opinião
Embaixador e Comentador da CNN Portugal

Boris

7 jul, 17:07

No imaginário coletivo, o nome de Boris remete-nos para a Rússia. Ora Boris Johnson, que há horas se demitiu da chefia do governo britânico, é hoje, com elevada certeza, uma das figuras cimeiras na demonologia de Moscovo.

Mais papista do que o Papa no tema ucraniano, isto é, mais ferozmente anti-russo do que os próprios Estados Unidos aparentam ser, Johnson julgaria ter encontrado, nos últimos meses, na frente externa, uma espécie de elixir compensatório para a sua crescente fragilidade interna. Hoje, terá finalmente aprendido que isso nunca é suficiente.

Em 1990, Margareth Thatcher, a primeira-ministra vencedora da guerra nas Falkland/Malvinas, que insuflou o capitalismo mais liberal na City, que esmagou greves e desfez o poder dos sindicatos, que defrontou o IRA com mão de ferro, que desprezava Jacques Delors e os “federastas” de Bruxelas, mas obteve “my money back”, conseguiu acantonar, por muitos anos, o Partido Trabalhista na bancada da oposição e veio a passear-se, ao lado dos Estados Unidos, na ribalta dos orgulhosos vencedores da Guerra Fria. E, no entanto, Thatcher viria a perder internamente o poder, pelo receio do Partido Conservador de que, com ela em Downing Street, as eleições legislativas seguintes fossem um desastre ou que um eventual sucesso obrigasse a ter em Downing Street o nome de Michael Heseltine, figura desafiadora da primeira-ministra e não grada no cenáculo dos “grandees” do partido. O cinzento John Major, que sucedeu a Thatcher sem renegar a sua herança, conseguiu ganhar a Niel Kinnock, os “tories” mantiveram a maioria e só a viriam a perder, anos mais tarde, para o trabalhismo “soft” de Tony Blair, um “labour” parecido com os conservadores e, como estes, sempre, sempre ao lado de Washington, para o bom e para o Iraque.

Agora, foi a vez de Boris Johnson. Como o irá recordar a História britânica? Talvez o seu inconfundível estilo pessoal, o seu regular desafio desrespeitoso da instituição parlamentar, a pilotagem determinada em direção ao Brexit, as “trapalhadas” na gestão da pandemia e o empenhamento denodado na causa da Ucrânia. Contudo, o juízo da História far-se-á também à luz da capacidade que vier a ser demonstrada pelo seu sucessor.

Nada estará mais distante da caricatura de um “gentleman” britânico do que a figura física de Boris Johnson, embora a bizarria na atitude e a irreverência também façam parte desse mundo de eleitos, saído de Oxbridge, da aristocracia ou do sucesso. Cultivando um claro culto pela figura de Winston Churchill e pela imagem atrativa da heterodoxia comportamental deste, Johnson procurou recriar-se numa espécie de líder de novo estilo, para o século XXI, prenhe de posturas incomuns e modos idiossincráticos que o distinguiam dos seus pares do sistema político.

Cultivava uma atitude deliberadamente diferente, um pouco “latina” ao seu modo, e isso ter-lhe-á permitido captar fortes simpatias no eleitorado conservador, que ele pensava poder manter como eterno escudo protetor, garantido-lhe uma menor dependência da pressão do “establishment” formal que o rodeava. Muito inteligente, brilhante mesmo, jornalista de talento, tinha como medalha não despicienda ter dirigido o “The Spectator”, a revista conservadora que é um expoente de indiscutível qualidade jornalística. A sua autoconfiança acabou por traí-lo e afastar progressivamente da realidade. Sai agora, aos ombros de si próprio.

O modo como Boris Johnson lidou, ao longo dos anos de poder, com as instituições parlamentares, surpreendeu pelo aberto desprezo por muito dos seus formalismos, que temos por identitários daquele país, o que será tanto mais surpreendente quanto pensarmos que isso emanava do líder de um partido conservador - supostamente, mais empenhado na preservação dos “basics” do regime. Se nos lembrarmos da instrumentalização, quase obscena, que fez da Câmara dos Comuns, das mentiras que aí procurou disfarçar e impor, com imenso desplante, fácil é concluir que estivémos perante o líder que, na história contemporânea, mais colocou em causa a preeminência do parlamento no centro da vida política britânica. Em muitas ocasiões “económico com a verdade”, para usar uma expressão clássica, Johnson dava ares de querer usufruir de uma espécie de inimputabilidade política. Durante muito tempo, conseguiu levar a sua avante.

Os ingleses ficaram a dever o Brexit apenas a si próprios, à conjugação pontual mas democrática da sua vontade maioritária, de natureza muito diferente e até contraditória, potenciada por uma agenda de medos e mitos, que conduziu à sua saída da União Europeia. Mas Johnson teve, nesse processo, um papel relevante. Depois de ter sido um defensor da permanência na Europa de Bruxelas, o que procurou fazer esquecer, fez um volte-face e acabou por estar no centro da operação em direção à saída, manejando, sem pudor, mentiras e distorções da verdade, a caminho desse “opt out” final, que consagrou, em rotura, a postura de parceiro relutante que Londres sempre havia sido desde a sua adesão. Será muito pelo saldo do Brexit, pelo que dele vier a resultar para o destino do Reino Unido - com o futuro da Escócia e da Irlanda do Norte aí incluído -, que o nome de Boris Johnson virá a ser recordado no futuro.

Como todos os seus pares pelo mundo, Johnson teve de enfrentar a crise pandémica. Tal como muitos outros, navegou em ziguezagues, sempre naquele estilo afirmativo de quem é capaz de ter, com a mesma cara e sem assunção dos erros, uma atitude diferente, às vezes mesmo oposta, daquela que havia sido assumida na véspera. Os ingleses não terão perdoado a Johnson, em particular, o facto de ter permitido, e ele próprio praticado, comportamentos desviantes dos cuidados e exigências que ia impondo ao país. A assunção parcial de culpas não foi suficiente para disfarçar a complacência e a dualidade de critérios de que usou e abusou. A perda de popularidade de Boris Johnson terá começado precisamente aí.

Johnson movia-se bastante bem no cenário transatlântico. De inicio, Donald Trump não o apreciava e, em especial, desprezou a invocação da “special relationship”, uma ligação que Londres cultiva sempre com um zelo que, do outro lado do Atlântico, não é, necessariamente, praticado da mesma forma. Salvo quando isso dá jeito aos Estados Unidos, como se viu em várias conjunturas históricas. Johnson foi agora útil a Joe Biden, titulando, na Europa, o brado jingoísta, com laivos de nova Guerra Fria, com que o América reagiu à agressão russa da Ucrânia. Fica a sensação de que, se dependesse da vontade de Johnson, a Ucrânia estaria já a caminho de ser membro da NATO. Os elogios e agradecimentos de Zelensky não deixam margem para dúvidas: perdeu um amigo na comunidade internacional. Mas nada indica que, no essencial, o sucessor de Johnson venha a pôr minimamente em causa o apoio britânico à luta da Ucrânia.

E a União Europeia? Ao pôr em causa a palavra do Reino Unido no compromisso do Brexit, anunciando opor-se àquilo que tinha assinado com Bruxelas, no tocante ao estatuto da Irlanda do Norte no Mercado Interno, Johnson estava a mostrar uma face que não honrava o bom nome de Londres na vida internacional. Estará o seu sucessor disponível para corrigir esta atitude? Por aí veremos quanto das sequelas ácidas do Brexit derivavam do caráter pessoal do primeiro-ministro ou, afinal, decorrem da matriz comportamental dos conservadores no poder.

Esse poder será até quando? As eleições legislativas estão previstas para 2024, e dificilmente serão antecipadas.

Os trabalhistas, que mostram um recuperação sensível de apreço público, são, por estes tempos, chefiados por Keir Starmer, uma face moderada que se distingue, em muito, do anterior líder, Jeremy Corbin, cuja permanência à frente do “labour”, pelo radicalismo que afirmava, revelou ser uma espécie de seguro de vida para os conservadores. Cabe a Starmer tentar cavalgar o descontentamento que os efeitos cumulados das consequência económicas negativas do Brexit, dos efeitos disruptores derivados da crise pandémica, das consequências das sanções à Rússia e do investimento militar maciço podem vir a ter na opinião pública e votante. E cabe ao sucessor de Johnson mostrar que a continuidade pode, no essencial, trazer vantagens, que os conservadores têm respostas, em matéria de políticas públicas, para os sinais de recessão que alguns vislumbram. Finalmente, caberá à rainha nomear o seu 15° primeiro ministro, neste que é o 70° ano do seu reinado.

Colunistas

Mais Colunistas

Patrocinados