FC Porto-Benfica, o jogo em que "há sempre prémios elevados". Apostas online vão superar os mil milhões de euros até ao fim do ano

21 out, 16:00
Benfica-FC Porto (Lusa)

Casas de apostas e a Associação Portuguesa de Apostas e Jogos Online reconhecem que os jogos grandes da 1.ª Liga Portuguesa são os que atraem maior número de apostadores e onde "há sempre prémios elevados a pagar"

Esta sexta-feira, às 20:15, os olhares de muitos portugueses vão estar no círculo central do Estádio do Dragão. Durante 90 minutos, FC Porto e Benfica vão colocar em campo 22 atletas de alta competição com o propósito de tentar violar as redes adversárias, enquanto os treinadores Conceição e Schimdt tentarão adaptar estratégias desde o banco de suplentes e, no final, ganhar, perder ou empatar. E o mais provável é que ganhe a equipa da casa... Pelo menos, é o que dizem as casas de apostas.

“Há sempre prémios elevados a pagar nestes jogos”

O prenúncio resulta de um conjunto de premissas probabilísticas, como “o fator casa, o histórico dos últimos anos e a forma atual, entre outros”, como explicou à CNN, o diretor-geral da Placard.pt, Tomás Gonçalves. Sendo um clássico e perante as recentes exibições das duas equipas, é de esperar um pico do número de apostas online e o responsável pela casa de apostas tem uma certeza: “Há sempre prémios elevados a pagar nestes jogos”.

O Placard dá uma cota de 2.35 à vitória do FC Porto, 3.00 para o Benfica e 3.30 para o empate. Entre os utilizadores, estas cotas são conhecidas como odds e equivalem a quanto um jogador vai ganhar por cada aposta, na prática quem apostar um euro nos azuis e brancos, em caso de vitória, receberá 2,30 euros.

“Num FC Porto - Benfica, normalmente e de acordo com as estimativas, temos sempre mais do dobro das apostas que têm os outros jogos normais, sem confrontos entre os grandes”, refere o diretor-geral da Placard.pt, Tomás Gonçalves.

Esta tendência de mercado vai ao encontro também da perceção da Solverde.pt, que lembra "os jogos em que o Benfica e o FC Porto são intervenientes são efetivamente os mais procurados pelos apostadores", salientando, no entanto, que "o volume investido é muito relativo e influenciado por diversos fatores".

A Associação Portuguesa de Apostas e Jogos Online (APAJO) reconhece ainda que "os grandes jogos da Liga Portuguesa são efetivamente dos que mais atenção têm dos apostadores", referindo que esta tendência "está em linha com o interesse desportivo dos próprios jogos e com o papel que as apostas desempenham como produto de entretenimento".

Em Portugal, 75% dos apostadores não vai além dos "50 euros por mês"

Questionado pela CNN Portugal, o secretário-geral da APAJO, Bernardo Oliveira Neves, explica que quanto ao perfil do apostador nacional os dados disponíveis até ao momento se cingem a um estudo que conduzido pela associação com apostadores portugueses e, de forma geral, incluindo apostas desportivas e casino, que mostram que "mais de 75% dos jogadores investe até 50 euros por mês e que a maioria dessa percentagem representada por jogadores que investem até 25 euros". De acordo com o Serviço de Regulação Inspeção de Jogos (SRIJ), quem mais aposta online são pessoas com idades entre os 25 e 34 anos, que representam 37,1% do total de jogadores, seguindo-se as faixas etárias dos 35 aos 44 anos (23,3%), 18 aos 24 (21,5%), 45 aos 54 (12,4%), 55 aos 64 (4,2%) e, por fim, acima dos 64 anos (1,6%).

Os dados da Solverde.pt revelam que para "o valor por aposta, a maior parte dos apostadores (cerca de 65%) investe por aposta 5€ ou menos", diariamente, esclarecendo que "o montante apostado por jogo ou jornada está relacionado com o padrão do jogador sendo diferente de apostador para apostador, não sendo muito correto padronizar".

Certo é que, desde 2017, ano em que o mercado das apostas desportivas foi regulado em Portugal, a tendência é de crescimento e a cada ano os lucros milionários atingem novos recordes. Só nos primeiros seis meses deste ano, os apostadores "investiram" 674,9 milhões de euros, como mostram os relatórios do registo da atividade de jogo online em Portugal do primeiro e segundo trimestre de 2022, do SRIJ, tutelada pelo Turismo de Portugal. A manter-se a tendência, e tendo em conta que o último trimestre do ano é o mais lucrativo deste negócio, a 31 de dezembro terão sido apostados, só em apostas desportivas online, mais de 1,2 mil milhões de euros, em Portugal.

Aumento das apostas desportivas online em Portugal (tabela da SRIJ).

Apostas desportivas online redem 142,2 milhões de euros às casas de apostas, apenas em seis meses

De acordo com o SRIJ em Portugal, há 470,9 mil jogadores ativos neste tipo de casas de apostas. Neste momento, há 11 plataformas com licenças para realizar "apostas desportivas à cota", que coletivamente obtiveram 142,2 milhões de euros de receitas brutas entre janeiro e junho.

As marcas com licenças para realizar "apostas desportivas à cota", em Portugal:

  1. Betclic
  2. bwin
  3. ESCOnline
  4. Casino Portugal
  5. Casino Solverde
  6. Nossa Aposta (atualmente, já não tem apostas desportivas)
  7. Placard.pt
  8. Luckia (atualmente, já não tem apostas desportivas)
  9. Betano
  10. Moosh
  11. Betway

Aos lucros alia-se ainda o número crescente de novos membros a cada trimestre, nos primeiros seis meses do ano, as plataformas tiveram 381,2 mil novos registos, o que não equivale ao mesmo número de novos jogadores, porque nada garante que nestes novos registos já não sejam antigos apostadores que tenham criado uma conta nova em qualquer uma das casas de apostas digitais.

Do total de apostas online: 211,8 mil optam só por apostas desportivas, 245,3 mil participam em jogos de sorte ou azar online e 259,1 mil em ambas (Gráfico da SRIJ).

Do total de apostas online: 211,8 mil optam só por apostas desportivas, 245,3 mil participam em jogos de sorte ou azar online e 259,1 mil em ambas (Gráfico da SRIJ).

No mesmo período, também houve quem saísse deste mundo. Até junho, verificaram-se 247 mil contas que foram autoexcluídas, como quem diz apagadas das plataformas por iniciativa do próprio utilizador.

Em que apostam os portugueses?

O futebol é a modalidade desportiva preferida maioria dos apostadores e representa 65,8% do volume total de apostas efetivadas. De acordo com os relatórios do SRIJ, a Primeira Liga portuguesa representa 8,6% do volume de apostas no desporto rei, seguindo-se da Liga das Nações (7,6%), a Premier League (7,2%) e a La Liga (6,0%).

No segundo lugar dos desportos em que há mais apostas, surge o ténis que representa 20,3% do total das apostas desportivas, muito graças ao torneio Open Roland Garros onde se verificou 20,8% das apostas nesta modalidade, seguido pelos torneios Open Madrid (8,8%) e Open Wimbledon (7,4%) e, em terceiro lugar, está o basquetebol com 9,3%, onde a liga norte-americana NBA representou 42,0% do total das apostas nesta modalidade.

Desportos em que os portugueses mais apostam (tabela da SRIJ).

Tendências que são também corroboradas pelo diretor-geral da Placard.pt. Tomás Gonçalves realça que “a competição preferida os apostadores em Portugal é a 1.ª Liga, há outras, mas esta continua a ser a principal”. O especialista distingue ainda que “há apostadores mais tradicionais, que fazem sempre apostas simples e que tendem a apostar sempre no mesmo clube, mas também existe um grande grupo de pessoas que optam por apostas mais arriscados em que combinam várias apostas, naquilo que é conhecido como apostas múltiplas”.

"As competições que mais interesse despertam aos apostadores são sem dúvida as principais competições domésticas, encabeçadas pela 1.ª Liga Portuguesa e seguidas pela Premier League e La Liga", refere também a Solverde.pt.

Regressando ao FC Porto - Benfica, Tomás Gonçalves explica que é nestes jogos que “os apostadores tradicionais podem ganhar mais". Isto, porque, explica o responsável pela Placard.pt, “estes são jogos tendencialmente mais equilibrados, que têm as odds mais altas, e em que metade dos apostadores vai apostar no FC Porto e outra metade no Benfica, o que faz com que quem acertar no resultado certo tenha um bom retorno”.

"A casa nunca arrisca"

Tanto nos jogos de sorte ou azar como nas apostas, o lucro surge sempre, porque "a casa nunca arrisca", como explicou à CNN Portugal Henrique Oliveira, professor de Matemática no Instituto Superior Técnico. O docente lembra que o grupo dos jogadores de um casino "nunca tem um meio para ganhar à casa" e lembra que foi um matemático, Blaise Pascal, quem criou o jogo eternizado como roleta e cujos resultados vão sempre pender para o casino: “A roleta tem 32 casas numerais e o 0, mas quando calha no 0, a casa ganha tudo, portanto, em média, a cada 33 jogadas o casino vai ganhar”.

“A casa de apostas, tal como o casino na roleta, nunca arrisca: ou vai buscar o lucro na diferença de probabilidades ou joga com as cotas [as odds]”, refere Henrique Oliveira.

Relacionados

Economia

Mais Economia

Patrocinados