Caso EDP: Pensão de Manuel Pinho alvo de novo arresto. Defesa classifica de "ato gravíssimo"

Agência Lusa , DCT, atualizado às 14:32
27 jul 2023, 14:04
Manuel Pinho

A iniciativa do Ministério Público para realização de novo arresto da pensão foi feito ainda antes do início das férias judiciais de verão, que começaram em 15 de julho, precisou a fonte.

O juiz de instrução criminal Carlos Alexandre decretou novo arresto da pensão de 26 mil euros do antigo ministro da Economia e arguido do processo EDP Manuel Pinho, confirmou à agência Lusa fonte ligada ao processo.

Segundo adiantou a mesma fonte, o pedido de realização de novo arresto da pensão de Manuel Pinho, desta vez ao abrigo de um processo extraído do processo principal do caso EDP, tinha sido promovido pelo procurador titular do processo, Carlos Casimiro.

A iniciativa do Ministério Público para realização de novo arresto da pensão foi feito ainda antes do início das férias judiciais de verão, que começaram em 15 de julho, precisou a fonte.

Um primeiro arresto à pensão de Manuel Pinho tinha sido revogado pelo Tribunal da Relação de Lisboa, em maio passado, numa decisão que mandou também devolver alguns objetos anteriormente arrestados (vinhos, uma peça de artesanato, uma máquina de flippers e um saco com tacos de golfe) ao antigo ministro da Economia 82005-2009), que se encontra em prisão domiciliária há mais de um ano.

No processo EDP, Manuel Pinho responde por um crime de corrupção passiva para ato ilícito, outro de corrupção passiva, um crime de branqueamento de capitais e um crime de fraude fiscal.

Já a sua mulher, Alexandra Pinho, será julgada por um crime de branqueamento e outro de fraude fiscal – em coautoria material com o marido –, enquanto o antigo presidente do BES, Ricardo Salgado, vai a julgamento por um crime de corrupção ativa para ato ilícito, um crime de corrupção ativa e outro de branqueamento de capitais.

Defesa de Manuel Pinho classifica de "ato gravíssimo" novo arresto da pensão de ex-ministro

O advogado de defesa Ricardo Sá Fernandes disse esta quinta-feira que, a confirmar-se o novo arresto à pensão do antigo ministro da Economia no caso EDP, se está "perante um ato gravíssimo que atinge Manuel Pinho e os alicerces do Estado de Direito".

"Não se conhece qualquer dado novo que possa justificar esta nova investida contra a pensão do doutor Pinho", considerou, em declarações à agência Lusa o advogado de Manuel Pinho.

Ricardo Sá Fernandes garantiu que irá reagir no processo e, "se necessário, fora dele para que se apurem todas responsabilidades de quem tenha agido contra a lei, inclusive os magistrados envolvidos, se for esse o caso".

"Nem a justiça portuguesa nem o Ministério Público têm de ser globalmente julgados por estes atos, que têm de ser vistos como anómalos, gravemente anómalos", concluiu o advogado, reiterando que o novo arresto "é um ato da maior gravidade".

O juiz de instrução criminal Carlos Alexandre decretou novo arresto da pensão de 26 mil euros do antigo ministro da Economia e arguido do processo EDP Manuel Pinho, confirmou à Lusa fonte ligada ao processo. A informação tinha sido avançada pela SIC e também pelo Correio da Manhã.

Relacionados

Crime e Justiça

Mais Crime e Justiça

Mais Lidas

Patrocinados