Quando Vale e Azevedo anunciou um contrato milionário com a IBM... que a IBM desconhecia

17 jan, 23:54

A Máquina do Tempo viaja até outubro de 2000, quando o então presidente tentava usar todos os trunfos (verdadeiros ou imaginários) para contrariar o favoritismo de Manuel Vilarinho numas eleições muito agitadas

25 de outubro de 2000.

Provavelmente a data não lhe diz nada, a esta distância, mas nessa altura o Benfica vivia dias agitados. As eleições que opunham Vale e Azevedo a Manuel Vilarinho eram dois dias depois, os ânimos estavam exaltados e os candidatos lançavam desesperadamente todos os trunfos.

Manuel Vilarinho garantia, por exemplo, que já tinha assinado contrato com Mário Jardel e que enviara nesse mesmo dia os papeis para o Brasil por faxe. O que o futuro veio a desmentir.

Perante isto, Vale e Azevedo lançou uma bomba... milionária.

O Benfica chamou os jornalistas à sala de imprensa do antigo Estádio da Luz para anunciar que estava tudo bem com Van Hooijdonk. Nesse mesmo dia tinha sido notícia que o avançado enviara, através de um advogado, um faxe ao clube ameaçar rescindir por ordenados em atraso.

Ora Van Hooijdonk garantia na sala de imprensa que não era verdade e que o problema que havia relativamente às dívidas do Benfica já tinha sido resolvido há cerca de duas semanas.

«O problema foi ultrapassado há quinze dias e já não faz qualquer sentido», referiu.

Tudo bem, tudo perfeito, tudo muito bonito quando as coisas acabam bem.

Ou será que não acabam? Os jornalistas já abandonavam a sala de imprensa quando o assessor do Benfica pediu que voltassem, que havia mais uma comunicação a fazer.

Vale e Azevedo entrou então na sala de imprensa com José Capristano e mais três pessoas, uma das quais se apresentava como Bernd Fischerbeck, representante da RCN, parceira da IBM.

Os dois deixaram a mesma garantia:  o Benfica e a IBM tinham assinado um contrato de parceria para a remodelação do Estádio da Luz, construção do parque de lazer e do centro de estágios do Seixal, o qual levaria a multinacional alemã a investir 35 milhões de contos no clube. O que significa, mesmo sem atualização financeira, 180 milhões de euros atuais.

«Esta parceria vai permitir ao Benfica cumprir os objetivos previstos no seu propecto e no seu plano financeiro para os próximos cinco anos. Começamos a ter um grupo de grandes empresas multinacionais ligadas ao Benfica, o que demonstra que o clube começa a ganhar credibilidade», atirava Vale e Azevedo, no último triunfo antes das eleições.

O problema veio no dia a seguir. A IBM desmentiu qualquer contrato já assinado e referiu que estava apenas a negociar um contrato para ser o fornecedor tecnológico do Benfica.

Ou seja, não havia nenhum contrato assinado, apenas negociações para vender material informático. À semelhança do que já fazia noutros clubes.

Vale e Azevedo ainda tentou, à sua maneira, virar a conversa: disse que a IBM confirmava o acordo, que tinha tido ao seu lado o presidente da empresa na conferência (o que não era verdade) e que estava claro que a empresa só negociava com um candidato credível como ele.

A mancha, essa, ficou. No fim, viria a descobrir-se depois, era só mais uma.

«Máquina do tempo» é uma rubrica do Maisfutebol que viaja ao passado, através do arquivo da TVI, para recuperar histórias curiosas ou marcantes dos últimos 30 anos do futebol português.

Relacionados

Benfica

Mais Benfica

Patrocinados