O calor não faz bem ao sono (e este estudo prova isso)

CNN , Megan Marples
29 mai, 22:00
Enxaqueca

As pessoas de todo o mundo perderão, provavelmente, entre 50 a 58 horas de sono anuais até 2099, devido à crise climática, segundo revelou um novo estudo.

Os investigadores usaram pulseiras com acelerómetros internos para medir a duração e o tempo de sono em mais de 47 mil adultos em 68 países, durante uma média de seis meses, para um estudo publicado na revista One Earth.

Os adultos devem dormir entre sete a nove horas, de acordo com a Fundação Nacional do Sono. A probabilidade de obter menos de sete horas de sono aumentou 3,5% se as temperaturas mínimas exteriores à noite excederem os 77 graus Fahrenheit (25 graus Celsius) em comparação com a temperatura de base de 41 a 50 graus Fahrenheit (5 a 10 graus Celsius), segundo o estudo.

"A perda de 3,5% de sono pode inicialmente parecer um número pequeno, mas vai acrescentando", disse Alex Agostini, docente do departamento de justiça e sociedade da Universidade do Sul da Austrália, em Adelaide. Agostini não esteve envolvida no estudo.

Quando os adultos não obtêm a quantidade recomendada de sono, podem ter problemas de concentração, disse Agostini. Os efeitos a longo prazo podem incluir um risco acrescido de alguns problemas de saúde, como doenças cardiovasculares e gastrointestinais, afirmou.

"Muitos de nós já fizemos 'diretas' em alguma fase das nossas vidas – imaginem fazer isto oito vezes. Como se sentiriam?" Perguntou Agostini.

Uma única noite acima dos 86 graus Fahrenheit (30 graus Celsius) reduz o tempo de sono em cerca de um quarto de hora por pessoa, disse o autor principal do estudo, Kelton Minor, doutorando no Centro para a Ciência de Dados Sociais da Universidade de Copenhaga.

No entanto, os idosos perderam o dobro do sono por grau de aquecimento em comparação com adultos jovens ou de meia-idade. Além disso, a perda de sono foi três vezes maior para os idosos em áreas de baixo rendimento em comparação com as áreas de maior rendimento, disse. As mulheres também foram cerca de 25% mais afetadas pelo aumento das temperaturas do que os homens, acrescentou Minor.

Hipóteses reduzidas de adaptação ao calor

Os investigadores também encontraram evidências de que as pessoas que vivem em climas mais quentes perdem mais sono por grau em comparação com as que estão em climas mais frios, e que as pessoas têm maior facilidade de adaptação em climas mais frios do que em climas mais quentes. Esta maior perda de sono em locais mais quentes sugere que as pessoas não conseguem adaptar-se facilmente a temperaturas mais quentes, disse Minor.

À medida que as temperaturas continuam a aumentar devido ao aquecimento global, Minor projetou que a perda de sono aumentará a um ritmo mais rápido em regiões que já enfrentam climas quentes em comparação com as que não o fazem.

As pessoas também não pareciam adaptar-se ao calor: a quantidade de sono que as pessoas tiveram no primeiro mês de verão, quando estavam menos familiarizadas com o calor e no último mês de verão, quando estavam mais familiarizadas, mostra que perderam quase a mesma quantidade de sono, segundo Minor.

Esta semelhança na perda de sono indicou que as pessoas não conseguem adaptar-se a temperaturas mais altas ao longo do tempo, disse. Além disso, os resultados mostram que as pessoas parecem não recuperar o sono que perderam durante uma noite quente nessas duas semanas a seguir a um pico de temperatura, afirmou Minor.

O custo das temperaturas mais quentes

Os humanos passam cerca de um terço das suas vidas a dormir, mas um número crescente de pessoas não dorme o suficiente, disse Minor. Um terço dos adultos nos Estados Unidos refere que normalmente dormem menos do que as recomendadas sete a nove horas, de acordo com os Centros de Controlo e Prevenção de Doenças dos EUA.

"Muitos de nós já não dormem o suficiente e a contribuição de problemas de sono relevantes para o aquecimento global pode ter consequências reais para a nossa saúde e bem-estar", disse Agostini por e-mail.

Quando os humanos começam a adormecer, a temperatura do corpo diminui, afirmou. Quando a temperatura circundante é mais quente, torna-se mais difícil arrefecer, o que pode afetar a capacidade de adormecer, explicou.

O ar condicionado pode permitir que as pessoas se adaptem às temperaturas mais quentes, mas não é uma solução fiável e a longo prazo, disse Agostini.

As pessoas que vivem em países de baixo rendimento têm menos acesso ao ar condicionado, o que pode agravar ainda mais a desigualdade, disse Minor.

Além disso, os ar condicionados libertam emissões de gases com efeito de estufa, o que naturalmente agrava o aquecimento global, disse Agostini.

"A solução melhor e mais adequada para o problema é a utilização de um planeamento de construção amigo do ambiente e a implementação de outras mudanças para melhorar a questão do aquecimento global", disse.

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Vida Saudável

Mais Vida Saudável

Patrocinados