Por cada carro a gasóleo, portugueses compram dois veículos alternativos (e a gasolina também está prestes a ficar para trás)

ECO - Parceiro CNN Portugal , Diogo Ferreira Nunes
4 jan, 09:38
Volvo Cars em Portugal

Veículos híbridos, plug-in, elétricos e a gás natural estão prestes a serem mais comprados do que automóveis a gasolina, que costumam liderar a tabela

Longe vão os tempos em que gasolina e gasóleo eram a espécie dominante nos carros ligeiros de passageiros. Ao longo da última década, a introdução de novas soluções para pôr os automóveis a andar transformou o mercado automóvel na Europa. Os efeitos também chegaram a Portugal nos últimos anos, ao ponto de em 2022 por cada carro novo a gasóleo terem sido vendidas duas unidades alternativas.

No último ano, os carros híbridos normais e plug-in (com tomada exterior de carregamento), elétricos e a GPL foram responsáveis por 40,54% das vendas de automóveis novos ligeiros de passageiros, segundo os dados da Associação Automóvel de Portugal (ACAP) divulgados esta terça-feira. Os carros a gasóleo, em sentido contrário, ficaram com uma ‘fatia’ de 17,89%.

“Estamos na UE, o que implica normas muito rigorosas para a eletrificação das frotas”, lembra ao ECO o secretário-geral da ACAP, Helder Pedro. Desde 2021 que as frotas das marcas automóveis estão limitadas à emissão média de 95 gramas de CO2 por quilómetro. As regras da Comissão Europeia serão ainda mais apertadas a partir de 2025, com a redução de 15% das emissões face à meta de 2021; a partir de 2030, a diminuição será de 37,5% face a 2021.

Em 2013, as coisas eram bem diferentes. Os carros a gasóleo eram os reis e senhores do mercado automóvel, com uma quota de 72,30%. Nesse ano, os veículos alternativos tinham apenas 2% das vendas. Por conta dos anos de hegemonia, o gasóleo começou a dominar as garagens portuguesas.

Também há 10 anos, os carros a gasolina estavam confinados ao segundo lugar, com 25,70% das matrículas. Contudo, tudo mudou na última década. Atualmente, os carros a gasolina lideram as vendas de ligeiros de passageiros: em 2022, conseguiram 41,57% dos registos. Ainda assim, já distantes do máximo de 49,20%, em 2019.

Híbridos aproximam-se do segundo lugar

Os veículos alternativos, mantendo o ritmo de crescimento, vão vender-se mais do que carros apenas a gasolina já a partir deste ano. A liderar esta rota estão os veículos híbridos comuns, que, no último ano, ficaram com 15,41% das vendas e aproximaram-se do segundo lugar. Junho foi o melhor mês de 2022 para os automóveis com um motor elétrico incorporado para reduzir as emissões mas sem possibilidade de carregamento por tomada exterior.

Os automóveis totalmente elétricos passaram para o quarto lugar, com 11,40%, ultrapassando os veículos híbridos plug-in, equipados com motor elétrico alimentado por tomada exterior, e que ficaram com uma quota de 10,25%, inferior à de 2021. “Não houve uma diminuição da procura mas sim dificuldades na entrega destes carros, com tempo de espera de quatro ou de cinco meses”, justifica Helder Pedro. Nota ainda para os carros a GPL e a gás natural comprimido, que representam 3,5% do mercado de ligeiros de passageiros.

Relacionados

Economia

Mais Economia

Mais Lidas

Patrocinados