Wall Street sofre pior dia desde junho de 2020 após divulgação da inflação nos EUA

Agência Lusa , BCE
13 set, 21:45
Wall Street

Este é o segundo mês consecutivo em que a inflação norte-americana apresenta uma descida

A bolsa nova-iorquina encerrou esta terça-feira em forte baixa, e o Dow Jones, o principal indicado, caiu quase 4%, depois de ter sido divulgado que a taxa de inflação em agosto nos Estados Unidos caiu menos que o esperado. De acordo com o Financial Times, este é o pior dia desde junho de 2020.

Os resultados definitivos da sessão indicam que o índice seletivo Dow Jones Industrial Average recuou 1.276,37 pontos, para 31.104,97 pontos, enquanto o seletivo S&P 500 caiu 4,32%, para 3.932,69 pontos.

O Nasdaq Composite Market, que reúne as principais empresas de tecnologia, caiu 5,16%, para 11.633,57 pontos.

A inflação nos Estados Unidos caiu, em agosto, duas décimas, face ao mês anterior, fixando-se em 8,3%, acima do esperado.

Este é o segundo mês consecutivo em que a inflação norte-americana apresenta uma descida.

Ainda assim, é esperado que a Reserva Federal (Fed) norte-americana aumente as taxas de juro no final do mês, o que afetou o mercado de Nova Iorque, que sofreu a pior sessão do ano.

"O relatório do Índice de Preços ao Consumidor (CPI) foi inequivocamente negativo para os mercados de ações. Um relatório acima do esperado significa que receberemos pressão política contínua do Fed através de aumentos de taxas", assegurou o diretor de investigação da empresa Janus Henderson Investors, Matt Peron, citado pelo canal CNBC.

O presidente do Fed, Jerome Powell, tem insistido repetidamente no seu compromisso de continuar a aumentar as taxas de juro, atualmente entre 2,25% e 2,5%, pelo período que for necessário para reduzir a inflação.

Os investidores também aguardam relatórios sobre vendas no mercado grossista e produção industrial, na quinta-feira, que completarão o panorama da situação económica antes da próxima reunião do Fed.

“Esta ideia de que vamos chegar a um redução suave [da inflação] torna-se cada vez menos provável”, salientou Matt Forester, diretor de investimentos da Lockwood Advisors do BNY Mellon Pershing, em declarações ao The Wall Street Journal.

Por setores, todos fecharam esta terça-feira no ‘vermelho’, com as maiores perdas para comunicações (-5,63%), tecnologia (-5,35%) e bens não essenciais (-5,22%).

Semelhante foi a tendência entre as 30 empresas listadas no Dow Jones, liderando as quedas a Boeing (-7,19%), Intel (-7,19%) e Home Depot (-6,59%).

Relacionados

Economia

Mais Economia

Patrocinados