Navio carregado com trigo ucraniano chega ao Corno de África

Agência Lusa , CF
30 ago, 16:48
Seca no Corno de África (Brian Inganga/AP)

22 milhões de pessoas estão em risco de fome no Corno de África, incluindo a Somália, a Etiópia e o Quénia, devido à pior seca dos últimos 40 anos

O Programa Alimentar Mundial (PAM) anunciou esta terça-feira a chegada ao porto de Djibuti de um navio fretado pelas Nações Unidas (ONU), com 23 mil toneladas de trigo ucraniano para a região do Corno de África, que atravessa uma seca histórica.

O Bravo Comandante tinha deixado o porto ucraniano de Pivdennyi a 16 de agosto, depois de um acordo assinado em julho por Kiev e Moscovo, sob a égide da Turquia e das Nações Unidas, permitindo a exportação de cereais ucranianos bloqueados devido à guerra entre os dois países.

A Ucrânia e a Rússia estão entre os maiores exportadores de cereais do mundo, cujo preço disparou desde que a ofensiva russa começou.

De acordo com o PAM, 22 milhões de pessoas estão em risco de fome no Corno de África, incluindo a Somália, a Etiópia e o Quénia, devido a uma seca história – a pior em pelo menos 40 anos.

A seca desde finais de 2020 na região matou milhões de animais e destruiu colheitas.

Segundo a Organização Meteorológica Mundial da ONU, a próxima estação chuvosa, entre outubro e dezembro, ainda terá uma precipitação insuficiente.

“Ainda não há fim à vista para esta crise de seca, por isso temos de obter os recursos necessários para salvar vidas e evitar que as pessoas mergulhem em níveis catastróficos de fome e miséria”, disse o diretor executivo do PAM, David Beasley.

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de quase 13 milhões de pessoas – mais de seis milhões de deslocados internos e quase sete milhões para os países vizinhos -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

África

Mais África

Patrocinados