"Ninguém é remotamente indispensável e o nosso sistema brilhante e darwiniano produzirá outro líder": o discurso de Boris na íntegra

7 jul, 13:56
Boris Johnson demite-se (AP Photos)

O ainda primeiro-ministro britânico apresentou a demissão esta quinta-feira. Esta é a declaração que leu ao país

"Boa tarde a todos. Boa tarde. Obrigado. Obrigado. Agora é clara a vontade do Partido Conservador Parlamentar, que haja um novo líder desse partido e, portanto, um novo primeiro-ministro, e eu concordei com o Sir Graham Brady, o presidente da nossa bancada de deputados, que o processo de escolha desse novo líder deve começar agora, e o cronograma será anunciado na próxima semana.

E hoje nomeei um gabinete para servir - como farei - até que um novo líder esteja em funções.

Então, quero dizer aos milhões de pessoas que votaram em nós em 2019, muitas delas pela primeira vez. Obrigado por este mandato incrível - a maior maioria conservadora desde 1987, a maior percentagem de votos desde 1979.

E a razão pela qual lutei tanto nos últimos dias para continuar a exercer esse mandato pessoalmente não foi apenas porque quis fazê-lo, mas porque senti que era o meu trabalho, o meu dever, a minha obrigação para com vocês continuar a fazer o que prometemos em 2019.

E, claro, estou imensamente orgulhoso das conquistas deste governo - desde a conclusão do Brexit até ao estabelecimento das nossas relações com o continente por mais de meio século, recuperando o poder para este país fazer suas as próprias leis no Parlamento, guiar-nos durante toda a pandemia, entregando a vacina mais rápida na Europa, a saída mais rápida do confinamento e, nos últimos meses, liderando o Ocidente a enfrentar a agressão de Putin na Ucrânia.

E deixem-me dizer agora, ao povo da Ucrânia, que sei que nós, no Reino Unido, continuaremos a apoiar a vossa luta pela liberdade pelo tempo que for necessário.

E, ao mesmo tempo, neste país, estamos a promover um vasto programa de investimento em infraestruturas, competências e tecnologia - o maior do século. Porque se eu tivesse uma visão sobre os seres humanos, é que a genialidade, talento, entusiasmo e imaginação são distribuídos uniformemente por toda a população. Mas a oportunidade não. E é por isso que devemos continuar a subir de nível, continuar a libertar o potencial em todas as partes do Reino Unido. E se pudermos fazer isso, neste país, seremos os mais prósperos da Europa.

E nos últimos dias, tentei persuadir os meus colegas de que seria excêntrico mudar o governo quando estamos a cumprir tanto, quando temos um mandato tão vasto e quando na verdade estamos apenas alguns pontos atrás nas sondagens - mesmo a meio do mandato, depois de alguns meses e derrapagens implacáveis - e quando o cenário económico é tão difícil a nível nacional e internacional.

Lamento não ter sido bem-sucedido nessas discussões e, claro, é doloroso não ser capaz de testemunhar tantas ideias e projetos na primeira pessoa. Mas, como vimos em Westminster, o instinto de rebanho é poderoso quando o rebanho se move, ele move-se.

E, aos meus amigos na política, ninguém é remotamente indispensável, e o nosso sistema brilhante e darwiniano produzirá outro líder, igualmente comprometido em levar este país adiante em tempos difíceis. Não apenas a ajudar as famílias a passar por isso, mas a mudar e a melhor a forma como fazemos as coisas - a cortar encargos para empresas e famílias e sim, cortar impostos, porque essa é a maneira de gerar o crescimento e a receita que precisamos para pagar por bons serviços públicos.

E, a esse novo líder, onde quer que ele esteja, digo que lhe darei todo o apoio que puder. E para vocês, o público britânico - eu sei que muitas pessoas ficarão aliviadas e talvez algumas também ficarão desapontadas. E quero que saibam como estou triste por estar a desistir do melhor emprego do mundo. Mas é o que é.

Quero agradecer à Carrie e aos nossos filhos, a todos os membros da minha família que tiveram que aguentar tanto durante tanto tempo. Quero agradecer ao inigualável Serviço Civil britânico por toda a ajuda e apoio que deram à nossa polícia, aos nossos serviços de emergência e, claro, ao nosso fantástico Serviço Nacional de Saúde que, num momento crítico, ajudou a prolongar o meu próprio mandato, bem como às nossas forças armadas e agências que são tão admiradas em todo o mundo e aos nossos incansáveis membros e eleitores do Partido Conservador - cuja campanha altruísta torna a nossa democracia possível.

Quero ainda agradecer à equipa maravilhosa aqui da Chequers -- deste número 10 -- e, claro, à Chequers e aos nossos fantásticos detetives, o único grupo, aliás, que nunca divulga.

Acima de tudo, quero agradecer a vocês, público britânico, pelo imenso privilégio que me deram. E eu quero que saibam que, a partir de agora, até que o novo primeiro-ministro esteja no cargo, os seus interesses serão atendidos e o governo do país será mantido.

Ser primeiro-ministro é uma educação em si. Eu viajei para todas as partes do Reino Unido e, além da beleza do nosso mundo natural, encontro tantas pessoas possuidoras de uma originalidade britânica sem limites e tão dispostas a enfrentar velhos problemas de novas maneiras, que sei que, mesmo que as coisas às vezes podem parecer sombrias agora, o nosso futuro juntos é dourado.

Muito obrigado a todos. Obrigado."

Relacionados

Europa

Mais Europa

Patrocinados