Porque é que a basquetebolista americana Brittney Griner é tão valiosa para Putin (opinião)

CNN , Opinião de Jill Dougherty
15 jul, 08:00
Brittney Griner. Foto: AP

Nota de Editor: Jill Dougherty é professora adjunta na Universidade de Georgetown e ex-Chefe de Gabinete da CNN Moscovo. As opiniões expressas neste comentário são as suas

Alguns dos momentos mais dramáticos -- e diplomaticamente sensíveis -- nas relações entre os Estados Unidos e a Rússia estão relacionadas com a troca de prisioneiros.

10 de Fevereiro de 1962: Na Guerra Fria, uma troca ao estilo de Hollywood na Ponte Glienicke entre Berlim e Potsdam, dois homens - um americano e um soviético - caminharam em direções opostas através da que décadas mais tarde seria conhecida como a “Ponte dos Espiões”.

Estes homens eram Francis Gary Powers, o piloto americano de um avião espião abatido sobre a URSS, e o coronel soviético do KGB Rudolph Abel, que tinha servido cinco anos nos EUA sob acusações de espionagem.

Mais de meio século depois, Vladimir Putin, um antigo oficial do KGB, conhece certamente o valor das trocas de prisioneiros. Em abril, a sua administração libertou o ex-fuzileiro Trevor Reed, condenado por pôr em perigo um polícia russo após uma disputa de bêbados, em troca do piloto russo Konstantin Yaroshenko, condenado nos EUA por conspirar para o tráfico de cocaína para os EUA.

Nas relações com a Rússia, tal como com o Irão e a Coreia do Norte, cidadãos americanos que não são espiões foram detidos e mantidos como “reféns” políticos, usados como moeda de troca por cidadãos que esses países querem de volta.

Em 2018, a cidadã russa Maria Butina foi detida nos EUA e acusada de atuar como agente estrangeira não registada para a Rússia. Cinco meses mais tarde, o ex-fuzileiro americano Paul Whelan, que tem nacionalidade americana, britânica, canadiana e irlandesa, foi detido em Moscovo sob acusação de espionagem. Afirma que um agente do FSB, que acreditava ser seu amigo, colocou em si uma pen com informações confidenciais.

Butina cumpriu a sua pena e foi libertada e deportada para a Rússia em 2019; Whelan ainda está confinado a uma colónia penal numa região remota da Rússia. Os EUA declararam-no oficialmente “detido injustamente”. Não houve troca e a Rússia afirma que a sua detenção não é política.

O último caso de um americano classificado pelos EUA como “injustamente detido” na Rússia é o da estrela de WNBA Brittney Griner. A vencedora, por duas vezes, da medalha olímpica de ouro, que está detida desde fevereiro num centro de detenção pré-julgamento russo fora de Moscovo, é acusada de contrabando de drogas e enfrenta uma possível pena de 10 anos de prisão. Os funcionários aduaneiros dizem ter encontrado cartuchos de vaporizador contendo óleo de haxixe na sua bagagem.

A sua detenção tem atraído enorme atenção nos EUA. Figuras do desporto, grupos de direitos das mulheres, organizações LGBT, assim como a esposa de Griner, Cherelle, reuniram-se para pressionar a administração de Biden a fazer um acordo com Moscovo. A administração de Biden diz estar a trabalhar intensamente para a libertar, bem como a Whelan.

O Presidente Joe Biden falou por telefone com a esposa de Griner, bem como com a família de Whelan, e escreveu a Griner uma carta que lhe foi entregue em Moscovo. O principal negociador privado de reféns dos Estados Unidos, antigo governador do Novo México e diplomata Bill Richardson, deverá viajar à Rússia nas próximas semanas para discutir a possível libertação tanto de Griner como de Whelan. Richardson desempenhou um papel na libertação de Trevor Reed.

Mas na terça-feira, a família de Whelan descreveu numa declaração que os representantes de terceiros, como Richardson, tanto podem “ajudar como dificultar uma possível resolução do caso de um detido”.

Tais representantes “não são capazes de oferecer ou concordar com as concessões que estão no centro da detenção em curso”, afirmou a família Whelan numa declaração à CNN, acrescentando que “uma vez que operam fora de qualquer governo, podem não ter conhecimento das discussões que já estão em curso entre o governo dos EUA e a nação que tem consigo os reféns”.

Os cálculos na troca de prisioneiros

Com o seu privilégio de estrela de basquetebol, Griner seria um bem valioso se Putin quisesse uma troca de prisioneiros, algo que Moscovo indicou que poderia ser uma possibilidade. O Kremlin insiste, contudo, que ela não é uma refém, que o caso está a ser tratado estritamente de acordo com o direito penal russo.

A cobertura mediática russa, no entanto, fornece uma imagem mais matizada. Do Kremlin - declarações secas, “de acordo com as regras”, transmitidas através de funcionários russos. Na televisão russa controlada pelo Estado - breve vídeo de Griner a ser conduzida para a sala de audiências, rodeada por polícias armados, algemada a uma oficial de segurança feminina da sala de audiências, forçando a estrela de basquetebol de 1,80 m de altura a estar curvada de forma desconfortável. Dado que apenas 0,25% de todos os casos criminais são absolvições, para os espetadores russos, a imagem visual é suscetível de criar a impressão de que a acusada é, de facto, culpada.

As leis russas sobre drogas são mais rigorosas do que as leis americanas, e são aplicadas contra cidadãos russos. Mas Griner é acusada de transporte de drogas em grande escala, que tem uma possível pena de 10 anos, apesar de transportar apenas 0,702 gramas de óleo de haxixe - menos de 0,0248 onças - que os seus advogados argumentam ser para uso pessoal. A cannabis é ilegal na Rússia.

Para Biden, a aprovação de uma troca de prisioneiros apresenta um cálculo diplomático, político e humano desafiante. Griner, uma mulher negra e gay americana está a ser julgada sob acusação de drogas num país agora hostil. A Rússia tem uma lei que proíbe a disseminação de “propaganda gay” e existe uma hostilidade generalizada na sociedade russa contra pessoas homossexuais. As prisões e colónias penais russas são famosas pelas suas condições duras.

Mesmo as atuais condições de confinamento são difíceis para uma pessoa com mais de um metro e oitenta de altura. A esposa de Griner diz que Brittney é transportada para o tribunal - uma viagem de cinco horas - numa “cela muito, muito, muito pequena”. Numa carta para Biden, Griner escreveu: “Estou aterrorizada com a possibilidade de poder ficar aqui para sempre.”

Whelan queixou-se também à sua família que o quartel da sua colónia correcional não está aquecido e que é acordado frequentemente durante a noite.

No entanto, os especialistas em questões de tomada de reféns advertem que a troca de uma estrela de basquetebol presa com uma minúscula quantidade de óleo de haxixe poderá resultar na detenção injusta de mais americanos e na sua utilização como reféns para futuras trocas.

Se houvesse uma troca de prisioneiros por Griner - e, talvez, por Whelan - quem é que a Rússia quereria de volta? As indicações de Moscovo são que poderia ser Viktor Bout, um notório negociante de armas internacional, condenado a 25 anos numa prisão norte-americana, apelidado de “Mercador da Morte” por alimentar guerras civis em África e conflitos sangrentos na América Latina e no Médio Oriente.

Bout, um antigo oficial da força aérea soviética, é suspeito de ter mantido laços estreitos com os serviços secretos russos. Em 2002, numa entrevista que realizei com ele no gabinete da CNN de Moscovo, descreveu-se simplesmente como um “homem de negócios”.

Em circunstâncias normais, as trocas de prisioneiros são questões sensíveis e delicadas, geralmente negociadas fora da atenção dos meios de comunicação. O caso de Brittney Griner é tudo menos calmo e as relações entre a Rússia e os EUA, no seio da guerra da Rússia contra a Ucrânia, estão extremamente tensas.

O ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Ryabkov, decretou aquilo a que chamou de “publicidade exagerada” em torno do caso e criticou a carta de Biden a Griner, referindo que “este tipo de correspondência não ajuda”.

Na semana passada, Griner confessou-se culpada da acusação de tráfico de droga, dizendo ao juiz: “Mas não houve qualquer intenção. Eu não queria infringir a lei”. Os peritos jurídicos acreditam que essa confissão poderá ajudar a resolver o caso.

Mas este julgamento altamente politizado está a ser decidido em frente às câmaras e sob indignação pública, no meio de uma crise nas relações diplomáticas.

Os funcionários russos dizem que qualquer troca de prisioneiros só sucederá após o veredicto ser anunciado. Mas, desta vez, não há “Ponte de Espiões”, e os Estados Unidos e a Rússia estão a travar uma nova Guerra Fria.

Europa

Mais Europa

Patrocinados