Mais um grande promotor imobiliário na China entra em “default”

CNN , Laura He
5 jul, 09:56
Bairro de Guangfuli, em Xangai, na China

Crise imobiliária da China agrava-se. Grande promotor de Xangai falha pagamento de dívida de quase mil milhões

Outro grande promotor imobiliário chinês falhou o pagamento da sua dívida, dando um novo golpe no setor imobiliário em dificuldades na segunda maior economia do mundo.

O Grupo Shimao, que tem sede em Xangai, não pagou nem juros nem o capital de uma obrigação de mil milhões de dólares [970 milhões de euros] devida no domingo, de acordo com um registo de uma empresa na bolsa de Hong Kong. De acordo com o documento da oferta, as obrigações não tinham período de carência de capital. Este é a primeira falha de pagamento de obrigações em dólares pela Shimao, que esteve a braços com um stress financeiro crescente durante meses.

O setor imobiliário da China tem vindo a perder terreno de uma crise para outra desde 2020, quando Pequim começou a reprimir o excesso de empréstimos contraídos por promotores numa tentativa de controlar a sua elevada dívida e de refrear os preços de habitação.

Os problemas agravaram-se significativamente no último outono, quando a Evergrande - o segundo maior promotor imobiliário da China - começou a lutar para angariar dinheiro para pagar aos credores. A empresa em dificuldades é a promotora imobiliária mais endividada da China, com cerca de 300 mil milhões de dólares [290 mil milhões de euros] em dívidas. Em dezembro, foi rotulada como incumpridora pela Fitch Ratings.

De acordo com as estimativas da Moody's no início deste ano, o Grupo Shimao tem uma grande quantidade de dívida que vence em 2022, incluindo obrigações no valor de 1,7 mil milhões de dólares [1,65 mil milhões de euros] detidas por investidores internacionais, 8,9 mil milhões de yuan (1,36 mil milhões de euros) de obrigações detidas por investidores chineses e “consideráveis” empréstimos bancários offshore.

Fundada em 2001 pelo empresário Hui Wing Mau, a Shimao desenvolve projetos residenciais e hotéis de grande escala em todo o país. É proprietária do Shanghai Shimao International Plaza, um dos arranha-céus mais altos localizados no coração de Xangai.

Em março, a empresa estimou que o seu lucro líquido de 2021 tinha mergulhado cerca de 62% em relação ao ano anterior, principalmente devido ao ambiente “duro” que o sector imobiliário enfrenta. A empresa adiou então a divulgação dos seus resultados de 2021, argumentando com os confinamentos em Xangai.

“Devido às mudanças significativas no ambiente macro do sector imobiliário na China desde a segunda metade de 2021 e ao impacto do Covid-19, o Grupo sofreu um declínio notório nas suas vendas contratadas nos últimos meses, que se espera que continue a curto prazo até que o sector imobiliário na China se estabilize”, disse a Shimao no domingo.

A empresa acrescentou que tem tentado alcançar “soluções amigáveis” com os credores para a sua incapacidade de fazer pagamentos de capital sobre outras dívidas offshore. Na ausência de um acordo, os credores poderiam forçar a empresa a acelerar os pagamentos.

Desde a insolvência da Evergrande, as dívidas de uma série de promotores de alto nível no país têm falido, incluindo a Fantasia e a Kaisa.

Os problemas da indústria têm sido exacerbados pela política de Pequim de "zero-Covid" e pela desaceleração da economia. A China colocou muitas das suas principais cidades - incluindo Xangai - sob rigoroso bloqueio no início deste ano para combater os crescentes casos de Covid, atingindo severamente a atividade empresarial.

A Sunac China, uma das maiores empresas de construção do país, com sede em Pequim, culpou no mês passado o surto de Covid por prejudicar "significativamente" as suas vendas em março e abril e exacerbar ainda mais a sua crise de liquidez. Ao mesmo tempo, o promotor admitiu que tinha entrado em incumprimento num título em dólares.

Na sexta-feira, um inquérito da China Index Academy - uma empresa de estudos imobiliários - mostrou que os preços das novas casas em 100 cidades mergulharam mais de 40% no primeiro semestre deste ano, em comparação com o mesmo período do ano passado.

As autoridades estão a tentar estancar a hemorragia. Intensificaram os esforços para reavivar as vendas de casas, baixando as taxas hipotecárias e flexibilizando as regras sobre a compra de casas. Alguns promotores criaram formas imaginativas de estimular as vendas - desde aceitar cereais ou alho como entrada, até oferecer porcos como incentivo aos compradores.

Embora haja sinais de que as vendas diminuíram menos drasticamente em junho do que nos meses anteriores, o caminho para a recuperação do sector imobiliário será provavelmente "bastante acidentado", uma vez que Pequim continua empenhada na sua abordagem de "zero-Covid", disseram os analistas da Nomura numa nota na segunda-feira.

A Evergrande, entretanto, está a preparar um enorme plano de reestruturação da dívida liderado pelo governo. O promotor planeia apresentar as suas propostas antes do final deste mês.

 

Ásia

Mais Ásia

Patrocinados