Austrália pede que China permita contacto entre jornalista detida e os filhos

Agência Lusa , AM
7 set, 07:40
Cheng Lei (AP Photo/Ng Han Guan)

Cheng Lei foi julgada, em Pequim, em março, por acusações de espionagem

O primeiro-ministro da Austrália pediu esta quarta-feira à China que permita que a jornalista sino-australiana detida no país, Cheng Lei, fale com os seus filhos pela primeira vez em mais de dois anos.

Anthony Albanese renovou o pedido do seu governo para que Cheng tenha acesso à família, depois do embaixador da China, Xiao Qian, ter oferecido ajuda aos familiares da jornalista.

“Cheng Lei deveria ter acesso à sua família. A Austrália continua a acompanhar o caso e temos uma opinião muito forte sobre o tratamento dela. Continuaremos a levantar o assunto”, disse Albanese aos jornalistas.

“Não houve transparência em nenhum destes processos. O Governo chinês tem que fazer melhor”, acrescentou.

A jornalista da CGTN, canal em inglês da televisão estatal chinesa CCTV, está detida na China desde agosto de 2019.

Cheng foi julgada, em Pequim, em março, por acusações de espionagem. Diplomatas australianos não tiveram permissão para participar do processo. Nenhum veredicto foi anunciado.

Uma mudança de governo na Austrália, em maio passado, produziu sinais de melhoria nas relações bilaterais, até então praticamente suspensas.

Xiao disse na terça-feira que sente simpatia, por motivos humanitários, pela família de Cheng, que tem um filho e uma filha a morar com os avós em Melbourne, na Austrália.

“Pessoalmente, tenho simpatia pela família dela, pelos seus filhos e pais, que enfrentam uma situação tão difícil”, disse o diplomata, citado pela Australian Broadcasting Corp.

“Por motivos humanitários, tenho tentado ver como posso ajudar na facilitação de um possível acesso” de Cheng à sua família, disse Xiao.

Xiao disse que a sua intervenção teria como “base considerações humanitárias”.

“Não me posso envolver com o procedimento legal”, acrescentou.

Mundo

Mais Mundo

Patrocinados