Banco Central Europeu anuncia subida das taxas de juro para 2%

27 out, 13:15
Banco Central Europeu (AP Photo)

Esta é a terceira subida das taxas de juro este ano, colocando um fim a uma década de política monetária expansionista

O Banco Central Europeu voltou esta quinta-feira a subir as taxas diretoras em 75 pontos base, à semelhança do que já tinha feito, de forma inédita, a 8 de setembro, apesar do receio de que uma recessão na zona euro possa estar por perto. Os juros do financiamento aumentam agora para 2%, numa altura em que as autoridades tentam travar os números históricos da inflação.

"O Conselho do BCE decidiu aumentar as três principais taxas de juro do BCE em 75 pontos base. Assim, a taxa de juro das operações principais de refinanciamento e as taxas de juro da facilidade permanente de cedência de liquidez e da facilidade permanente de depósito serão aumentadas para 2,00%, 2,25% e 1,50%, respetivamente, com efeitos a partir de 2 de novembro de 2022", anunciou a instituição num comunicado. 

O BCE já decidiu duas subidas das taxas de juro desde o início do verão, pondo fim a uma década de política monetária expansionista. Em julho começou com um aumento de 50 pontos base e em setembro acelerou para uma subida de 75 pontos base, voltando a fazer o mesmo agora. Agora, a instituição liderada por Christine Lagarde admite que vai manter a perspectiva de subida das taxas de juro até que seja atingido o regresso à inflação média de 2%. Atualmente a taxa de inflação situa-se nos 9,9%, na zona euro.

"O Conselho do BCE tomou a decisão de hoje e espera aumentar ainda mais as taxas de juro, para garantir o retorno oportuno da inflação ao seu objetivo de inflação de médio prazo de 2%", escreve o organismo. 

A taxa de juro que se aplica aos depósitos bancários, uma das três taxas diretoras do BCE, durante vários anos em terreno negativo, que estava perto de 0,75% ficará mais perto de 2%, que é o nível considerado neutro para a atividade.

O BCE deve começar também a discutir uma nova etapa, a de redução do seu balanço, que aumentou bastante depois de anos de política anticrise, com sucessivos programas de compra de ativos para manter as taxas de juro baixas e apoiar a economia.

Lagarde promete continuar com as subidas

Horas depois do anúncio, a presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, prometeu esta quinta-feira continuar a aumentar as taxas de juro na zona euro até chegar ao nível de inflação desejado de 2%.

“Tomámos a decisão de hoje [de subir as taxas de juro] e esperamos aumentar ainda mais as taxas de juro, para assegurar o regresso atempado da taxa de inflação para o nosso alvo de 2% a médio prazo", revelou Lagarde, durante a conferência de imprensa da instituição. 

No entender da liderança do BCE, a inflação mantém-se "demasiado elevada" e vai permanecer num nível elevado do valor alvo "por um período alargado". Atualmente, este valor situa-se nos 9,9% na Zona Euro.

O BCE já tinha decidido avançar com duas subidas das taxas de juro desde o início do verão, pondo fim a uma década de política monetária expansionista. Em julho começou com um aumento de 50 pontos base e em setembro acelerou para uma subida de 75 pontos base, voltando a fazer o mesmo agora. 

"Nos meses recentes, os aumentos dos preços, engarrafamentos das cadeias de fornecimento e a recuperação e procura pós-pandémica levaram a um ampliar do aumento dos preços e uma subida da inflação. A nossa política monetária é focada em reduzir a procura e salvaguardar contra o risco de uma subida de inflação persistente", explicou Christine Lagarde. 

Relacionados

Economia

Mais Economia

Patrocinados