Os chás podem substituir a água? E quais os melhores para perder peso? Sirva-se de uma chávena de respostas

1 abr 2023, 12:00

Pode ajudar na hidratação, mas é preciso ter certos cuidados, avisam as especialistas, que explicam ainda porque é que beber água faz tanta diferença

Vá, admita. Há um colega lá do escritório que, quando se aproxima o verão, na perspetiva de perder uns quilinhos, se passeia pela empresa com uma garrafa de chá. Ou aquela colega que, para evitar as idas à máquina da água, traz o termo de casa cheio de chá.

E é à custa deles que fazemos uma pergunta: o chá pode substituir a água que devíamos beber ao longo de todo o dia? E, com a ajuda de três nutricionistas, damos uma resposta clara: Não.

A Autoridade Europeia para a Segurança Alimentar definiu como valores de referência dois litros de água por dia para as mulheres e 2,5 litros para os homens – números que integram já a água naturalmente presente nos alimentos.

“O chá nunca deve ser substituto da água. Ajuda na questão da hidratação, mas não deve ser substituto da água. Porque a água é sempre o estado mais puro da hidratação. A água não vai ter cafeína, açúcar ou outras coisas adicionadas”, resume Bárbara Oliveira.

E, quando se fala de chá, fala-se daquele que vem da planta camellia sinensis, que dá origem ao chá preto, ao chá verde e ao chá branco, que têm a cafeína. Há depois as infusões e as tisanas – mas já lá vamos.

“O chá contém cafeína, pelo que não será boa ideia consumir em excesso”, avisa Lillian Barros. Por isso, se está a substituir toda a água pelo chá, convém mudar de hábitos.

E como é que sabe se está a beber água a menos? Basta olhar para a urina: se não for transparente, apresentando uma cor mais escura e um odor intenso, é sinal de que não está a hidratar-se o suficiente.

E pode tranquilizar o colega que quer perder peso: é que a água ajuda mesmo no processo. Aquele ratinho a meio da tarde nem sempre é fome. “A água mantém-nos mais saciados ao longo do dia. Muitas vezes achamos que é fome, mas é sede. Já nas refeições, ajuda-nos a sentirmo-nos saciados e cheios mais rapidamente”. E, se não há espaço no estômago, não entra o que não devia.

Mas ajudam mesmo na perda de peso?

Para quem tem dificuldades em beber água, explica a nutricionista Neide, “podemos substituir por tisanas”. Mas com um aviso prévio: “tendo sempre em atenção se a pessoa tem alguma patologia ou sensibilidade em que não faça sentido determinada erva”. A infusão é preparada através da adição de água a ferver com folhas, flores, sementes, frutos ou caules de plantas. E, neste caso, evita-se a cafeína.

“Também as infusões contêm alguns compostos que, em excesso, poderão causar toxicidade, interferir com alguns medicamentos, condições médicas e/ou diminuir a absorção de determinados nutrientes, como o ferro”. Por isso, a recomendação é que procure um especialista para perceber o que se adapta ou não às suas necessidades.

As nutricionistas reconhecem que é salutar que se diversifique a forma como se ingere água, mas nunca a substituindo na íntegra.

Agora, temos boas e más notícias nesta parte do artigo. A boa é que o chá ajuda mesmo a perder peso. A má é que teria de beber quantidades absurdas para que ele fizesse sentido a esse nível.

Porque os chás até “podem ajudar a acelerar o metabolismo”, mas, “para ajudarem mesmo na perda de peso, teríamos de beber uma quantidade de chá muito grande”, confirma Bárbara Oliveira. Com o alerta reforçado: é preciso estar atento e beber com moderação, “uma ou duas chávenas por dia”, devido aos níveis de cafeína que o chá preto, verde e branco têm.

Mas há outras ervas e plantas que, depois de misturadas na água fervida, apoiam na perda de gordura. Por exemplo, diminuindo a retenção de líquidos ou a sensação de inchaço. Cavalinha, centella asiática, cardo mariano ou hibisco são algumas das sugestões destas três nutricionistas. “No entanto, uma vez mais, não devemos optar sempre pela mesma”.

Relacionados

Saúde

Mais Saúde

Patrocinados