e o simbolismo do Yangtzé. Mas os especialistas dizem que se não forem tomadas medidas - e em breve - mais espécies seguirão o destino do baiji e do peixe-espátula-chinês.

Turvey, o zoólogo britânico, alertou contra o tipo de complacência que permitiu que os baiji desaparecessem.

“O Yangtzé era uma joia na coroa asiática. Ainda há tanta biodiversidade pela qual lutar e não devemos perder a esperança de salvar espécies como salamandras gigantes, répteis de rio e outros”, afirmou Turvey.

“Se há algo que podemos aprender com a morte do golfinho do rio Yangtzé, é que a extinção é para sempre e não podemos dar-nos ao luxo de a encarar de ânimo leve.”

Clima

Mais Clima

Patrocinados