Comissários de bordo partilham os segredos das suas viagens pelo céu

CNN , Francesca Street, CNN – Publicado a 23 de novembro de 2022
27 nov 2022, 20:00
A chegada a Paris dos primeiros refugiados afegãos

Parece que o caos das viagens de verão finalmente terminou, mas está agora a chegar a época das viagens de férias natalícias.

Mais de quatro milhões de americanos estão prontos para voar para o Dia de Ação de Graças dos EUA, dando início a um dos períodos mais movimentados do ano para viajar.

Navegar no mundo dos aeroportos e aviões nesta altura pode ser stressante, mas se existe alguém que é especialista em viagens durante as férias, são os comissários de bordo.

A CNN Travel quis descobrir as suas dicas e truques e, por isso, falou com dois veteranos de tripulações de cabine, o comissário britânico Kris Major e a americana Allie Malis, para obter a sua visão sobre algumas das principais questões de viagem.

Qual é a melhor altura para voar?

Alguns destinos oferecem vários voos ao longo do dia, por isso é melhor ir mais cedo ou deixá-lo para mais tarde?

Malis acredita que é logo pela manhã, quando está a fazer as suas viagens pessoais.

“Esse é o meu truque”, diz ela. “Não sei se deveria realmente dizer a toda a gente. Senão, vão todos ocupar lugar nos meus voos matinais.”

A lógica de Malis é a de que é menos provável que as condições meteorológicas perturbem o voo logo de início, mesmo que tenha havido atrasos no dia anterior, por norma o sistema reinicia durante a noite.

Quando se trata de viagens de férias, Malis - que é também o representante dos assuntos governamentais na Associação de Comissários de Bordo Profissionais, um sindicato que representa a tripulação aérea da American Airlines - sugere deixar algum tempo de reserva, se for possível.

Por exemplo, voar no dia antes da véspera de Natal, em vez de no dia 24, dá-lhe um pouco de margem de manobra.

O que posso fazer se o meu voo estiver atrasado?

 

Os atrasos acontecem e Malis lembra aos viajantes que os assistentes de bordo e os passageiros estão “na mesma equipa”.

O seu colega de trabalho, Major, que tem trabalhado em viagens de longo e de curto curso ao longo da sua carreira, e que também trabalha como presidente do Comité Conjunto de Tripulação Aérea da Federação Europeia dos Trabalhadores dos Transportes, representando os comissários de bordo e os pilotos europeus, ressalva esta mesma ideia.

“Se não podemos voar, não podemos voar”, diz ele. “Faremos tudo o que estiver ao nosso alcance para ir - porque é do nosso interesse.”

E, ao contrário do que alguns passageiros possam pensar, os comissários de bordo não escondem informações dos passageiros. “Não faz sentido que o façam”, afirma Major.

Por isso, se estiver sentado num voo atrasado, stressado porque vai perder os voos de ligação, não hesite em pedir ao assistente de bordo todas as informações que puder. Major diz que encaminha os passageiros para o balcão certo para remarcar um voo, deixando explícitas quais “as perguntas que precisam de fazer.”

 

Como recuperar do jet lag?

 

Major acredita piamente que, se estiver a atravessar fusos horários, uma curta sesta à chegada poderá ajudar - com uma advertência: a sesta tem de ser breve, e depois tem de ficar acordado até à noite.

“Não se deixe dormir tudo o que tem para dormir porque se quer manter no seu próprio horário, desta forma não estará a ajudar o seu corpo a reajustar o seu ritmo circadiano”, afirma.

Dito isto, por vezes os comissários de bordo só se encontram num destino durante 24 horas. Se for esse o caso, Major diz que normalmente ficam no seu fuso horário de casa. E Malis considera que alguns viajantes podem achar esta estratégia útil durante a época de férias.

“Pode estar a viajar apenas por alguns dias, por isso estaria a passar pelo jet lag ao se ajustar ao novo fuso horário e, novamente, quando regressar passado uns dias, por isso, ficar no seu fuso horário de casa pode, eventualmente, ajudar”, afirma.

Malis salienta também a importância da “hidratação, alimentação nutritiva e exercício”. E “manter-se em sintonia com o seu corpo o melhor que puder”.

“Honestamente penso que a única forma de ter conseguido chegar a este ponto da minha carreira como hospedeira de bordo, é porque dou prioridade ao descanso”, afirma.

“O cansaço pode afetar tudo, as férias podem ser stressantes, por isso, dê a si próprio a melhor hipótese de descanso adequado para desfrutar da época festiva da forma mais positiva e comemorativa possível.”

 

Fazem, por vezes, upgrade dos lugares de passageiros que estão a bordo?

 

É o cenário com que a maioria dos voadores sonha, ser transferido do seu lugar económico apinhado para algo mais luxuoso.

Malis explica que os upgrades devem acontecer em terra, e não a bordo, mas existem exceções e, por vezes, uma hospedeira de terra transmitirá a informação aos comissários de bordo de que certos viajantes podem ser transferidos.

“Mas há uma lista”, diz ela. “E há um método no meio do caos, que tem a ver com a forma como a lista está ordenada e priorizada.”

Por vezes os comissários de bordo também deslocam os passageiros para que as famílias se possam sentar juntas, ou para resolver uma situação de lugares repetidos.

Mas uma vez que o voo esteja no ar, os passageiros só serão movimentados em situações excecionais – como, por exemplo, se um passageiro estiver a deixar outro numa situação desconfortável.

 

Os passageiros podem trocar de lugar?

 

“Se um passageiro quiser perguntar a outro passageiro se troca consigo, não podemos impedi-los”, afirma Major, que diz que na sua experiência, na maioria das vezes os viajantes não têm qualquer problema em trocar de lugar para permitir que os pais se sentem com os filhos.

Os comissários de bordo são a favor deste tipo de troca, mas tentarão não interferir, a menos que haja problemas.

“É do nosso interesse reunir as pessoas, porque não queremos que fiquem tristes por irem separadas”, refere.

Malis afirma que também se esforça por garantir que pais e filhos estejam juntos, mas sugere que estas situações devem ser resolvidas antes do embarque, se possível.

“As pessoas colocam-nos sob muita pressão para pedirmos favores aos passageiros para trocarem de lugar e esta questão torna-se muito sensível no que diz respeito ao tempo do voo quando estamos a embarcar”, diz ela.

 

Como lidar com viajantes que têm medo de voar?

 

Para alguns passageiros, é o facto de não poderem controlar a situação. Outros viajantes odeiam os ruídos não identificados que fazem parte dos voos.

“Quando encontro alguém que tem medo de voar, tento descobrir o que está por detrás desse medo”, diz Major. “Se puder falar com as pessoas e perceber porque estão assustadas, então talvez possa tranquilizar os seus receios, porque as hipóteses de qualquer coisa mecânica criar uma situação em que o avião se despenharia - são muito pouco prováveis.”

Algumas pessoas consideram útil aprender mais sobre a mecânica e a logística. Outros passageiros apenas precisam de ser distraídos, e falar com os assistentes de bordo pode ajudar.

“Faz parte das capacidades da tripulação descobrir o que é que essa pessoa precisa para a ajudar a passar o voo”, afirma Major.

Se Major falar com um passageiro ansioso antes da descolagem da aeronave, será mais benéfico – os assistentes de bordo querem evitar que alguém decida abandonar o avião no último minuto, o que poderá atrasar o voo e fazer com que a aeronave perca o seu timing de descolagem.

Major e a sua equipa têm de decidir o mais rapidamente possível se o passageiro está capaz de voar nesse dia.

“Isso, uma vez mais, faz parte das capacidades da tripulação”, refere Major, que se esforçará sempre por permanecer calmo nesses momentos. “Não quero que os passageiros pensem que a minha principal preocupação é: ‘Vai atrasar-me a fechar as portas e a pôr esta coisa no ar?’”.

Malis aconselha que os voadores ansiosos se apresentem à tripulação aérea. Se ela souber que um passageiro está nervoso, tentará vigiá-lo durante todo o voo. Recomenda técnicas de respiração, e também aconselha a trazer consigo um livro cativante, ou a perder-se num programa de televisão ou num filme.

Major aconselha também a trazer um iPad, livros para colorir ou brinquedos para entreter as crianças e mantê-las tão calmas quanto possível durante o voo.

Preocupam-se com a má turbulência?

Quando está a trabalhar num voo, Malis vê a turbulência como “mais um incómodo e uma inconveniência”.

“Mas é meio engraçado, quando sou passageira e me deparo com turbulência, sinto que sou como qualquer outro passageiro, o que não faz qualquer sentido. Fico sempre a pensar: ‘O que foi aquela turbulência? Está tudo bem?’”

É um lembrete de que um voo turbulento não é agradável para ninguém - mesmo que normalmente não seja motivo de preocupação.

 

Como agem quando existe uma situação médica dentro do voo?

Major afirma que a forma como a tripulação aborda uma situação médica de voo depende de vários fatores, incluindo a natureza da situação e as preferências da tripulação.

Geralmente não opta pela clássica pergunta “há um médico a bordo?”.

“No Reino Unido, a maioria das tripulações não pedirá um médico, eles próprios resolvem a situação. Não queremos alguém envolvido que não conheça o nosso ambiente.”

Os assistentes de bordo têm material médico a bordo em caso de emergência, embora só possam administrar certos medicamentos sob a direção de uma chamada de rádio para terra.

“Podem explicar-nos os procedimentos caso seja necessário”, afirmou Major, que diz nunca ter auxiliado num parto de um bebé a bordo, mas que não ficou longe disso.

“Se alguém tiver uma paragem cardíaca, temos o desfibrilador, podemos fazê-lo. Se um médico quiser ajudar-nos, pode fazê-lo, mas depende da sua especialização.”

Malis afirma que nos seus voos dentro dos EUA, a tripulação de cabine também fará chamadas para médicos em terra, em caso de emergência médica. Mas ao contrário de Major, Malis diz que “ter um médico ou uma enfermeira no voo é sem dúvida preferível ou benéfico.”

“Pessoalmente, preferiria chamar um médico num avião. Penso que eles são obviamente os mais bem treinados para este tipo de circunstâncias. Mas nós temos recursos em terra e a nossa própria formação básica que cobre muitas coisas.”

 

Como é ter uma celebridade no voo?

 

Todos têm de encontrar uma forma de passar do ponto A para o ponto B, mesmo as celebridades. Na verdade, Major diz que em praticamente todos os voos transatlânticos, é provável que haja alguém pelo menos relativamente famoso entre as centenas de passageiros.

Em geral, a tripulação de cabine não recebe qualquer aviso de que uma celebridade vai estar a bordo - normalmente só se apercebem quando veem o seu nome na lista de passageiros.

No entanto, há algumas exceções.

“Por vezes somos notificados de que há um VIP a bordo - que tende a ser alguém da família real”, afirma Major.

E sim, algumas celebridades têm a reputação de serem rudes, e essa reputação espalhar-se-á entre os comissários de bordo.

Do mesmo modo, algumas celebridades são conhecidas entre a tripulação de cabine por serem amigáveis e simpáticas.

Malis diz que muitas vezes os outros passageiros não fazem ideia de que estão sentados ao lado de pessoas famosas.

“Se estiver sentado na parte de trás de um avião, há uma boa hipótese de haver uma celebridade em primeira classe da qual nem sequer se aperceberia”, diz ela.

A época de viagens do feriado da Ação de Graças deste ano será a maior desde o início da pandemia e a terceira maior para viagens nos últimos 20 anos. Pete Muntean da CNN relata as dicas virais e os truques para vencer a correria das férias.

 

Têm códigos que utilizam para se referir secretamente aos passageiros?

Major diz que quando começou a voar há duas décadas, as hospedeiras usavam por vezes o código “BOB” AKA “best on board” (o melhor a bordo), para se referirem ao passageiro que consideravam mais bem-parecido.

“É apenas como forma de diversão”, diz ele, acrescentando que agora não é tão comum. “Estamos a falar de algo que faziam há muitos anos.”

 

O que pensa quando os passageiros aplaudem quando o avião aterra?

Major diz que é um hábito regional e é mais comum nos voos europeus.

“Os italianos fazem-no em todos os voos, sempre. Por vezes, depois de uma turbulência grave, fazem-no. Isso conseguimos compreender - as pessoas estão apenas aliviadas por chegar porque não compreendem realmente o que é a turbulência”, explicou.

Malis diz que nos EUA, os passageiros normalmente só aplaudem depois de um voo com muitas perturbações.

“Acho que as pessoas ficam surpreendidas com a aterragem do avião, não tenho a certeza? A maioria dos aviões aterra”, diz ela. “Pessoalmente, acho que é um pouco foleiro. Penso que muitas hospedeiras concordariam comigo.”

 

Que coisas estranhas é que as pessoas deixam para trás na cabine?

É melhor não falarmos sobre isso.

“Tudo o que possa imaginar, nós com certeza já teremos encontrado”, conta Major.

 

Alguma vez se tornaram amigos de um passageiro?

Major uma vez deu boleia a um passageiro encalhado no seu carro e eles ainda hoje estão ligados nas redes sociais.

Quanto a Malis, ela afirma que se as assistentes de bordo se ligam ou não aos passageiros depende do seu nível de conforto pessoal, e os limites devem ser sempre respeitados.

“Tem havido casos de passageiros que perseguem as hospedeiras de bordo e coisas do género. Por isso, é importante que mantenhamos uma linha profissional bem clara”, ressalva.

Mas, uma vez, ela acabou por voar com o seu treinador de basquetebol do quinto ano, por pura coincidência, o que foi divertido.

E, tanto Malis como Major, conhecem histórias de assistentes de bordo que se casaram com passageiros.

 

Podem aceitar presentes oferecidos pelos passageiros?

Major diz que os comissários de bordo só podem aceitar pacotes selados, devido às implicações de segurança.

Malis diz que a tripulação aprecia genuinamente os sinais de apreço.

“Anima realmente os nossos dias quando as pessoas tomam a iniciativa de reconhecer o nosso trabalho dessa forma”, diz ela.

“Recebemos chocolates, muitas vezes. Os cartões de oferta da Starbucks são ótimos.”

Malis não tem a certeza da política atual, mas lembra-se que, a certa altura, as hospedeiras de bordo foram aconselhadas a recusar dinheiro três vezes, mas que poderiam aceitá-lo na quarta tentativa.

Embora seja encantador quando se reconhece o trabalho da tripulação com presentes nas férias, Malis refere que até um simples sorriso faz uma grande diferença e pode mudar a atmosfera a bordo.

“Ficariam realmente surpreendidos com a quantidade de pessoas que simplesmente nos ignoram, ao lhes dizermos olá, e nem sequer olham para nós ou respondem”, conta ela.

“Não sei se a primeira escolha de alguém é voar nas férias. Mas estamos todos juntos nisto.”

Viagens

Mais Viagens

Na SELFIE

Patrocinados