Proprietários de Tesla estão maravilhados - e alarmados - com a "condução totalmente autónoma"

CNN , Matt McFarland
27 nov 2021, 12:01
Tesla. AP Photo/Eric Risberg
Tesla. AP Photo/Eric Risberg

PUB

Os condutores com o software de "condução totalmente autónoma" da Tesla geralmente não sabem o que os seus carros vão fazer a seguir.

Os proprietários de Teslas ficaram maravilhados com as novas habilidades dos seus carros, mas alguns dizem que também ficaram alarmados e frustrados com as falhas que as acompanham. Num segundo, os condutores elogiam as habilidades dos carros; no momento seguinte, estão a agarrar o volante para evitarem bater ou infringir a lei.

PUB

A "condução totalmente autónoma" é um conjunto de recursos de assistência ao condutor que a Tesla espera que um dia permitam que os carros conduzam sozinhos. (Não é totalmente autónoma atualmente, mas isso não impediu a Tesla de lhe chamar "condução totalmente autónoma", o que irritou alguns especialistas em condução autónoma.) Outras construtoras como a Mercedes-Benz, GM, Ford e Volvo oferecem carros com características semelhantes que podem mudar de faixa, estacionar em paralelo, identificar sinais de limite de velocidade e travar ao encontrar peões. Mas a Tesla foi mais longe com a "condução totalmente autónoma", teoricamente permitindo que as pessoas introduzam um destino e o carro as leve até lá. O CEO da Tesla, Elon Musk, falou sobre os carros do futuro a conduzirem sozinhos pelo país e sobre a possibilidade de as fatalidades no trânsito serem reduzidas em 99%.

PUB
PUB
PUB

Mas a empresa só conseguiu lançar lentamente a "condução totalmente autónoma" para cerca de mil "testadores beta", que ainda têm de intervir ocasionalmente. Enquanto isso, o custo da opção de "condução totalmente autónoma" aumentou para 10 mil dólares. E embora o recurso seja um passo importante, ele ainda apresenta problemas de peso. A Tesla já mandou recolher uma versão de "condução totalmente autónoma" horas depois do seu lançamento, porque os condutores estavam a comunicar falsos avisos de colisão frontal e travagem automática de emergência. O problema foi resolvido numa nova versão lançada no dia seguinte. Os proprietários de carros da Tesla disseram que ficaram impressionados com a rapidez com que a empresa respondeu.

O software é, na melhor das hipóteses, inconsistente, de acordo com entrevistas com proprietários de Teslas com "condução totalmente autónoma", bem como uma análise de mais de 50 vídeos publicados nas redes sociais por membros do público que têm usado versões do software desde que foi lançado para cerca de mil proprietários no início de outubro. Os vídeos são considerados autênticos por causa da presença de detalhes típicos do uso de "condução totalmente autónoma", pela complexidade de manipular esses vídeos e pelas histórias nas redes sociais dos criadores dos vídeos, que geralmente são entusiastas da Tesla. A construtora não contestou a autenticidade dos vídeos.

PUB
PUB
PUB

A "condução totalmente autónoma" da Tesla pode destacar-se num cenário um dia, mas falhar no seguinte. Por vezes, os indicadores de mudança de direção acendem e desligam aleatoriamente. A "condução totalmente autónoma" foi vista a negligenciar sinais de "estrada fechada", tentando desviar-se deles ou colidir com eles. Às vezes, trava inesperadamente, mesmo quando a estrada à frente parece desimpedida para os condutores.

Às vezes, os Teslas no modo "condução totalmente autónoma" traçam um caminho diretamente contra outros objetos fixos, incluindo postes e rochas, como os vídeos parecem mostrar.

Porém, a tecnologia também brilhou algumas vezes, tendo numa situação identificado um ciclista à frente antes mesmo que o condutor humano relatasse ter visto a pessoa. E os condutores dizem que a tecnologia está a melhorar no geral.

"Ele conduzia como uma criança de 9 anos que só tinha conduzido no [Grand Theft Auto] e sentou-se ao volante", disse John Bernal, que possui um Tesla Model 3, sobre quando instalou a "condução totalmente autónoma" no início deste ano. "Agora, sinto que estou a conduzir com a minha avó. Às vezes, pode cometer um erro, do tipo: 'Não, avó. É uma rua só de um sentido, lamento.'"

PUB
PUB
PUB
Créditos: Dirty Tesla/YouTube

A Tesla não respondeu a um pedido de comentário e geralmente não se envolve com a comunicação social profissional. A marca avisa os condutores de que a tecnologia "pode fazer a coisa errada na pior altura, por isso, devem manter sempre as mãos no volante e prestar atenção redobrada à estrada". Os condutores são avisados para estarem preparados para agir imediatamente, especialmente em esquinas sem visibilidade, cruzamentos e situações estreitas.

Alguns condutores de Tesla dizem que estão preocupados com o facto de o comportamento inconsistente do recurso por vezes ser irritante e rude para outros condutores. Vídeos publicados online mostram que é comum carros em "condução autónoma" circularem pelo centro de ruas residenciais sem marcações, sem qualquer pressa para se desviarem do trânsito que vai na sua direção.

"Espera até ao último segundo para se desviar", disse Matt Lisko durante a gravação de um percurso recente que publicou no YouTube. "Tenho a certeza de que eles pensaram: ‘O que está aquela pessoa a fazer?’"

PUB
PUB
PUB

Os carros também parecem confundir os condutores noutras situações, como demorarem para arrancar na sua vez num cruzamento.

"Estamos a tentar. Desculpem!”, disse um crítico automóvel, Kyle Conner, para a câmara enquanto estava ao volante de um Tesla que arrancava lentamente num cruzamento. "Estava toda a gente a revirar-nos os olhos. Acabámos de irritar umas 12 pessoas ali."

Em pelo menos um caso, pareceu ter-se posto à frente de um condutor que estava à espera num cruzamento. Noutro vídeo, um Tesla com "condução totalmente autónoma" tentou contornar um veículo à sua frente que esperava pela sua vez num cruzamento.

Já foi demonstrado que, às vezes, a "condução totalmente autónoma" para duas vezes nos sinais de Stop de Chicago - uma vez antes de entrar no cruzamento e outra vez a meio do cruzamento. A tecnologia parece ficar confundida com a prática em Chicago de, às vezes, colocar sinais de Stop onde os condutores devem efetivamente parar e também do outro lado do cruzamento. A "condução totalmente autónoma" parece pensar que deve parar em cada um dos sinais de Stop, do lado de cá e do lado oposto do cruzamento.

PUB
PUB
PUB

Teslas com "condução totalmente autónoma" costumam parar mais atrás dos sinais de Stop do que os condutores comuns, o que origina críticas dos seus proprietários. Os carros movem-se então lentamente para fazer a curva e, em seguida, aceleram rapidamente quando fazem uma curva em estradas de alta velocidade. Muitos condutores adoram a aceleração. Mas é tão acentuada que alguns condutores temem que os pneus derrapem ou se desgastem rapidamente.

Em vários vídeos, a "condução totalmente autónoma" ficava atrás de um veículo que estava estacionado em dupla fila na rua, parecendo não saber se deveria contornar o carro ou carrinha. Pelo menos três condutores documentaram em vídeos do YouTube casos em que a "condução totalmente autónoma" tentou contornar veículos que não deveria ultrapassar, incluindo um caso de um veículo à espera num sinal de Stop com o pisca ligado.

Kim Paquette, uma das primeiras pessoas que não era funcionária da Tesla a testar a "condução totalmente autónoma" quando foi lançada para um grupo restrito há um ano, diz que usa o recurso em quase todas as suas deslocações no seu Tesla Model 3. Ela ficou frustrada quando recentemente teve de conduzir um carro emprestado que não tinha a tecnologia à qual ela se habituou. Paquette disse que às vezes chega a conduzir 135 quilómetros desde a sua casa até ao trabalho no aeroporto de Boston sem ter de intervir por o carro cometer um erro.

PUB
PUB
PUB

Paquette introduz uma morada no ecrã do seu Model 3 ou carrega num botão e usa o reconhecimento de voz do Tesla para dizer o destino ao carro. Em seguida, ela pressiona duas vezes para baixo uma patilha no volante para ativar a "condução totalmente autónoma". O carro emite um toque, acende-se no ecrã o símbolo azul do volante, e o carro começa a levá-la aonde ela quer ir.

De certa forma, um sistema destes pode parecer mágico. Mas essa magia ainda tem falhas que podem ser tanto menores como graves.

Paquette já ficou frustrada, por exemplo, com a tendência do seu carro para conduzir na faixa de estacionamento em ruas de sentido único em Newport, Rhode Island, onde ela mora.

"Só quero que ele não cometa esse erro e já faz isso há um ano", disse Paquette. Alguns vídeos que ela própria gravou a usar o recurso mostram o seu carro a tentar pôr-se à frente de carros que não deveria, forçando-a a intervir. E segundo Paquette disse à CNN Business, ela tende a não usar o sistema em viagens que envolvem curvas à esquerda com visibilidade reduzida, pois sabe que o sistema tem dificuldades.

PUB
PUB
PUB

Uma das inconsistências na "condução totalmente autónoma" é como ela lida com os peões. Vários condutores tiveram de travar a fundo para evitar que o carro atropelasse pessoas nas passadeiras, como mostram os vídeos.

Mas, na maioria dos casos, é excessivamente cauteloso com os peões, dizem os condutores. Paquette lembrou-se de uma viagem recente em que ela estava a descer uma rua quando uma pessoa saiu de um carro estacionado. Paquette disse que o carro parou à distância de quatro carros atrás do veículo estacionado e do condutor que estava a sair. Para Paquette, parecia claro que a pessoa que estava a sair do carro ia a caminho do passeio adjacente, e não atravessar à sua frente. O carro poderia ser cauteloso sem deixar uma distância tão grande, sentiu ela.

Ela reparou que a "condução totalmente autónoma" tem dificuldades para perceber sinais sociais, incluindo quando outro condutor acena num cruzamento para ceder a passagem, ou saber o que um peão vai fazer a seguir. Paquette disse que assume regularmente o controlo manual do carro para evitar que ele tome uma decisão errada ou irrite outros condutores.

PUB
PUB
PUB

"Se alguém está parado na esquina, está apenas parado na esquina ou à espera para atravessar a rua?", pergunta ela. "É um aprendiz de condução, sem dúvida. É como ensinar um miúdo de 15 anos."

A Tesla não está sozinha na luta para fazer os seus carros reconhecerem os sinais sociais. As máquinas funcionam melhor em ambientes previsíveis sem complexidade, e isso tem sido um desafio para todos os desenvolvedores de veículos autónomos.

Os condutores humanos comunicam com os peões e os outros condutores por meio de gestos, buzinas e sinais de luzes, e ainda não existe um sistema semelhante para que os veículos autónomos conversem entre si, muito menos para entender os sinais que as pessoas estão a usar. Algumas empresas experimentaram exibir mensagens em veículos, como "espero que passe primeiro", ou incluir uma barra de luz no para-brisa de um carro que pisca de forma diferente consoante o carro está parado ou não.

Uma newsletter para conversarmos - Decisão 22

Envie-nos as suas questões e sugestões de temas, responderemos pela caixa do correio

Saiba mais

Automóvel

Mais Automóvel

Patrocinados