Bullying na escola: como podem os pais ajudar os filhos

CNN , Michelle Icard*
22 jan, 16:00
Os pais devem falar com os seus filhos sobre a importância de denunciar comportamentos de bullying aos funcionários da escola. Créditos: WavebreakMediaMicro/Adobe Stock

Há uma crise de bullying nas escolas e a solução é saber o que fazer antes que isso aconteça. 

Nos Estados Unidos, de acordo com dados do Centro Nacional de Estatísticas Educacionais, um em cada cinco alunos relata ter sofrido bullying. O StopBullying.gov, criado pelo governo norte-americano, define o comportamento de bullying como um desequilíbrio de poder entre o autor da agressão e a vítima e incidentes repetidos (ou potencial para repetir).

A prevenção está no centro da resolução do bullying, em vez de esperar para responder quando ocorrer um episódio mais violento ou quando vários incidentes se transformarem numa tragédia. O StopBullying.gov oferece recursos às escolas para educar os alunos sobre o bullying, bem como técnicas para manter as linhas de comunicação abertas entre alunos e funcionários. Mas os pais podem desempenhar um papel fundamental neste esforço.

“Sabemos que as vítimas de bullying podem sofrer impactos negativos em todos os domínios das suas vidas”, diz Amanda McGough, psicóloga clínica que trabalha com adolescentes e adultos e também faz parte da American Foundation for Suicide Prevention, como presidente da secção da Carolina do Norte.

“O bullying afeta o funcionamento mental, emocional, físico, social e académico. E isso pode provocar baixa auto-estima, depressão, isolamento, queixas como dores de cabeça ou dores de estômago, ou evitar ir à escola.”

Os pais devem falar com os seus filhos sobre a importância de denunciar comportamentos de bullying aos funcionários da escola. Créditos: WavebreakMediaMicro/Adobe Stock

O bullying atinge a vida das crianças mais do que nunca. “A integração das redes sociais na vida dos adolescentes agrava ainda mais os impactos do bullying”, defende Nikki Pagano, assistente social clínica de Charlotte, Carolina do Norte.

“Antes das redes sociais, poderiam existir interações desagradáveis na escola e era ali que ficava”, lembra Pagano. “Agora, essa interação é transportada para fora e isso é inevitável. Em vez de uma só pessoa te fazer sentir mal, existe a possibilidade da partilha online e os colegas podem estar a ver ou até mesmo ‘a curtir” essa publicação.”

Comece por conversar com o seu filho sobre a importância de denunciar comportamentos de bullying a funcionários da escola. Se os seus filhos testemunharem outro aluno a ser excluído, provocado, humilhado, ameaçado ou agredido fisicamente, devem avisar um adulto. 

A maioria das crianças não se sentirá confortável em intervir no momento para ajudar uma vítima, por medo de retaliação do agressor. Mas os espectadores podem ter um efeito poderoso e positivo, não apenas relatando o comportamento, mas também conversando depois em privado com a vítima.

Instrua o seu filho a dizer algo para o apoiar, como: “eu vi o que aconteceu e não foi correto” ou “não é verdade o que aquela pessoa te disse”. Afirmar o valor de outro aluno, mesmo em privado, pode ajudar a evitar que a criança se sinta uma estranha.

A intimidação pode ter um impacto intrusivo na vida das crianças, como resultado das redes sociais. Créditos: myboys.me/Adobe Stock

Se os seus filhos se sentirem intimidados, devem denunciar esse comportamento à escola, mesmo que só se sintam à vontade para o fazer de forma anónima. Muitas das crianças em idade escolar com quem trabalho nos meus programas de liderança de verão relatam que planear com antecedência o que vão fazer ou dizer se alguém for mau para eles, ajuda a evitar futuras agressões e faz com que se sintam mais fortes.

Se suspeitar que os seus filhos fazem bullying, dê-lhes a ajuda de que precisam para controlar as suas emoções. A pesquisa mostra que as capacidades de lidar com o comportamento na terapia cognitivo-comportamental podem ajudar os jovens a gerir os seus sentimentos e a lidar de maneira positiva, que irá beneficiá-los durante toda a vida, tal como à sua família e amigos.

“Se o seu filho faz bullying, aborde-o primeiro e questione-o sobre a sua perspectiva da situação”, aconselha McGough. “Deixe claro quais são as suas expectativas sobre como eles devem tratar as outras pessoas e certifique-se de que você é um modelo. Ajude-os a entender que as suas palavras e ações afetam a outra pessoa e estabeleça consequências claras se o comportamento de bullying se mantiver.”

Pode ser preciso fazer mais “se esse padrão for persistente”, diz McGough, “pode ser necessário consultar um profissional de saúde mental, uma vez que as condições de saúde mental podem, por vezes, contribuir para o bullying”.

Não sabe se o seu filho é “bully”? Os pais devem estar atentos aos sinais, conforme refere o site governamental StopBullying.gov. 

Está na hora de ter uma conversa sobre bullying com os seus filhos se perceber que eles:
•    Entram em agressões físicas ou verbais;
•    Têm amigos que intimidam os outros;
•    Estão cada vez mais agressivos;
•    São chamados à direção da escola com frequência;
•    Têm dinheiro extra inexplicável ou novos pertences;
•    Culpam os outros pelos seus problemas;
•    Não se responsabilizam pelas suas ações; 
•    São competitivos e preocupam-se demasiado com a sua reputação ou popularidade.

“Muitas vezes, há algo mais a acontecer – talvez tenham sofrido bullying ou não se sintam aceites pelos seus pares, talvez tenham problemas em casa ou na escola”, sublinha Pagano. “Esta pode ser uma oportunidade para ajudar uma criança e, desta forma, combater o bullying.”
 
*Michelle Icard é autora, educadora e oradora sobre parentalidade. Saiba mais sobre o seu trabalho em MichelleIcard.com
 

Relacionados

Educação

Mais Educação

Patrocinados