Conselho Superior da Magistratura recebe certidão contra Carlos Alexandre por violação do "dever de acatamento das decisões"

Agência Lusa , ARC, atualizada às 16:15
7 jun 2023, 15:54
Carlos Alexandre (Getty Images)

Acórdão que ordena devolução da pensãoo de Manuel Pinho está na base da decisão

O Conselho Superior da Magistratura (CSM) recebeu uma certidão do Tribunal da Relação de Lisboa (TRL) contra o juiz Carlos Alexandre por eventual violação dos deveres, confirmou esta quarta-feira fonte oficial do organismo à Lusa.

Em causa está o recente acórdão do TRL relativo ao Caso EDP, no qual os juízes desembargadores mandaram devolver a pensão de reforma de 26 mil euros ao antigo ministro da Economia Manuel Pinho, que havia sido arrestada por despacho do juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC).

“Nesta comunicação é reportada uma situação que pode constituir violação do ‘dever de acatamento das decisões proferidas em via de recurso por tribunais superiores’” relativamente a Carlos Alexandre, indicou a mesma fonte.

A fonte acrescentou que “o CSM está acompanhar esta situação no âmbito das suas competências, estando, de momento, a munir-se dos elementos para apuramento dos factos”.

A comunicação pode dar agora origem a um processo de averiguações que, em última instância, pode traduzir-se num eventual processo disciplinar.

A Relação de Lisboa decidiu no dia 25 de maio dar provimento parcial ao recurso apresentado em dezembro passado pela defesa do ex-governante, uma decisão que veio no mesmo sentido da revogação da apreensão da reforma de Manuel Pinho, em outubro de 2022, que viria depois a ser novamente arrestada, na sequência de um pedido do Ministério Público e de despacho do juiz Carlos Alexandre.

Por isso, os desembargadores entenderam que essa ação do juiz de instrução “pode constituir violação do ‘dever de acatamento das decisões proferidas em via de recurso por tribunais superiores’”, conforme se pode ler neste último acórdão.

A pensão do antigo ministro tinha sido arrestada com vista a assegurar o pagamento de cinco milhões de euros, mas o TRL sublinhou que o despacho colocado em causa pela defesa de Manuel Pinho não indicava o valor de mercado do património que já tinha sido arrestado.

Foi ainda ordenada neste acórdão do TRL a devolução dos bens apreendidos nas buscas domiciliárias à casa do antigo ministro em 03 de novembro (vinhos, uma peça de artesanato, uma máquina de flippers e um saco com tacos de golfe) por não haver “no despacho recorrido qualquer referência a que os bens apreendidos aqui em causa sejam instrumentos dos crimes indiciados, nem produto dos mesmos”.

O antigo ministro da Economia (entre 2005 e 2009) Manuel Pinho vai responder em julgamento no âmbito do Caso EDP por um crime de corrupção passiva para ato ilícito, outro de corrupção passiva, um crime de branqueamento de capitais e um crime de fraude fiscal.

Já a sua mulher, Alexandra Pinho, será julgada por um crime de branqueamento e outro de fraude fiscal - em coautoria material com o marido -, enquanto o antigo presidente do BES, Ricardo Salgado, vai a julgamento por um crime de corrupção ativa para ato ilícito, um crime de corrupção ativa e outro de branqueamento de capitais.

Relacionados

Crime e Justiça

Mais Crime e Justiça

Mais Lidas

Patrocinados