"Sinto-me renascida". Um tratamento experimental curou o cancro de Jasmim, a quem os médicos deram apenas alguns meses de vida

5 jul, 11:18
Jasmin David com o marido e os dois filhos (BBC)

O tratamento consiste em combinar um medicamento experimental com um medicamento de imunoterapia chamado Atezolizumab

“Há dois anos pensava que era o fim, agora sinto-me renascida”. Quem o diz é Jasmin David, que venceu uma forma agressiva de cancro depois de participar num ensaio clínico de um tratamento experimental.

Quando lhe foi diagnosticada, em outubro de 2019, uma forma agressiva de cancro da mama, o prognóstico era reservado e deram-lhe menos de um ano de vida. 

Em novembro de 2017, na altura com 51 anos, Jasmin já tinha sido diagnosticada com a doença. Seguiram-se seis meses de quimioterapia, uma mastectomia e 15 ciclos de radioterapia, que a salvaram. Mas, em 2019, a doença voltou mais forte: tinha-se espalhado para os pulmões, nódulos linfáticos e tórax, dando-lhe pouca esperança de sobreviver.

Foi então que lhe foi permitido entrar num ensaio clínico de dois anos no Hospital Christie, um dos maiores centros de tratamento de cancro na Europa. “Quando me foi oferecido o tratamento experimental, não sabia se resultaria comigo, mas pensei que ao menos podia fazer algo para ajudar os outros e usar o meu corpo para a próxima geração”, disse Jasmin à BBC Radio Manchester.

Apesar de lhe ter salvo a vida, Jasmin conta que o tratamento, que consiste em combinar um medicamento experimental com um medicamento de imunoterapia chamado Atezolizumab, lhe deu efeitos secundários muito fortes: “No início tive muitos sintomas secundários horríveis, incluindo dores de cabeça e temperaturas muito altas, por isso tive no hospital durante o Natal. Depois, felizmente, comecei a responder bem ao tratamento.” 

Cada dia é “um bónus”

Uma resposta boa que lhe salvou a vida, com os médicos a afirmar que Jasmin está curada da doença. Mãe de dois filhos, residente em Fallowfield, na cidade inglesa de Manchester, a mulher abraça a vida com uma nova perspectiva e afirma que vive cada dia como “um bónus”.

Jasmin decidiu inclusivamente reformar-se antecipadamente, tendo aproveitado para fazer uma visita à Índia, o seu país. 

O tratamento irá continuar até dezembro de 2023, mas, até lá, Jasmin David afirma que vive a sua vida “com gratidão a Deus e à ciência médica”.

Relacionados

Europa

Mais Europa

Patrocinados