Descoberta maior bactéria do mundo. É do tamanho de uma pestana humana

CNN , Amarachi Orie
23 jun, 21:15
Thiomargarita magnifica

A bactéria Thiomargarita magnifica é milhares de vezes maior do que outras bactérias conhecidas. Pode atingir dois centímetros. "Para compreender como isso é gigantesco para uma bactéria, é o mesmo que se encontrássemos um humano tão alto como o Monte Evereste"

Estas são bactérias como nunca se viu antes - provavelmente porque, até agora, todas as bactérias conhecidas só podiam ser vistas usando um microscópio composto potente.

Uma bactéria recentemente descoberta, que é suficientemente grande para ser visível a olho nu, e que se assemelha à forma e tamanho de uma pestana, foi encontrada em Guadalupe, nas Pequenas Antilhas, segundo um estudo publicado esta quinta-feira na revista Science.

A Thiomargarita magnifica – em referência ao seu tamanho excecional -- tem um comprimento celular médio superior a 9.000 micrómetros, que é de quase um centímetro de comprimento. As células da maioria das espécies bacterianas têm cerca de 2 micrómetros de comprimento, embora as maiores possam atingir 750 micrómetros.

A T. magnifica pode crescer até 2 centímetros de comprimento, segundo o coautor do estudo, Jean-Marie Volland, biólogo marinho e cientista do Laboratório de Investigação em Sistemas Complexos da Califórnia, uma afiliada do Instituto do Genoma Conjunto do Departamento de Energia dos EUA.

"Para compreender como isso é gigantesco para uma bactéria, é o mesmo que se encontrássemos um humano tão alto como o Monte Evereste", disse à CNN na quarta-feira.

Pode atingir até 2 centímetros, de acordo com um novo estudo.

Mais de 625 mil bactérias E. coli poderiam caber na superfície de uma única T. magnifica. No entanto, apesar do seu tamanho, a bactéria tem uma superfície "notoriamente intacta", desprovida das bactérias que vivem na superfície das plantas e animais vivos, segundo o estudo.

Como mantém o seu tamanho?

Pensava-se anteriormente que as bactérias não podiam crescer a um tamanho visível a olho nu devido à forma como interagem com o seu ambiente e produzem energia.

Mas a T. magnifica tem uma rede alargada de membranas que podem produzir energia, de modo a não depender apenas da superfície da bactéria para absorver nutrientes através da sua célula. Volland foi capaz de visualizar e observar as células gigantes em 3D com a ajuda de tomografia de raios X, microscopia de varrimento a laser e microscopia eletrónica de transmissão, de acordo com um comunicado de imprensa.

Uma célula T. magnifica tem o seu ADN contido em pequenas organelas ligadas à membrana, chamadas pepinas.

Ao contrário da maioria das bactérias, que têm material genético a flutuar livremente dentro da sua única célula, uma célula T. magnifica tem o seu ADN contido em pequenos sacos que têm uma membrana, as pepinas.

"Esta foi uma descoberta muito interessante que levanta novas questões sobre porque não é algo que se observa classicamente nas bactérias. É na verdade uma característica das células mais complexas, o tipo de células que constituem os nossos corpos ou animais e plantas", disse Volland. "Queremos compreender o que são estas pepinas e o que fazem exatamente, e se desempenham um papel na evolução do gigantismo para estas bactérias, por exemplo".

A T. magnifica foi descoberta pela primeira vez a crescer como filamentos brancos finos nas superfícies de folhas decadentes de mangais, em pântanos marinhos tropicais pouco profundos de Guadalupe, de acordo com o estudo.

Estas bactérias gigantes crescem em sedimentos no fundo das águas sulfurosas, onde aproveitam a energia química do enxofre e utilizam o oxigénio da água circundante para produzir açúcares, de acordo com Volland. A T. magnifica também pode alimentar-se a partir de dióxido de carbono.

Foi sugerido que, por ser muito maior do que a bactéria média, uma célula de T. magnifica poderia ter um melhor acesso ao mesmo tempo ao oxigénio e ao enxofre no seu ambiente, de acordo com Volland.

É também possível que a grandeza das células de T. magnifica, em comparação com os outros micróbios da população bacteriana, signifique que elas não precisam de preocupar-se em serem comidas por predadores.

Uma "caixa negra" microbiana

Tanja Woyke, uma cientista sénior do Laboratório Nacional Lawrence Berkeley na Califórnia, pensa que é provável que as bactérias gigantes, ou espécies relacionadas, possam ser encontradas noutros mangais em todo o mundo.

"Surpreende-me sempre o pouco que sabemos sobre o mundo microbiano e o quanto há por aí", disse ela à CNN na quarta-feira, acrescentando que o mundo microbiano "ainda é uma caixa negra". Woyke, que lidera o Programa de Genómica Microbiana para o Departamento de Energia dos EUA, é uma das autoras seniores do estudo.

"O viés de confirmação relacionado com o tamanho viral impediu a descoberta de vírus gigantes durante mais de um século", concluiu o estudo. "A descoberta da T. magnifica sugere que bactérias grandes e mais complexas podem estar a esconder-se à vista de todos".

"Só porque ainda não as vimos, não significa que não existam", acrescentou Woyke.

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Ciência

Mais Ciência

Patrocinados