"Entregaram-me um mandato colossal": Boris quer ficar, não se demite

6 jul, 12:51
Boris Johnson anuncia novas restrições por causa da variante Omicron

Boris Johnson disse aos deputados que pretende continuar como primeiro-ministro britânico, apesar dos escândalos

O primeiro-ministro britânico afirmou esta quarta-feira que não vai aceder aos pedidos para a sua demissão apresentados por deputados britânicos.

"O trabalho de um primeiro-ministro em circunstâncias difíceis quando lhe foi entregue um mandato colossal é continuar e é isso que vou fazer", afirmou Boris Johnson numa sessão no parlamento, esta quarta-feira.

Boris Johnson enfrenta uma nova polémica com a sucessão de demissões no governo. O primeiro-ministro, que parece estar cada vez mais isolado, aproveitou uma sessão semanal de perguntas e respostas no parlamento britânico para justificar o que está a acontecer.

Mas a iniciativa acabou por ser recebida com silêncio e, de vez em quando, uma risada bem audível, relata a agência Reuters. Aliás, um membro do próprio partido de Boris Johnson perguntou se haveria alguma circunstância em que ele devesse renunciar. Ao que este respondeu que só renunciaria se o governo não conseguisse continuar.
 
"Quando os tempos são difíceis... É exatamente o momento em se espera que o governo continue com o seu trabalho e que não abandone... Para continuar com o nosso trabalho e focar nas coisas que importam para o povo deste país", disse o primeiro-ministro ao parlamento britânico. 

Os opositores internos esperam agora conseguir mudar as regras do partido para permitir um novo voto de desconfiança no primeiro-ministro, depois de Johnson ter sobrevivido a uma moção de confiança, no mês passado.

Europa

Mais Europa

Patrocinados