Bundesbank prevê recessão na Alemanha no inverno

Agência Lusa , BC
19 set, 16:10
Bandeira da Alemanha (AP Photo/Michael Sohn)

Economistas do banco central da Alemanha admitem recessão devido à "tensa situação" do fornecimento de energia causada pela guerra na Ucrânia

O Bundesbank prevê uma recessão na economia alemã no inverno devido à escassez de fornecimento de energia causada pela guerra da Rússia contra a Ucrânia.

No boletim de setembro, publicado esta terça-feira, os economistas do Bundesbank veem sinais crescentes de que a economia alemã entrará em recessão, o que consideram ser "um declínio acentuado, grande e duradouro da produção económica".

Por conseguinte, esperam que o Produto Interno Bruto (PIB) real da Alemanha desça um pouco no terceiro trimestre e acentuadamente no semestre de inverno, que corresponde ao quarto trimestre de 2022 e ao primeiro trimestre de 2023.

A razão, acrescentam os economistas do Bundesbank, é sobretudo "a tensa situação do fornecimento de energia devido à guerra da Rússia contra a Ucrânia".

"A elevada inflação e incerteza em relação ao fornecimento de energia e os seus custos prejudicam não só a indústria intensiva em gás e eletricidade e as suas exportações e investimentos, mas também o consumo privado e os serviços que dele dependem", acrescentam os economistas do Bundesbank.

Preveem também a continuação das tensões de fornecimento de gás nos próximos meses.

Necessária redução no consumo de gás

Até agora, a Alemanha tem sido capaz de evitar o racionamento de gás graças a maiores fornecimentos de outros países e aos avanços na poupança e armazenamento de energia.

Mas é necessária uma redução significativamente maior do consumo de gás, especialmente pelas famílias, advertem os economistas do Bundesbank.

Ao mesmo tempo, preveem uma inflação de dois dígitos, ou seja, 10% ou mais nos próximos meses na Alemanha.

Por enquanto, o país conteve o aumento dos preços no consumidor, que foi de 8,8% em agosto, com os transportes públicos e subsídios de combustível, que já não se aplicam a partir de 1 de setembro.

A inflação irá, portanto, aumentar ainda mais nos próximos meses porque outras medidas de apoio anunciadas pelo Governo alemão terão um efeito nos preços ao consumidor no início do próximo ano.

Europa

Mais Europa

Patrocinados