Caso CGD: Ministério Público pede para Berardo estar sujeito a apresentações periódicas às autoridades

Agência Lusa , FMC
1 jul, 22:27
Joe Berardo

De acordo com a nota divulgada, Berardo mantém ainda a caução de cinco milhões de euros e o Termo de Identidade e Residência aplicados anteriormente

O Ministério Público (MP) propôs a alteração das medidas de coação de Joe Berardo no caso CGD, requerendo apresentações periódicas às autoridades pelo empresário e admitindo a extinção da maioria das medidas aplicadas há cerca de um ano.

De acordo com a nota divulgada pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), Joe Berardo mantém ainda a caução de cinco milhões de euros que lhe foi aplicada pelo juiz de instrução Carlos Alexandre, do Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC), e o Termo de Identidade e Residência (TIR). Já em relação ao advogado André Luiz Gomes, igualmente arguido neste processo, o MP revelou que foi proposto apenas TIR.

A revisão das medidas de coação deve-se à iminência de caducarem as medidas que foram aplicadas há praticamente um ano, no dia 2 de julho de 2021. Então, Joe Berardo e André Luiz Gomes foram proibidos de manter contactos entre si e com outras pessoas identificadas nos autos e de frequentar instalações de determinadas entidades, além da prestação de cauções, no valor de cinco milhões de euros para o empresário e de um milhão para o advogado.

“Em consequência e ponderando a proximidade da caducidade da maioria das medidas de coação aplicadas, tiveram os referidos magistrados que requerer a extinção da quase totalidade das medidas acima indicadas, o que veio a ser deferido, tendo um dos arguidos ficado sujeito apenas à medida de termo de identidade e residência”, pode ler-se na nota divulgada na página do DCIAP, aludindo aqui a André Luiz Gomes.

“Por sua vez, o arguido que se encontrava sujeito à caução de cinco milhões de euros mantém esta medida de coação, para além do termo de identidade e residência, tendo ainda sido requerida a sua sujeição a apresentações periódicas”, refere o DCIAP em relação a Joe Berardo.

Confrontado pela Lusa com a nota publicada no ‘site’ da Procuradoria-Geral da República, o advogado do empresário, Paulo Saragoça da Matta, mostrou-se surpreendido com a informação e deixou críticas à atuação do MP.

“Não só desconheço totalmente o que o DCIAP refere no comunicado, como repudio por totalmente inadmissível a prática deste MP em anunciar publicamente o que faz em processos sujeitos a segredo de justiça sem sequer notificar primeiro os arguidos”, afirmou, sem deixar de notar que iria informar na próxima segunda-feira o tribunal do fim do prazo (este sábado) das medidas de coação anteriormente decretadas.

O caso CGD conta com 11 arguidos (cinco pessoas individuais e seis pessoas coletivas) foi tornado público depois de uma operação policial em que foram feitas cerca de meia centena de buscas, três das quais a estabelecimentos bancários.

Crime e Justiça

Mais Crime e Justiça

Patrocinados