O craque do Benfica que ainda não tinha chegado a Lisboa e já dava a volta à cabeça do Real Madrid

21 mar 2023, 23:53

A Máquina do Tempo viaja até julho de 1997, quando Carlos Gamarra agitava o mercado mesmo antes de chegar ao Benfica. No final de contas haveria de ficar apenas seis meses na Luz.

Em julho de 1997, o Benfica preparava-se para a nova época com os bolsos cheios de ilusão. Manuel Damásio vivia os últimos dias na presidência encarnada e tinha feito uma série de contratações sonantes, que colocavam o clube no topo dos favoritos à conquista do título de campeão.

Do Boavista tinham chegado, por exemplo, Nuno Gomes e Sanchez, do Parma tinha chegado em definitivo o brasileiro Amaral, do Grémio tinha chegado Paulo Nunes, internacional brasileiro e antigo companheiro de ataque de Mário Jardel.

Do Chelsea vinha Scott Minto, do Feyenoord Gaston Taument e do Lokomotiv  Ovchinnikov (estes últimos dois também internacionais, neerlandês e russo, respetivamente).

Em janeiro, e já com Vale e Azevedo na presidência, ele que tinha assumido o comando em outubro, ainda iriam chegar Poborsky, do Manchester United, e Brian Deane, do Sheffield United, mas com uma passagem de relativo sucesso pelo Leeds, que lhe valeram três chamadas à seleção inglesa.

Ora foi no meio deste turbilhão de emoções e entusiasmo que foi contratado outro nome sonante: Carlos Gamarra, central paraguaio, na altura considerado o melhor jogador sul-americano naquela posição. Para o conseguir, o Benfica pagou cerca de 2,5 milhões de euros ao Internacional de Porto Alegre.

Tal como Paulo Nunes e Sanchez, Gamarra foi autorizado nesse verão a apresentar-se mais tarde, depois de ter participado na Copa América, o que provocou uma situação curiosa: o central paraguaio ainda não tinha chegado a Lisboa e já era notícia por poder sair.

O Real Madrid andava, supostamente, à procura de um central e apreciava Gamarra, pelo que o jornal Marca garantia que o clube da capital espanhola estaria disponível para pagar cerca de 5,5 milhões de euros.

António Figueiredo, vice-presidente do Benfica, lembrava que o jogador tinha valorizado cerca de 60 por cento sem sequer vestir a camisola encarnada, mas garantia que Gamarra não estava à venda e que era fundamental para o projeto do clube.

Certo é que o jogador não saiu para o Real Madrid, é verdade, mas também não ficou muito tempo na Luz. Em janeiro, e quando era titularíssimo no centro da defesa e um dos destaques da equipa, abandonou o clube e voltou ao Brasil.

«Estava muito bem e joguei todos os jogos. Um dia fui trabalhar de manhã e o Vale e Azevedo disse-me: Tens de ir para o Brasil. Perguntei porquê. O Corinthians quer contratar-te e nós precisamos de dinheiro, temos de vender. O Benfica devia-me algum dinheiro e eu fui ao escritório do Vale e Azevedo, com a minha mulher», explicou mais tarde em entrevista ao Record.

«Estavam para aí cinco ou seis diretores, todos com charuto e começaram a falar. Ficámos a ouvir. Disseram que estavam felizes por mim, porque sabiam que eu não gostava de Lisboa. Foi nessa altura que a minha mulher disse que, por ela, ficava o resto da vida em Portugal. Eles falaram, falaram, mas acabaram por pagar aquilo que me deviam. Se não pagassem, eu não assinava o contrato e inviabilizava o negócio com o Corinthians.»

Em São Paulo, num superplantel carregado de internacionais como Vampeta, Marcelinho Carioca, Edilson, Ricardinho, Fredy Rincón, Sylvinho ou Cris, Gamarra foi campeão brasileiro, antes de dar nas vistas no Mundial 98. A carreira do central seguiu por clubes como o At. Madrid, o Flamengo, o Inter Milão e o Palmeiras.

Infelizmente para ele nunca passou pelo Real Madrid.

«Máquina do tempo» é uma rubrica do Maisfutebol que viaja ao passado, através do arquivo da TVI, para recuperar histórias curiosas ou marcantes dos últimos 30 anos do futebol português.

Benfica

Mais Benfica

Mais Lidas

Patrocinados