Cuidado, Europa: 2035 vai ser como 2022. E isso não é bom - e é quente, muito quente

Amarachi Orie e Angela Dewan, CNN
26 ago, 18:45
Onda de calor (Getty)

Calor. Calor. Calor. Calor. Calor. Cuidado com ele. Uma análise

Onda de calor recorde na Europa será a norma em 2035, segundo análise

Por Amarachi Orie e Angela Dewan, CNN

Londres (CNN) A onda de calor recorde que varreu a Europa este ano tornar-se-á o verão "médio" até 2035, mesmo que todos os países reduzam as suas emissões de gases com efeito de estufa em tanto quanto se comprometeram, de acordo com uma análise publicada quinta-feira.

A análise do Centro Hadley do Gabinete de Meteorologia do Reino Unido, encomendada pelo Grupo Consultivo para a Crise Climática (CCAG) do país, analisou a rapidez com que as temperaturas estão a mudar em toda a região, utilizando registos históricos de temperaturas médias de verão desde 1850 e comparando-as com as previsões-modelo.

Tendo uma visão a longo prazo, a análise concluiu que um verão médio na Europa Central em 2100 seria de 4 graus Celsius (7,2 graus Fahrenheit) mais quente do que na era pré-industrial. Os cientistas dizem agora que todas as ondas de calor têm as impressões digitais das alterações climáticas induzidas pelo homem, causadas principalmente pela queima de combustíveis fósseis.

"Estes dados servem como uma urgente lembrança da necessidade de os países irem muito além das suas contribuições determinadas a nível nacional até agora prometidas no âmbito do Acordo de Paris, que visa limitar o aquecimento global a menos de 1,5º C, se possível", refere a CCAG no comunicado.

Contribuições determinadas a nível nacional estabelecem as reduções planeadas de emissões de cada país para alcançar o objetivo do Acordo de Paris de 2015 de limitar o aquecimento global a 2ºC ou 1,5º C, se possível.

Parte do rio Guadiana evaporou com a seca e o calor em Villarta de los Montes, Espanha CRÉDITOS GETTY IMAGES

O Reino Unido estabeleceu um recorde nacional de temperatura em julho depois de ter ultrapassado pela primeira vez os 40 graus Celsius (104 graus Fahrenheit). Outros registos locais foram quebrados em partes de Espanha, Portugal e França, que também têm lutado contra incêndios florestais, uma vez que tanto o calor como a seca deixam as florestas e as pradarias secas.

"No rescaldo da onda de calor europeia de 2003, que se estima ter matado mais de 70 mil pessoas, previ que tais temperaturas, tão excecionais para a época, se tornariam a norma sob emissões contínuas. Essa previsão foi agora concretizada", disse Peter Stott, do Centro Hadley do Gabinete de Meteorologia. "Os riscos de condições climáticas extremas, incluindo incêndios, secas e inundações repentinas, continuarão a aumentar rapidamente, a menos que as emissões de gases com efeito de estufa sejam substancialmente reduzidas."

Promessas do Acordo de Paris ficam aquém

As novas descobertas foram publicadas pouco mais de dois meses antes das conversações internacionais sobre o clima da COP27, no Egito. No ano passado, os países concordaram em alinhar os seus planos de emissões com o objetivo de limitar o aquecimento global a 1,5º C até ao final da COP27.

Uma análise do Climate Action Tracker, no ano passado, concluiu que nenhuma das maiores economias mundiais - incluindo todo o G20 - tinha um plano que cumprisse as suas obrigações nos termos do Acordo de Paris. Desde então, alguns países apresentaram planos mais ambiciosos.

Mulheres que lutam contra o calor em Sevilha, Espanha, a 13 de junho de 2022 CRÉDITOS GETTY IMAGES

Para conter o aquecimento global, a CCAG defende que os países reduzam as emissões "urgente, profunda e rapidamente"; eliminem o dióxido de carbono e outros gases com efeito de estufa da atmosfera em "grandes quantidades para reduzir o total a partir de hoje"; e que "ganhem tempo" para completar aqueles dois.

Para isso, o comité disse que o mundo devia reparar partes avariadas do sistema climático, a começar pelo Ártico.

Acrescentou que "para criar um futuro manejável temos de recongelar o Oceano Ártico, que já aqueceu 3,5º C acima dos níveis pré-industriais e está a agravar os eventos climáticos extremos em todo o mundo".

O presidente da CCAG, David King, disse em comunicado que a ciência tem noção de que o clima extremo é "pelo menos em grande parte uma consequência das alterações climáticas induzidas pelo homem".

"Os dados divulgados pelo Gabinete de Meteorologia mostram que, mesmo que os países cumpram os seus compromissos de redução de emissões que fizeram até agora, a situação ainda deverá piorar, prevendo-se que o clima na Europa se torne ainda mais extremo do que o observado neste verão", disse.

"Estes dados não explicam totalmente a instabilidade do Ártico, que sabemos agora ser um ponto de viragem global que pode ter grandes consequências em cascata para todo o planeta."

Mundo

Mais Mundo

Patrocinados