Começa agora a batalha histórica contra a inflação na Europa

CNN , Julia Horowitz
22 jul, 17:00
Christine Lagarde. Daniel Roland/Pool/Reuters

O ​​Banco Central Europeu está prestes a aumentar as taxas de juro pela primeira vez em 11 anos, numa tentativa de conter a inflação recorde alimentada pelo aumento dos preços da energia.

O que está a acontecer: o BCE deixou bastante claro, na reunião desta quinta-feira, que vai aumentar as taxas pela primeira vez em 4032 dias, em meio ponto percentual.

Os estrategistas acreditavam que o Banco Central devia centrar-se num aumento menor, de um quarto de ponto percentual, apostando que o BCE hesitaria em contradizer as orientações anteriores que deu aos mercados.

Mas os mesmos estrategistas também temiam que um aumento pequeno da taxa pudesse ser um erro. A inflação anual na União Europeia saltou para os 9,6% em junho. Atingiu os 8,6% nos 19 países que usam o euro.

“O risco de uma subida de meio ponto cresceu materialmente e é quase uma questão de atirar a moeda ao ar”, disse esta quinta-feira James Rossiter, líder de macroestratégia global da TD Securities. “É a conclusão sensata para a reunião, mas vai contra as mais recentes comunicações.”

O desafio que o BCE enfrenta não é apenas a taxa da inflação. É também o facto de o Banco Central estar a andar muito atrás dos seus pares. As taxas de juro ainda estão em território negativo, o que, segundo os críticos, está a agravar ainda mais a subida dos preços.

Depois de reduzir as taxas para zero no início da pandemia, a Reserva Federal dos EUA está em alta desde março, aumentando bastante a sua taxa de referência nos últimos meses para combater a inflação descontrolada. Apenas o Banco do Japão, que na quinta-feira manteve as suas políticas de facilidades, não se movimentou.

Mas o BCE enfrenta um conjunto de circunstâncias ainda mais difíceis do que os outros bancos centrais.

O aumento dos preços da energia na Europa, exacerbado pela invasão da Ucrânia pela Rússia, é o maior contribuidor para a inflação galopante. No entanto, o que acontece nessa frente está completamente fora do controlo do BCE.

A Gazprom da Rússia retomou a distribuição de gás ao longo do crucial oleoduto Nord Stream 1 na quinta-feira, reduzindo os receios de que não voltasse a funcionar após um período de manutenção programada.

No entanto, persiste a ansiedade de que a Rússia possa fechar o gás, a qualquer altura, em retaliação às sanções. Os preços do gás natural na Europa caíram, mas continuam elevados depois de atingirem o seu nível mais alto desde março no início deste mês.

A Itália, a terceira maior economia da Europa, também está a atravessar uma crise política que abala os mercados de ações e de títulos do país.

O primeiro-ministro italiano Mario Draghi, um favorito dos investidores, apresentou na quinta-feira a sua demissão ao presidente, depois de perder o apoio de vários partidos importantes no seu governo de coligação, o que levará a eleições antecipadas.

Espera-se que o BCE apresente uma nova ferramenta destinada a acalmar os mercados de títulos nos países mais vulneráveis ​​da zona do euro, como a Itália. No entanto, terá de escolher com cuidado as suas palavras, já que quer ser visto como estando acima das batalhas políticas.

Olhando para o futuro: os riscos de recessão na Europa estão a aumentar acentuadamente. Isso pode restringir a capacidade do BCE de continuar a subir as taxas de juro, algo que ajuda a combater a inflação, mas também desacelera a economia. O Banco Central pode não ter muito espaço para correr antes de ser forçado a mudar de rumo.

“Tudo o que está a acontecer agora está a limitar a margem dos possíveis aumentos do BCE”, disse-me Carsten Brzeski, diretor de macroeconomia do ING.

Economia

Mais Economia

Patrocinados