Seis caças F-16 viajaram a velocidade supersónica para interceptar jato privado que sobrevoou Washington - e cujo piloto estava caído no assento

CNN , Pete Muntean, Elizabeth Wolfe, Natasha Bertrand, Haley Britzky, Brian Todd e Lauren Koenig
6 jun 2023, 13:43
Caças F-16 (Armando Franca/AP)

Estrondo ouvido na capital norte-americana teve origem na velocidade que os aviões militares atingiram

O piloto do jato privado que foi perseguido por caças militares supersónicos que protegiam Washington, D.C., foi visto caído no seu assento, disse à CNN fonte familiarizada com a situação.

O piloto e três passageiros estavam a bordo do Cessna Citation que se despenhou numa área densamente arborizada perto de Waynesboro, Virgínia, informou a Administração Federal de Aviação (FAA) na segunda-feira. Não houve sobreviventes, disseram as autoridades.

Outra fonte disse à CNN que os investigadores do acidente estão mais interessados na hipoxia - falta de oxigénio no sangue - como razão pela qual o piloto e os passageiros não responderam às tentativas de contacto dos controladores de tráfego aéreo e de outros aviões civis.

A hipoxia é um risco associado ao voo a grande altitude e pode ter sido provocada por uma descompressão da cabina pressurizada do avião, segundo os peritos em aviação. O voo ia de East Tennessee para Long Island, Nova Iorque, a 34.000 pés, uma altitude em que os pilotos têm 30 a 60 segundos para colocar as máscaras de oxigénio quando a pressão cai ou correm o risco de ficar inconscientes.

Quando os F-16 alcançaram o Cessna 560 Citation V, por volta das 15:20, os pilotos lançaram foguetes de sinalização numa tentativa de chamar a atenção do piloto, segundo um comunicado do Comando de Defesa Aeroespacial Norte-Americano (NORAD).

"O piloto não reagiu e o Cessna despenhou-se em seguida perto da Floresta Nacional George Washington, na Virgínia", refere o comunicado. "O NORAD tentou estabelecer contacto com o piloto até que o avião se despenhou."

A FAA perdeu o contacto com o jato apenas 15 minutos após a sua descolagem, de acordo com uma declaração da agência e dados do site de rastreio de viagens aéreas FlightAware.

Cerca de oito minutos após a perda de contacto, a agência contactou a "Rede de Eventos Domésticos", que consiste em militares, segurança nacional, segurança interna e outras agências de segurança, de acordo com a declaração da FAA.

O avião civil partiu de Elizabethton, no Tennessee, passou pelo seu destino - o aeroporto MacArthur de Long Island, em Nova Iorque - e voltou para trás antes de se despenhar na Virgínia, na tarde de domingo, segundo a NORAD e o LiveATC.net.

Para além dos F-16, os controladores de tráfego aéreo e outros pilotos civis tentaram freneticamente contactar por rádio a tripulação do jato, que não respondia, enquanto este voava em direção a Washington, D.C., a 34.000 pés de altitude, segundo o áudio do LiveATC.net.

A chave para os investigadores, segundo a fonte familiarizada com a investigação, é o funcionamento do piloto automático do avião. O voo deu meia volta e continuou a voar durante mais de 300 milhas antes de se despenhar na zona rural da Virgínia.

Os primeiros socorristas chegaram ao local do acidente por volta das 20:00 de domingo, confirmou a porta-voz da polícia estadual, Corinne Geller. O xerife do condado de Augusta, Donald Smith, disse na segunda-feira que o terreno "extremamente íngreme" e acidentado dificultou o acesso ao local, que ficava no topo de uma montanha a cerca de 1,5 quilómetros de uma estrada.

Perto do local do acidente, o investigador responsável do Conselho Nacional de Segurança nos Transportes (NTSB), Adam Gerhardt, disse aos jornalistas, na segunda-feira, que irão questionar "quando é que o piloto deixou de responder exatamente e porque é que o avião fez o percurso de voo que fez".

Passageiros eram uma mulher, um bebé e a ama deste

Equipas de busca e salvamento reúnem-se antes de irem para o local do acidente perto de Montebello, Virgínia. Randall K. Wolf via AP

John Rumpel, cuja empresa era proprietária do avião destruído, disse ao Washington Post que a sua filha Adina Azarian e a sua neta de dois anos, Aria Azarian, estavam entre os três passageiros que morreram no acidente.

Rumpel também identificou o piloto como Jeff Hefner, de acordo com o relatório.

O avião privado estava registado em nome da Encore Motors of Melbourne, Inc., empresa sediada na Florida, segundo os registos da FAA.

John Rumpel disse ao Post que recebeu uma chamada da FAA cerca de 90 minutos depois de ter deixado a filha, a neta e a ama num aeroporto do Tennessee, onde se dirigiam para East Hampton, Nova Iorque.

A FAA perguntou a Rumpel se ele sabia como contactar o avião, refere o Post.

"A minha família desapareceu, a minha filha e a minha neta", escreveu Barbara Rumpel, mãe da vítima, em resposta a uma publicação no seu perfil do Facebook em que outros perguntavam se ela estava no avião.

O empregador de Adina Azarian, Keller Williams, recordou-a numa declaração como "uma mãe muito dedicada" e uma colega excepcional.

"A sua personalidade vibrante e o seu empenho inabalável para com os seus clientes distinguem-na no setor imobiliário. A paixão de Adina pelo seu trabalho e a sua preocupação genuína com os outros tocaram a vida de muitos, tornando-a uma mais-valia inestimável para a nossa equipa na Keller Williams Points North", afirmou a sucursal da empresa em Nova Iorque.

O anterior empregador de Hefner, o diretor de um escritório de advogados onde Hefner trabalhou como comandante de voo, disse que o piloto deixa mulher e três filhos.

Hefner era "um piloto altamente talentoso e habilidoso, voou 25 anos como capitão da Southwest Airlines e tinha mais de 25.000 horas de voo", disse o advogado Dan Newlin à CNN em comunicado. "Depois de se reformar da Southwest Airlines, Jeff passou a ser certificado como capitão de vários aviões privados", acrescentou.

Jeff Hefner foi identificado como o piloto do avião que se despenhou. Dan Newlin

Investigadores processam destroços do avião

O Cessna deixou uma "cratera" no solo e poucas pistas sobre a razão da sua queda, disseram as autoridades na segunda-feira.

Quatro socorristas, que falaram sob a condição de não serem identificados, descreveram uma cena horrível no local do acidente.

Havia talvez quatro pedaços de destroços reconhecíveis do avião, que, segundo eles, embateu no solo num ângulo muito acentuado, disseram. "Não havia nada maior do que um braço", observou um deles.

Também encontraram sinais de restos humanos.

Os funcionários do NTSB passarão os próximos dias a processar as provas no local do acidente, antes de os destroços serem transportados de helicóptero para uma instalação segura em Delaware, indicou Gerhardt aos jornalistas.

O avião não era obrigado a transportar "caixas negras", dispositivos utilizados para registar os dados de voo, mas os investigadores continuarão a procurá-las na esperança de que tenham sido instaladas.

Gerhardt disse que nesta fase inicial da investigação, "basicamente tudo está em cima da mesa", quando se trata de determinar a causa.

Avião sobrevoava a capital dos EUA

Não é claro se o avião privado entrou no espaço aéreo restrito.

O complexo do Capitólio dos Estados Unidos foi colocado em "alerta máximo" quando o avião se aproximou da zona no domingo à tarde, informou a polícia do Capitólio em comunicado.

Seis F-16 foram lançados a partir de três bases, disse John Kirby, coordenador de comunicações estratégicas do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca. Dois jatos da Base Conjunta Andrews foram os primeiros a interceptar o avião privado.

Os caças F-16 foram "autorizados a viajar a velocidades supersónicas" enquanto corriam para estabelecer contacto com o avião, de acordo com o comunicado de imprensa da NORAD.

A velocidade extraordinária provocou uma explosão sónica em toda a área de Washington, D.C., segundo as autoridades. Isso significa que os jatos viajavam a uma velocidade superior à do som, criando ondas de choque que provocaram um estrondo súbito e retumbante, assustando alguns residentes em terra.

O presidente Joe Biden estava a jogar golfe no campo da Base da Força Aérea de Andrews, em Maryland, quando o estrondo ecoou em Washington. Os serviços secretos norte-americanos afirmaram que não alteraram os procedimentos para manter o presidente Biden em segurança depois de os caças terem sido ativados.

Biden foi informado sobre o incidente, segundo um responsável da Casa Branca.

*Amanda Jackson, Sam Fossum, Philip Wang, Rashard Rose e Aaron Pellish contribuíram para este artigo

Relacionados

E.U.A.

Mais E.U.A.

Mais Lidas

Patrocinados