Benfica ficou sem Jardel, sem Mourinho e sem os cem mil contos (mas, vá lá, nem tudo se perdeu)

24 out, 08:03

A Máquina do Tempo viaja até outubro de 2000, quando Jardel anunciou que tinha um acordo com o Benfica e Manuel Vilarinho garantiu que se o brasileiro não viesse daria cem mil contos do seu bolso ao clube. No fim nem uma coisa nem outra, e Vilarinho garantiu que as pessoas é que o entenderam mal.

Era outubro de 2000 e Portugal agitava-se com o amanhã do Benfica.

No fim de três anos de presidência de Vale e Azevedo, cheia de polémicas e contradições, surgiu um homem de jeitos tímidos e voz frágil chamado Manuel Vilarinho a desafiar o brigão que tinha prometido romper com os poderes instituídos.

O clube, esse, dividiu-se profundamente.

Até porque Manuel Vilarinho foi buscar forças onde não se imaginava e desafiou Vale e Azevedo no seu próprio campo. Ficou para a história, por exemplo, um debate na SIC em que só houve ruído. Vale e Azevedo tinha o hábito de não deixar os adversários falar, Vilarinho respondeu na mesma moeda e nenhum deles se calou. Rodrigo Guedes de Carvalho, esse, não conseguiu falar e desistiu de fazer perguntas. Encostou-se a uma mesa e deixou o tempo passar.

Ora foi portanto neste clima de profundo entusiasmo e hostilidade que Manuel Vilarinho puxou de um trunfo decisivo.

Mário Jardel.

O brasileiro tinha saído para o Galatasaray há alguns meses, depois de ter sido quatro vezes melhor marcador português e uma vez melhor marcador europeu. Em Portugal, aliás, foi eleito duas vezes o melhor jogador do campeonato e deixou um rasto de golos que falava por ele.

Quando Manuel Vilarinho anunciou que Jardel seria reforço do Benfica se ele ganhasse as eleições, o mundo benfiquista entrou em histeria.

Até porque não era apenas uma promessa, era muito mais do que isso. O próprio Jardel confirmou tudo e pediu aos adeptos do FC Porto que entendessem: ele era um profissional, queria muito voltar a Portugal e estava apenas a pensar no futebol dele.

Enquanto isso, o empresário Marcos Fraga dizia que estava tudo certo: havia acordo entre Jardel e o Benfica, só faltava Manuel Vilarinho ser eleito e pagar a cláusula de rescisão.

Para completar este conto de fadas e heróis, o próprio Manuel Vilarinho surgiu à frente dos sócios a mostrar um cheque pessoal de 100 mil contos, o qual garantiu que era para contratar Jardel. Se o brasileiro não viesse para o Benfica, aquele cheque seria dado ao clube.

«Jardel não é caro. É muito dinheiro, mas é um bom investimento. Jardel vale 35 a 40 golos por época», justificou Manuel Vilarinho a dois dias das eleições.

O que é certo é que venceu as eleições, Mário Jardel não reforçou o Benfica e o cheque nunca foi entregue ao clube. O que é se passou, afinal?

Muito simples: as pessoas perceberam tudo mal.

«O que eu disse foi que passava o cheque se não fosse verdade o que dizia sobre o Jardel. Nós fizemos um contrato, mas combinei com ele e com o seu representante que ele deveria mostrar-se descontente no Galatasaray para vir para o Benfica no final da época mais barato. Só que ele e a mulher em vez de pressionarem o Galatasaray, pressionaram o Benfica. Queriam vir mais cedo para Portugal», justificou mais tarde o presidente.

«Começou a pôr ações jurídicas contra nós, estragando o plano. Podia ter vindo.»

Ora Jardel, por outro lado, garantiu que a única coisa que era verdade é que tinha metido Manuel Vilarinho em tribunal.

«Foi arrogante e prepotente. Mas os tribunais existem para estas coisas. O caso está na justiça, porque Manuel Vilarinho quebrou uma promessa e um acordo escrito. O que me fizeram não se faz a ninguém. Não é pelo dinheiro. Há valores mais importantes. A minha dignidade, por exemplo, não tem preço, e eu sinto que fui usado.»

No final da época Jardel acabou por viajar mesmo para Lisboa, mas para o rival Sporting. No qual foi outra vez melhor marcador português, melhor marcador europeu e, claro, campeão nacional.

Os adeptos do Benfica ficaram, portanto, sem Jardel, sem os cem mil contos e pouco depois sem José Mourinho. Mas vá lá, não se perdeu tudo: também ficaram sem Vale e Azevedo.

«Máquina do tempo» é uma rubrica do Maisfutebol que viaja ao passado, através do arquivo da TVI, para recuperar histórias curiosas ou marcantes dos últimos 30 anos do futebol português.

Relacionados

Benfica

Mais Benfica

Patrocinados