Em nome da sua saúde, aprenda a remover carraças

CNN , Kate Golembiewski
1 jun, 12:00
Carraças

As doenças transmitidas pelas carraças podem ser debilitantes ou mesmo fatais - e o risco de infeção aumenta quanto mais tempo a carraça estiver em cima de nós. Vivemos num mundo de mais carraças em mais lugares”

Talvez tenha visto uma a rastejar pela sua perna depois de uma caminhada pela erva alta ou tenha sentido uma nas costas do seu cão quando passou a mão pelo pêlo dele. Se não tiver sorte, talvez tenha encontrado uma já entranhada na sua pele, engolida pelo seu sangue.

As carraças são parasitas sugadoras de sangue capazes de propagar doenças mortais e estão a tornar-se cada vez mais comuns. Eis o que precisa de saber sobre elas.

Carraças 101

As carraças são aracnídeos, primos próximos dos ácaros e primos mais distantes das aranhas. Existem mais de 800 espécies de carraças em todo o mundo e 84 que foram documentadas nos Estados Unidos. No entanto, apenas algumas delas nos EUA picam e transmitem doenças aos seres humanos. As mais comuns são as carraças de patas negras (também conhecidas como carraças de veado, mas que se alimentam de muitos outros animais além do veado), as carraças estrela-solitária, as carraças americanas do cão e as carraças castanhas do cão.

Depois de um ovo de carraça eclodir, passa por três fases de vida: larva, ninfa e adulto. Tanto as carraças machos como as fêmeas alimentam-se de sangue, inserindo as suas peças bucais farpadas e semelhantes a palha na pele do seu hospedeiro (ao contrário dos mosquitos, que só picam se forem fêmeas que se preparam para pôr ovos). No entanto, apenas as carraças fêmeas bebem até ao ponto de ficarem ingurgitadas.

“Quando se vê uma fêmea supergrande e ingurgitada, isso significa que ela vai pôr ovos e recomeçar o processo do ciclo de vida”, diz Kait Chapman, educadora de extensão e entomologista urbana da Universidade de Nebraska-Lincoln.

Estes aracnídeos mudam drasticamente de tamanho e aparência consoante a idade e a quantidade de sangue que beberam. “A ninfa da carraça de patas pretas, se as colocarmos num pão de sementes de papoila, misturam-se muito bem”, diz Thomas Mather, professor de entomologia de saúde pública na Universidade de Rhode Island e diretor do Centro de Doenças Transmitidas por Vetores e do Centro de Recursos TickEncounter dessa escola. Entretanto, uma fêmea adulta ingurgitada da mesma espécie pode inchar até ao tamanho de uma ervilha.

Picadas de carraças e doenças

Embora haja alguns meses em que as diferentes espécies e fases de vida são mais ativas, é possível ser mordido por uma carraça em qualquer altura do ano. Se encontrar uma carraça agarrada a si (ou ao seu animal de estimação), deve removê-la cuidadosamente.

“A recomendação é que utilize uma pinça, pegue na carraça pela cabeça o mais próximo possível da pele e puxe-a para fora”, explica Chapman. “Não queremos torcer porque podemos deixar parte dessa parte bucal embutida na pele. E não queremos agarrar o corpo porque, se o apertarmos, a carraça pode regurgitar mais, o que significa que estamos a aumentar a probabilidade de contrair doenças transmitidas por carraças.”

Tenha cuidado ao remover uma carraça da sua pele. Com uma pinça, pegue na carraça pela cabeça o mais próximo possível da pele e puxe-a para fora  foto DieterMeyrl/iStockphoto/Getty Images

O seu impulso pode ser esmagar a carraça acabada de remover, mas é melhor afogá-la com desinfetante para as mãos ou álcool e guardá-la para mostrar a um especialista ou, pelo menos, tirar uma fotografia. Dessa forma, pode identificar o tipo de carraça e há quanto tempo se alimenta; o site TickEncounter da Universidade de Rhode Island tem ferramentas baseadas na coloração, tamanho e localização geográfica.

É importante identificar a carraça porque certas espécies são portadoras de doenças diferentes. Elas apanham bactérias, vírus e outros micróbios do sangue de hospedeiros infetados e, quando mordem uma nova vítima, podem transmitir esses agentes patogénicos.

As larvas e ninfas da carraça de patas pretas, por exemplo, alimentam-se frequentemente de ratos de patas brancas que podem ser portadores de uma bactéria chamada Borrelia burgdorferi. Quando uma carraça que se alimentou de um destes ratos infetados se alimenta de um ser humano pode transmitir essa bactéria, que causa a doença de Lyme.

As carraças da estrela solitária, por outro lado, não se alimentam de ratos de patas brancas e, consequentemente, não são portadoras da doença de Lyme. No entanto, transportam outros micróbios causadores de doenças e as suas picadas podem introduzir na corrente sanguínea uma molécula de açúcar que torna as pessoas alérgicas à carne vermelha.

Num estudo de setembro de 2023, os investigadores identificaram uma proteína que parece desempenhar um papel importante na forma como algumas carraças - incluindo a carraça do veado e a carraça ocidental de patas pretas - são infetadas pela bactéria nociva Anaplasma phagocytophilum antes de a espalharem para hospedeiros humanos e causarem anaplasmose, que é diferente da doença de Lyme.

A anaplasmose pode causar fortes dores de cabeça, febre e arrepios, vómitos e fadiga, segundo o Cedars-Sinai.

A compreensão desta proteína pode dar aos cientistas uma melhor noção de como impedir a propagação da doença através das carraças, refere o estudo. Mas ainda há muita investigação pela frente até lá chegarem.

Prevenir as picadas de carraças

As doenças transmitidas pelas carraças podem ser debilitantes ou mesmo fatais e o risco de infeção aumenta quanto mais tempo a carraça estiver em cima de nós. Embora existam alguns tratamentos disponíveis, é melhor evitar ser mordido em primeiro lugar.

Vários estudos sugeriram factores que podem desempenhar um papel na atração de carraças, incluindo um artigo recente que mostra uma ligação entre a atração de carraças e a eletricidade estática num ambiente de laboratório. E embora as carraças sejam atraídas por sinais como o dióxido de carbono exalado pelos animais, tendem a ficar à espera em vez de procurarem ativamente as suas presas.

“Ao contrário do que se pensa, eles não caem das árvores. Sentam-se simplesmente na extremidade de uma folha alta de relva, por exemplo, que talvez esteja pendurada num sítio qualquer, e põem a pata dianteira de fora. Chamamos isso 'busca'”, diz Chapman. “Esperam que o hospedeiro passe por eles e é principalmente assim que as pessoas apanham carraças.”

Os repelentes de insetos que contêm DEET, picaridina e óleo de eucalipto-limão foram aprovados pela Agência de Proteção Ambiental para proteger contra as carraças. No entanto, estes produtos químicos funcionam de forma diferente contra as carraças e contra os mosquitos.

Enfiar o fundo das calças nas meias é uma forma de evitar as picadas de carraças quando se faz caminhadas na natureza​​​​​​ foto Zbynek Pospisil/iStockphoto/Getty Images

Por exemplo, o DEET “queima as patas das carraças e elas caem porque as suas patas estão a arder”, em vez de interferir com a capacidade da carraça para encontrar a sua presa, tal como o DEET afeta os mosquitos, refere Mather. Além disso, “assim que o produto é seco, ele não queima tanto, por isso não dura muito tempo para as carraças”.

Em vez disso, Chapman recomenda a prevenção de picadas de carraças: portanto, cubra a sua pele e coloque o fundo das suas calças dentro das meias. As carraças também morrem em meia hora na máquina de secar roupa, por isso coloque nessas máquinas as suas roupas assim que chegar a casa - mesmo antes de as lavar.

Além disso, “preferimos usar roupas tratadas com permetrina - é muito, muito mais eficaz” do que o spray de insetos, revela Mather. “Bloqueia a condução nervosa das carraças, deixando-as hiperexcitadas e fazendo com que percam rapidamente as suas funções, o que acaba por as matar.” Dependendo de onde você mora, também pode fazer sentido exterminar as carraças que vivem no seu quintal ou jardim - caso os tenha.

Estas precauções podem parecer excessivas mas para Mather são o caminho do futuro, porque “vivemos num mundo de ‘mais carraças em mais lugares’ e mais pessoas estão a ser expostas”.

As alterações climáticas podem desempenhar algum papel na propagação das carraças, mas Mather acredita que o afluxo dos parasitas tem mais que ver com o facto de os veados de cauda branca se tornarem mais comuns em áreas onde há maior densidade de pessoas. Como resultado, “mais pessoas estão a ser expostas às carraças que se reproduzem nos veados de cauda branca”.

Apesar da propagação das carraças e da gravidade das doenças que podem causar, Chapman sublinha que, com as devidas precauções (para si e para os seus animais de estimação - peça ao seu veterinário preventivos contra as carraças), elas não o devem manter refém dentro de casa.

“Sim, as carraças existem. Sim, elas podem ser um problema de saúde pública, mas não queremos que as carraças o mantenham dentro de casa. Ainda deve poder sair e desfrutar da natureza, mas tem de, mais uma vez, efetuar essas verificações de carraças. Por isso, dedique um pouco de tempo. Faça isso.”

Kate Golembiewski é uma escritora científica freelancer sediada em Chicago que se interessa por zoologia, termodinâmica e morte. Apresenta o talk show de comédia “A Scientist Walks Into a Bar”

Saúde

Mais Saúde

Patrocinados