Croácia
59'
0 - 1
Albânia

China nega pressão sobre outros países para evitarem participar na cimeira de paz

Agência Lusa , MJC
3 jun, 10:53
Mao Ning, porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da China (AP)

“A China espera sinceramente que esta conferência de paz não se torne uma plataforma para criar confronto entre campos”, disse esta segunda-feira Mao Ning, porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês

A China negou “ter pressionado” certos países para que não participassem na Cimeira de Paz na Ucrânia, contrariando comentários do presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, no fim de semana.

“Utilizar a política da força não é o estilo da diplomacia chinesa (…). A posição da China é aberta e transparente e, em nenhum caso, exercemos pressão sobre outros países”, disse à imprensa Mao Ning, porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês.

Falando à margem de um fórum de segurança em Singapura no domingo, o Presidente Zelensky acusou a China de trabalhar para impedir países de participarem na Cimeira de Paz na Ucrânia, marcada para junho na Suíça. Dois dias antes, Pequim tinha dito que seria difícil participar nesta cimeira se a Rússia não fosse convidada, declaração aprovada por Moscovo.

“A China espera sinceramente que esta conferência de paz não se torne uma plataforma para criar confronto entre campos”, disse esta segunda-feira Mao Ning. “Deixar de participar na conferência não significa que rejeitemos a paz (…). E mesmo que alguns países decidam participar na conferência, isso não significa necessariamente que estejam a esperar um cessar-fogo e o fim dos combates. O mais importante é uma ação concreta”, declarou o porta-voz chinês.

A China afirma ser neutra nesse conflito, mas nunca condenou a invasão da Ucrânia pela Rússia em 24 de fevereiro de 2022 e recebeu várias vezes o Presidente russo, Vladimir Putin, no seu território desde o início da guerra.

Pequim apela regularmente ao respeito pela integridade territorial de todos os países, o que implicitamente diz respeito à Ucrânia, mas também apela à consideração das preocupações de segurança da Rússia. "A China sublinhou repetidamente que a conferência de paz deve ser reconhecida tanto pela Rússia como pela Ucrânia, que todas as partes devem participar em pé de igualdade e que todos os planos de paz devem ser "objeto de uma discussão justa", lembrou Mao Ning.

“É difícil para a China participar nessa reunião precisamente porque acreditamos que estes três pontos podem não ser alcançados nesta reunião.”

Mais de uma centena de países e organizações comprometeram-se a participar na cimeira, de acordo com Zelensky, que instou os países da região Ásia-Pacífico a aderirem.

Relacionados

Ásia

Mais Ásia

Patrocinados