"Autêntico salva vidas": Centro Materno Infantil do Norte tem única máquina em Portugal para fazer diálise a recém-nascidos

Agência Lusa , BC
3 nov, 15:36
Recém-nascido (GettyImages)

Em Portugal, o Centro Materno Infantil do Norte é o único centro que tem esta máquina, que “tem poucos exemplares espalhados pela Europa” e custou cerca de 35 mil euros

Os recém-nascidos com doença renal ou doenças metabólicas dispõem a partir de agora de uma máquina que permite fazer diálise, um equipamento que mora no Centro Materno Infantil do Norte (CMIN) e vai servir todo o país.

“Esta máquina é uma mais-valia para todas as crianças deste país que necessitem deste tipo de oferta. Tínhamos, e temos, uma limitação muito grande nos recém-nascidos que têm insuficiência renal aguda”, descreve o diretor do CMIN, equipamento do Centro Hospitalar Universitário do Porto (CHUPorto).

Em Portugal, este é o único centro que possui esta máquina, que “tem poucos exemplares espalhados pela Europa” e custou cerca de 35 mil euros. “Não é nada quando se está perante um autêntico salva-vidas”, apontou Alberto Caldas Afonso.

Em declarações à agência Lusa, o diretor do CMIN explicou que esta máquina, que “até parece um brinquedo” porque os componentes e dimensão estão adaptados a recém-nascidos, permite fazer diálise em bebés a partir dos 1.800 quilos.

Antes, estas técnicas só eram aplicadas a bebés com mais de quatro quilos. Já para usar um equipamento de diálise de adultos é necessário esperar que a criança atinja os nove quilos. E para ser candidato a um transplante de rim, uma criança tem de atingir os 12 quilos.

“Este microequipamento permite fazer hemodiálise em recém-nascidos, o que abre uma janela de oportunidade enorme. O CMIN é um dos maiores centros de prematuridade e o prematuro é um recém-nascido muito suscetível a complicações de insuficiência renal aguda”, descreveu Alberto Caldas Afonso.

Sobre os tratamentos anteriores ao aparecimento desta máquina, o diretor do CMIN admitiu que “tinham maior risco de infeção e menor taxa de eficácia”.

Desenhada por profissionais do Hospital Bambino Gesù (Menino Jesus), uma unidade hospitalar infantil académica de Roma, Itália, esta máquina é responsável por, através de um cateter, fazer circular o sangue fora do corpo da criança, passando-o por um filtro que filtra as impurezas antes do sangue ser recolocado no sistema sanguíneo da criança.

“Permite fazer a técnica tendo somente 27 mililitros de sangue extra corporal. Tudo é adaptado à dimensão de um recém-nascido”, descreveu o diretor sobre uma máquina cujos filtros medem cinco centímetros.

No CMIN nascem por ano entre 3.300 a 3.400 bebés, 10% dos quais prematuros.

Entre outras valências, este equipamento hospitalar é centro de referência de nefrologia pediátrica nacional para o transplante de baixo peso.

“Incorporamos situações agudas que acontecem um pouco por todo o país e não será diferente agora com esta máquina. Vai haver seguramente procura de outros hospitais e todos os pedidos são bem-vindos”, concluiu o diretor.

Relacionados

Saúde

Mais Saúde

Patrocinados