Bem-vindo ao secreto campo de verão para os bilionários

CNN , Allison Morrow
10 jul, 08:00
Sun Valley (Dev Mukh Khalsa/AP)

Para os funcionários do Friedman Memorial Airport, em Hailey, Idaho, esta semana é conhecida como o "evento anual de entrada de aviões". Noutros círculos, é conhecido como "campo de férias para bilionários".

Todos os anos, alguns dos líderes mais ricos e poderosos do mundo dos negócios, dos media e da política aterram em Sun Valley, Idaho, para uma conferência privada organizada pelo banco de investimento nova-iorquino Allen & Company. O ambiente é chique - pense em coletes Patagonia, relógios Apple e pullovers de caxemira de riqueza furtiva. Imagine a estância de Dirty Dancing, mas substitua todas as belas jovens bailarinas por homens brancos, na sua maioria mais velhos, com os jornais de Wall Street debaixo do braço e a resmungar sobre o excesso de regulamentação. É uma verdadeira brincadeira.

A agenda da cimeira e os tópicos das palestras são mantidos em segredo e os jornalistas que participam têm geralmente de se manter à margem das gravações, para que os um por cento possam misturar-se e falar livremente enquanto vagueiam pela estância de montanha, bisbilhotando sobre a indústria e, ocasionalmente, forjando acordos históricos de vários milhares de milhões de dólares. Acredita-se também que Sun Valley foi o local onde Jeff Bezos decidiu comprar o The Washington Post e o local do encontro entre a Comcast e a NBC Universal. (Warren Buffett, que está notoriamente ausente da lista de convidados deste ano, referiu-se uma vez aos negócios de Sun Valley como ABWA, ou "aquisições a andar por aí").

O desfile de jatos privados deste ano começou esta terça-feira, tal como o Idaho Mountain Express noticiou no mês passado, reunindo dezenas de agentes do poder - incluindo Sam Altman, o rei da Inteligência Artificial; Bob Iger, diretor-executivo da Disney, e um grupo dos seus potenciais sucessores; além de todos os suspeitos do costume, como Tim Cook, da Apple, Mark Zuckerberg, da Meta, Sundar Pichai, da Google, os magnatas dos media Rupert Murdoch e Oprah Winfrey e muitos outros, incluindo David Zaslav, diretor-executivo da empresa-mãe da CNN, Warner Bros. Discovery, segundo a Bloomberg e a Variety. (Um porta-voz da Warner Bros. Discovery confirmou a presença de Zaslav).

Este ano, a lista de convidados também não inclui alguns nomes notáveis.

Há Buffett, que é normalmente uma presença assídua no evento, mas que tem quase 94 anos e, talvez, esteja feliz por deixar o seu sucessor, Greg Abel, de 62 anos, tratar das caminhadas a grande altitude e da conversa fiada. Menos provável, mas ainda assim com rumores meio sérios, é que Buffett esteja a evitar a festa depois de, no ano passado, a imprensa ter detetado que a sua mulher, Astrid, se queixava de ter de pagar quatro dólares por uma chávena de café.

Também ausente este ano está Elon Musk, que pode parecer um candidato óbvio até o imaginarmos a participar numa viagem de rafting com um grupo de diretores-executivos a quem, há menos de um ano, pediu publicamente para se irem embora.

Embora se espere muita conversa sobre a Inteligência Artificial, o drama ao nível da sucessão sobre o plano de Iger e as negociações que levaram à fusão entre a Paramount e a Skydance, há um elefante gigante - ou burro - na sala este ano.

As dúvidas sobre a capacidade do presidente Joe Biden para fazer campanha estão a deixar os doadores ricos e os funcionários democratas em alvoroço. E seria difícil imaginar que um bando de magnatas da comunicação social de elite se sentasse à volta da fogueira com os seus s'mores e bourbon e não especulasse sobre potenciais substitutos no escrutínio de 2024.

Isso pode tornar a semana particularmente importante para três governadores que fazem parte da lista de convidados deste ano: Gretchen Whitmer, Josh Shapiro e Wes Moore, todos eles apontados como potenciais substitutos de Biden, mesmo quando o presidente nega veementemente que esteja a pensar em desistir.

A intriga política é, bem, intrigante. Mas é também um lembrete oportuno para se fazer um zoom out e considerar até que ponto os EUA permitiram que a sua classe de bilionários se tornasse poderosa, e como eventos como Sun Valley amplificam as desigualdades na América, que são tão sistémicas que dificilmente lhes pestanejamos.

Como o escritor Hamilton Nolan escreveu em 2021, Sun Valley é um lugar onde "os bilionários são festejados pelos meros milionários; os milionários conseguem negócios suficientes para lhes permitir comprar a sua terceira e quarta casas... Este é o modelo maravilhoso do capitalismo americano em ação - um pequeno punhado de pessoas ricas come o bolo, e toda uma nação se reúne a jusante, na esperança de apanhar algumas migalhas que caem".

Líderes

Mais Líderes

Mais Lidas

Patrocinados