O maior risco para a economia global de que ninguém está a falar

CNN , Nicole Goodkind
18 abr, 17:00
Falta de comida nos supermercados (Chen Si/AP)

Quase 400 milhões de pessoas em 45 cidades da China estão sob confinamento total ou parcial como parte da rígida política zero-covid da China. Juntos representam 40%, ou 7,2 mil milhões de dólares, do Produto Interno Bruto anual para a segunda maior economia do mundo, de acordo com dados da Nomura Holdings.

Os analistas fazem soar os alarmes, mas dizem que os investidores não estão a avaliar adequadamente a gravidade das consequências económicas globais destas ordens de isolamento prolongadas.

"Os mercados globais podem ainda subestimar o impacto, porque muita atenção continua focada no conflito da Rússia com a Ucrânia e na subida das taxas da Reserva Federal dos EUA", escreveu Lu Ting, economista-chefe da Nomura na China e alguns colegas numa nota na semana passada.

O mais alarmante é o confinamento indefinido em Xangai, uma cidade de 25 milhões de habitantes e um dos principais centros de produção e exportação da China.

Os confinamentos levaram à escassez de alimentos, à incapacidade de acesso a cuidados médicos e até a mortes de animais de estimação. Também provocaram falta de pessoal no maior porto do mundo.

O Porto de Xangai, que arcou com mais de 20% do tráfego de mercadorias chinês em 2021, está essencialmente parado. Os produtos alimentares presos em contentores sem acesso à refrigeração estão a apodrecer.

A carga recebida está agora retida nos terminais marítimos de Xangai durante uma média de oito dias antes de ser transportada para outro local, um aumento de 75% desde o início da recente vaga de quarentenas. O tempo de armazenamento das exportações diminuiu, mas é provável que seja porque não há novos contentores a serem enviados para as docas a partir de armazéns, de acordo com o projeto 44 da plataforma de visibilidade da cadeia de abastecimento.

As companhias aéreas de carga cancelaram todos os voos dentro e fora da cidade, e mais de 90% dos camiões que apoiam as entregas de importação e exportação estão atualmente inativas.

Xangai produz 6% das exportações da China, de acordo com o anuário estatístico do Governo para 2021, e o encerramento de fábricas dentro e fora da cidade está a abalar ainda mais as cadeias de abastecimento.

As fábricas fornecedoras da Sony e da Apple em Xangai e arredores estão inativas. Quanta, o maior fabricante de computadores portáteis do mundo e fabricante de MacBook, parou completamente a produção. A fábrica representa cerca de 20% da capacidade de produção de portáteis da Quanta, e a empresa previamente estimou que enviaria 72 milhões de unidades este ano. A Tesla fechou a sua fábrica Giga de Xangai que produzia cerca de 2000 carros elétricos por dia.

Na sexta-feira, o Ministério da Indústria e Tecnologias da Informação da China disse, em comunicado, que enviou um grupo de trabalho a Xangai para trabalhar num plano para retomar a produção em 666 principais fabricantes da cidade isolada. Os executivos da Tesla esperam poder reabrir as portas até segunda-feira, pondo fim à maior pausa da fábrica desde a sua abertura em 2019. O construtor automóvel perdeu mais de 50 000 unidades de produção até agora, de acordo com materiais revistos pela Reuters.

"O impacto na China é importante e os efeitos na economia global são bastante significativos", disse Michael Hirson, responsável pelo Grupo Eurásia para a China e Nordeste Asiático. "Acho que vamos ter mais volatilidade e perturbação económica e social durante pelo menos os próximos seis meses."

As prolongadas perturbações na produção e envio chineses podem ajudar a acelerar uma iniciativa fundamental da administração Biden destinada a reduzir a dependência dos EUA de produtos chineses e cadeias de abastecimento.

Mas a tarefa tem graves repercussões económicas imediatas.

Num relatório divulgado na semana passada, a Organização Mundial do Comércio alertou para o pior cenário que envolve a dissociação das economias globais, impulsionadas pela invasão da Ucrânia pela Rússia, que poderia reduzir o PIB global a longo prazo em 5%.

Isso é altamente improvável dadas as profundas ligações financeiras entre a China e os EUA. O investimento em ações e obrigações de cada um atingiu 3,3 mil milhões de dólares no final de 2020, de acordo com os dados do Rhodium Group.

"Estas economias ainda estão muito interligadas", disse Hirson. "Essa integração não é algo que será facilmente revertido porque seria incrivelmente dispendioso para os EUA e para a economia global."

Ainda assim, os líderes económicos americanos acreditam que a dissociação já está em curso.  Howard Marks, cofundador da Oaktree, escreveu no fim de março que "o pêndulo [tem] recuado para o abastecimento local" e longe da globalização. O presidente da Blackrock, Larry Fink, replicou o sentimento numa carta aos acionistas da empresa. "A invasão russa da Ucrânia", escreveu, "pôs fim à globalização que vivemos ao longo das últimas três décadas.

Num discurso perante o Conselho Atlântico, na semana passada, a secretária do Tesouro, Janet Yellen, disse que os EUA estão a acompanhar de perto as ligações políticas e económicas da China à Rússia. "Daqui para a frente, será cada vez mais difícil separar as questões económicas de considerações mais amplas de interesse nacional, incluindo a segurança nacional", disse.

Embora tenha dito que espera que se evite uma "divisão bipolar" entre a China e os EUA, "a atitude do mundo em relação à China e a sua vontade de abraçar uma maior integração económica podem muito bem ser afetadas pela reação da China ao nosso apelo a uma ação resoluta contra a Rússia".

Um terço da China, entretanto, está em quarentena, e a sua economia está a sofrer.

A recente resposta pandémica da China deverá custar pelo menos 46 mil milhões de dólares em produção económica perdida por mês, ou seja, 3,1% do PIB, de acordo com pesquisas da Universidade Chinesa de Hong Kong.

Os analistas já não acreditam que a meta da China para 2022 de um crescimento económico de 5,5%, o objetivo menos ambicioso do país em três décadas, seja realista. O Banco Mundial reviu esta semana em alta as suas estimativas para o crescimento económico chinês para 5%, mas notou que se as suas políticas restritivas continuarem, poderão cair para 4%.

Os encargos económicos surgem num momento politicamente precário. Este outono, o presidente chinês, Xi Jinping, vai pedir um terceiro mandato como líder do país, rompendo com a tradição de um máximo de dois mandatos.

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Economia

Mais Economia

Patrocinados