Lembra-se desta banana colada na parede como obra de arte? Agora vai a tribunal

CNN , Jacqui Palumbo
13 jul, 10:00
Uma banana que vale milhares de euros

Um artista afirma que Maurizio Cattelan copiou a sua arte quando colou uma banana na parede. Agora o caso pode ser levado a tribunal.

Há quase três anos, o artista italiano Maurizio Cattelan iniciou um dos momentos mais virais do mundo da arte, quando vendeu uma banana colada com fita a uma parede por 120 mil dólares na Art Basel Miami.

Mas Joe Morford, um artista de Glendale, na Califórnia, afirma que o artista de renome mundial copiou a sua própria obra de arte de 2000 intitulada “Banana & Orange”. Agora, um juiz federal do Distrito do Sul da Florida decidiu que Morford pode avançar com um processo contra Cattelan, afirmando que Morford “alega suficientemente que existe semelhança nos (poucos) elementos protegidos" da sua obra de arte.

Caso chegue a tribunal, o espetáculo sobre as bananas terá lugar em Miami, onde o juiz Robert N. Scola Jr. negou a moção de Cattelan para rejeitar o caso na quarta-feira passada.

"Felizmente para o Tribunal, a questão de uma banana colada a uma parede poder ser arte é mais uma questão metafísica", escreveu Scola na sua decisão. Mas a questão legal perante o Tribunal pode ser igualmente difícil - será que Morford alegou suficientemente que a banana de Cattelan viola a sua banana?"

Morford procura danos superiores a 390 mil dólares - o montante total das vendas da Cattelan para três edições das obras de arte - assim como custos judiciais e despesas de viagem.

Cattelan chamou a atenção internacional quando vendeu três versões quase idênticas das suas obras de arte sobre bananas, na feira de arte de 2019, com a peça final a obter 150 mil dólares. Com o título "Comediante", a obra de arte tornou-se imediatamente reconhecível por ter sido mimetizada na Internet, e voltou a ser notícia de primeira página depois de um artista de palco ter arrancado o fruto da parede e o ter comido. No entanto, isso não impediu as vendas, pois Cattelan não estava a vender a banana original, mas sim um certificado de autenticidade e instruções para a instalação da peça, incluindo o ângulo e altura exatos para colar a peça de fruta. Desde então, “Comediante” entrou na coleção do Guggenheim em Nova Iorque, graças a um doador anónimo.

Emmanuel Perrotin, fundador da galeria de arte Perrotin, com sede em Paris, que representa Cattelan, disse à CNN, após a estreia da obra de arte, que as bananas são “um símbolo do comércio global, um duplo sentido, bem como um dispositivo clássico de humor”. E acrescentou que Cattelan transforma objetos mundanos em “veículos tanto de prazer como de crítica”.

Mas Morford alega que "Comediante" plagia a sua própria obra de arte, “Banana & Laranja”, feita quase duas décadas antes. “Banana & Laranja” apresenta os frutos titulados afixados com fita adesiva num fundo verde pintado numa parede.

“Fiz isto em 2000. Mas um gajo qualquer rouba o meu lixo e chula 120K+ em 2019", escreveu Morford numa publicação pública no Facebook em 2019, com uma imagem da obra de arte. "Muito plágio?"

De acordo com documentos do tribunal, Morford, que se representa a si próprio, tinha registado a obra de arte no US Copyright Office e colocado a obra no seu website, Facebook e contas YouTube muito antes de Cattelan criar "Comediante".

Os advogados de Cattelan argumentaram que Morford "não tem direitos de autor válidos", para os elementos da obra de arte - a banana e a fita adesiva colada contra uma parede - mas o tribunal determinou que Morford “poderá reclamar direitos de autor na expressão dessa ideia” através da “seleção, coordenação (e) arranjo” dos elementos.

"Embora a fita adesiva prateada para colar uma banana a uma parede possa não abraçar o mais alto grau de criatividade, a sua natureza absurda e de farsa vai ao encontro do 'grau mínimo de criatividade' necessário para se qualificar como original", escreve Scola.

Imagen da obra "Comediante", de Maurizio Cattelan, apresentado pela Perrotin Gallery e em exibição na Art Basel Miami 2019 no Centro de Convenções de Miami Beach em dezembro de 2019 em Miami Beach, Florida.

Embora permitindo que o caso de Morford prosseguisse, a decisão de Scola não pesou sobre os seus méritos no julgamento. Se Morford não conseguir estabelecer que Cattelan teve acesso a “Banana & Orange” em tribunal, terá de ilustrar que as obras são “surpreendentemente semelhantes”, de acordo com os documentos do tribunal. Cattelan argumentou que a obra anterior “não é suficientemente original” para garantir proteção.

Os advogados de Cattelan e Morford não devolveram imediatamente o pedido de comentário da CNN.

 

Artes

Mais Artes

Patrocinados