Ómicron determina aumento exponencial de casos de covid-19 em Moçambique

Agência Lusa , BMA
7 jan, 08:56
Vacina covid-19

País tem estado a registar um aumento significativo de novas infeções

O Instituto Nacional de Saúde (INS) de Moçambique defendeu esta sexta-feira que a variante Ómicron está a determinar a subida exponencial do número de casos no país, alertando para os níveis de transmissibilidade “muito altos”, embora sem o aumento de óbitos.

“A variante Ómicron é um determinante claro deste aumento exponencial do número de casos nos últimos tempos […] Das amostras elegidas para testagem, a variante Ómicron domina por completo os dados e praticamente o gráfico de dezembro corresponde inteiramente a esta variante”, disse Sérgio Chicumbe, diretor para a Área de Inquéritos e Observação de Saúde do INS, em entrevista à Lusa.

Moçambique tem estado a registar um aumento significativo de novas infeções, com o número de casos ativos a passar de 17.623 na última semana para 36.733 até quarta-feira, apesar de o número de óbitos não estar a registar a mesma tendência, segundo a última atualização do Ministério da Saúde.

Para o INS, o aumento do número de novas infeções diárias é resultado da circulação da variante Ómicron, que foi inicialmente detetada em amostras colhidas no mês de novembro de 2021 em Maputo e, rapidamente, tornou-se a variante dominante.

“Estamos, em média diária, a fazer cerca de 8.000 testes e estamos a detetar milhares de indivíduos infetados. Isto traduz um aumento exponencial que é característico de uma vaga com o número de casos detetados muito altos”, frisou Sérgio Chicumbe.

Apesar do aumento do número de infeções, a incidência de casos graves que resultem em internamentos ou óbitos é extremamente reduzida, o que para Sérgio Chicumbe abre espaço para que a “vida social” continue, embora com cuidados preventivos reforçados.

“A patogenicidade do vírus para internamento e óbito é relativamente baixa e, por isso, acho que é uma situação confortável manter a vida social e económica em curso, ao mesmo tempo que insistimos nas questões de adesão às medidas preventivas e, por outro lado, intensificamos o rastreio de casos”, declarou.

As conclusões de que a variante Ómicron é dominante em várias províncias de Moçambique resulta de análises qualitativas de genotipagem que estão a ser desenvolvidas pelo Instituto Nacional de Saúde de Moçambique, através da Rede Nacional de Vigilância Genómica do SARS-CoV-2, mas o número específico ou a percentagem de pessoas infetadas por esta variante só será conhecida depois das análises quantitativas.

Para Sérgio Chicumbe, o importante atualmente é consciencializar as pessoas de que as tecnologias que foram adotadas para travar a doença desde a sua eclosão continuam úteis, embora devam ser sempre atualizadas face ao surgimento de novas variantes.

“As tecnologias existentes ainda são válidas para todas as variantes, mas está claro que é preciso fazer uma nova geração de tecnologias, sejam vacinas ou testes, para nos anteciparmos a uma eventual emergência de uma variante que possa escapar à testagem ou a imunidade induzida pela vacinação”, concluiu.

Desde o anúncio do primeiro caso, em março de 2020, Moçambique tem um total acumulado de 2.050 óbitos e 199.940 casos de infeção pelo novo coronavírus.

A covid-19 provocou 5.456.207 mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em diversos países

A nova variante Ómicron, considerada preocupante pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral, mas desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta, em 24 de novembro, foram notificadas infeções em pelo menos 110 países, sendo dominante em Portugal.

África

Mais África

Patrocinados