Em atualização

GUERRA AO MINUTO | Kremlin acusa aliados da NATO de incitarem "escalada muito perigosa" na cimeira em Washington

Todas as informações mais recentes sobre o conflito na Ucrânia, que começou a 24 de fevereiro de 2022
2024-07-12
2024-06-17
18:04

Líder da NATO defende que caminho para paz passa por mais armas para Kiev

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, defendeu hoje que a China pague o preço pelo seu apoio à Rússia, ao mesmo tempo que encorajou a aliança militar ocidental a fornecer mais armas à Ucrânia.

“Pode parecer um paradoxo, mas o caminho para a paz passa por mais armas para a Ucrânia”, argumentou o chefe da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO) em declarações ao Wilson Center, um 'think tank' em Washington.

Stoltenberg, que em breve abandonará a sua posição como secretário-geral da NATO, está de visita a Washington para preparar a cimeira da aliança atlântica que terá lugar na capital norte-americana de 09 a 11 de julho.

O norueguês, que será recebido esta tarde na Casa Branca pelo Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, afirmou que a “China está a alimentar o maior conflito armado na Europa desde a Segunda Guerra Mundial e, ao mesmo tempo, quer manter boas relações com o Ocidente”.

“Pequim não pode ter as duas coisas e, a dada altura, a menos que mude de rumo, os aliados terão que impor um custo”, sublinhou.

A NATO, com os Estados Unidos na liderança, critica cada vez mais a ajuda concedida pela China e pelas suas empresas ao esforço de guerra russo, através do fornecimento de componentes e equipamentos de apoio ao setor de defesa russo.

Siga ao minuto:

2024-07-12
14:40

Rússia acusa Coreia do Sul de chantagem e ameaças

A Rússia acusou esta sexta-feira a Coreia do Sul de chantagem e ameaças após o país admitir o envio de armas para a Ucrânia, escreve a Reuters.

No final de junho o Conselheiro Nacional de SSegurança de Seul, Chang Ho-jin, admitiu que o país podia rever a decisão de envio de armas para a Ucrânia, após a Rússia e a Coreia do Norte assinarem um acordo de defesa mútua em caso de guerra.

Maria Zakharova, porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros, afirmou, segundo a Reuters: "Lamentamos muito que política dos negócios estrangeiros de Seul usem a narrativa da NATO, com chantagem e ameaças como táticas, o que não é aceitável para um Estado soberano".

Maria Zakharova garantiu ainda que a Rússia não está a preparar nenhum ataque à NATO e que era a Aliança Atlântica que estava a agravar as tensões.

2024-07-12
14:29

"Estamos a entrar noutro patamar. Polónia poderá abater mísseis russos a partir do seu próprio território"

O major-general Agostinho Costa analisa as ajudas militares prometidas pelos aliados da NATO durante a cimeira em Washington destinadas À Ucrânia. Os 32 países da Aliança Atlântica garantiram que, no próximo ano, Kiev poderá contar com um pacote de 40 mil milhões de euros em ajuda militar, no qual já estão incuídos vários tipos de armamento, nomeadamente os desejados caças F-16.

2024-07-12
14:01

Ucrânia pede permissão aos aliados para lançar ataques de longo alcance no território russo

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, quer que os seus aliados suspendam a proibição de ataques de longo alcance no território russo para que as forças ucranianas possam destruir as bases aéreas russas, onde estão localizadas as aeronaves que têm sido utilizadas nos ataques contra a Ucrânia.

A informação foi avançada por Mykhailo Podolyak, conselheiro do presidente Zelensky, na rede social X.

2024-07-12
12:33

Kremlin acusa aliados da NATO de incitarem "escalada muito perigosa" na cimeira em Washington

O Kremlin acusou os aliados da NATO de incitarem a uma "escalada muito perigosa" ao permitirem o uso de armas para atacar o território russo na cimeira em Washington.

"Vimos declarações de representantes de algumas capitais - Londres e assim por diante - que não veem nenhuma restrição a esse respeito, e vemos países que estão a tentar manter o equilíbrio e dizem que são contra essa flexibilização dos termos para o uso de mísseis de longo alcance", afirmou o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, citado pelas agências internacionais.

2024-07-12
12:27

Quatro países europeus juntam-se para produzir mísseis de longo alcance

Quatro países europeus da NATO - Alemanha, França, Itália e Polónia -, acordaram durante a cimeira celebrada em Washington um plano de cooperação com vista ao desenvolvimento e produção de mísseis de longo alcance.

2024-07-12
10:59

Kremlin diz que notícia de que planeou matar CEO de empresa que produz armas para a Ucrânia é "falsa"

O Kremlin negou há instantes a notícia avançada pela CNN Internacional de que os EUA e Alemanha desmantelaram um plano da Rússia para matar o CEO de empresa europeia que produz armas para a Ucrânia.

Citado pela Reuters, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, diz que a notícia é "falsa", descredibilizando-a pelo facto de ser "baseada em fontes anónimas".

Peskov adianta ainda que, "tal como o resto do mundo", também o Kremlin viu a gafe do presidente norte-americano, Joe Biden, sobre o presidente da Ucrânia. Mas considera que este é um tema para os EUA e que são os eleitores têm a hipótese de decidir em quem querem votar para assumir a presidência dos EUA.

2024-07-12
10:03

Ucrânia pede ao TPI para processar a Rússia pelo ataque ao hospital pediátrico de Kiev

O procurado-geral da Ucrânia solicitou ao Tribunal Penal Internacional para que abra um processo contra a Rússia pelo ataque com mísseis a um hospital pediátrico em Kiev, que fez pelo menos 44 mortos.

"É importante mostrar que a própria Rússia, neste momento, é um estado criminoso", argumentou o procurador-geral ucraniano, Andriy Kostin.

A Rússia nega responsabilidades pelo ataque no hospital pediátrico, apesar de todas as evidências apontarem nesse sentido, segundo a análise do Instituto para o Estudo da Guerra.

2024-07-12
08:08

Ucrânia diz que abateu cinco mísseis de cruzeiro e 11 de 19 drones lançados pela Rússia esta madrugada

A Força Aérea ucraniana disse que abateu todos os cinco mísseis de cruzeiro e 11 dos 19 drones lançados pela Rússia durante a madrugada desta sexta-feira.

Em comunicado citado pela Reuters, a Ucrânia diz que o principal alvo da Rússia era a cidade de Starokostiantyniv, uma importante base aérea ucraniana e alvo de frequentes ataques por parte de Moscovo.

2024-07-12
07:59

Orbán diz que Trump "vai resolver o problema" da missão de paz que está a conduzir

O primeiro-ministro nacionalista húngaro debateu "formas de fazer a paz" com o ex-presidente dos Estados Unidos, num encontro na Florida.

"Discutimos formas de fazer a paz", disse Viktor Orbán numa mensagem publicada na rede social X, acompanhada por uma fotografia do encontro entre os dois líderes na residência de Donald Trump em Mar-a-Lago.

"A boa notícia do dia: ele vai resolver o problema", acrescentou, sem dar mais pormenores sobre o encontro, que decorreu depois de o governante húngaro ter participado na cimeira da NATO, em Washington.

Antes, Orbán deslocou-se a Kiev, Moscovo e Pequim, onde pretendia encontrar uma solução para a guerra na Ucrânia.

2024-07-12
07:18

Austrália anuncia pacote militar à Ucrânia no valor de 155 milhões de euros

A polícia australiana disse hoje que deteve uma antiga soldado australiana e o marido, ambos de origem russa e cidadãos da Austrália, acusados de aceder a material militar sensível com intenção de partilhar com Moscovo.

Os acusados são uma mulher de 40 anos, cidadã australiana desde 2016 e soldado raso do Exército australiano, e o marido, de 62, trabalhador independente, naturalizado cidadão australiano em 2020, de acordo com um comunicado da Polícia Federal australiana.

Os dois chegaram à Austrália há mais de uma década e foram detidos na quinta-feira em casa, em Brisbane, no nordeste do país, notou o comunicado, assinado ainda pela agência de espionagem Australian Security Intelligence Organisation (ASIO).

A mulher, que trabalhou durante vários anos como técnica de sistemas de informação e obteve uma autorização de segurança do Exército, e o marido foram acusados de um crime de preparação para ato de espionagem.

Trata-se da primeira acusação de espionagem na Austrália desde a aprovação da lei anti-interferência estrangeira de 2018 e implica uma pena máxima de 15 anos de prisão.

A alegada operação de espionagem russa "foi interrompida", o que significa que já não representa um risco significativo para a segurança do país, disse o comissário da Polícia Federal australiana, Reece Kershaw, numa conferência de imprensa em Camberra.

"Os nossos parceiros dos Cinco Olhos [aliança de serviços secretos que une Austrália, Estados Unidos, Canadá, Reino Unido e Nova Zelândia] e o Governo australiano podem estar confiantes de que os fortes laços com as agências estrangeiras de contraespionagem nos permitirão continuar a identificar e a interromper as atividades de espionagem e de interferência estrangeiras", disse.

As autoridades australianas alegaram que a mulher, que vai comparecer durante o dia num tribunal de Brisbane juntamente com o marido, fez viagens "não declaradas" à Rússia, com e sem o marido, em 2023, durante um longo período em que esteve de licença das forças de defesa australianas.

De acordo com a investigação, a ex-soldado deu instruções ao marido para ir à sua conta de trabalho oficial e orientou-o para aceder a informações militares específicas e sensíveis.

O companheiro terá enviado as informações diretamente para a conta de correio eletrónico privada da mulher enquanto esta se encontrava na Rússia, com a intenção de as fornecer a Moscovo, acrescentou a mesma nota.

"A espionagem não é uma noção pitoresca da guerra fria. A espionagem prejudica a nossa economia e degrada a nossa vantagem estratégica. Pode ter consequências catastróficas no mundo real", observou o diretor-geral da ASIO, Mike Burgess.

2024-07-12
07:17

Austrália detém ex-soldado australiana e marido por espionagem a favor da Rússia

A polícia australiana disse hoje que deteve uma antiga soldado australiana e o marido, ambos de origem russa e cidadãos da Austrália, acusados de aceder a material militar sensível com intenção de partilhar com Moscovo.

Os acusados são uma mulher de 40 anos, cidadã australiana desde 2016 e soldado raso do Exército australiano, e o marido, de 62, trabalhador independente, naturalizado cidadão australiano em 2020, de acordo com um comunicado da Polícia Federal australiana.

Os dois chegaram à Austrália há mais de uma década e foram detidos na quinta-feira em casa, em Brisbane, no nordeste do país, notou o comunicado, assinado ainda pela agência de espionagem Australian Security Intelligence Organisation (ASIO).

A mulher, que trabalhou durante vários anos como técnica de sistemas de informação e obteve uma autorização de segurança do Exército, e o marido foram acusados de um crime de preparação para ato de espionagem.

Trata-se da primeira acusação de espionagem na Austrália desde a aprovação da lei anti-interferência estrangeira de 2018 e implica uma pena máxima de 15 anos de prisão.

2024-07-12
07:14

Ucrânia vai ter apoio “até que prevaleça sobre a Rússia”

O primeiro-ministro português considerou hoje que da cimeira da NATO saiu um compromisso que para que a Ucrânia tenha todo o apoio “até que prevaleça” sobre a Rússia, considerando que “vozes ou comportamentos deslocados” não põem em causa este princípio.

Luís Montenegro falava aos jornalistas no final da cimeira da NATO, que se realizou em Washington, e poucos minutos depois da cerimónia em que líderes de 24 países e organizações, incluindo Portugal, e juntamente com a União Europeia, reafirmaram hoje o seu compromisso com a liberdade, segurança e soberania da Ucrânia, numa declaração conjunta denominada "Compacto da Ucrânia".

O primeiro-ministro português defendeu que a NATO, e outros parceiros da Aliança Atlântica como a Austrália, a Nova Zelândia, o Japão, a Coreia do Sul, “estão alinhados no apoio militar, no apoio financeiro, no apoio logístico” à Ucrânia.

“É necessário deixar, de uma vez por todas, muito claro que a Ucrânia não vai só ter o apoio até que seja necessário, a Ucrânia vai ter o apoio até que prevaleça sobre a Rússia”, afirmou.

Questionado se as visitas recentes a Moscovo e Pequim do primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, atualmente presidente em exercício do Conselho da União Europeia, não colocam em risco esse consenso, Montenegro preferiu desvalorizar.

“Eu acho que enfatizar uma voz ou um comportamento deslocados daquilo que é o essencial não ajuda a pôr em cima da mesa aquilo que verdadeiramente é mais importante. Eu não me lembro de haver uma aliança tão forte, tão consistente, tão disponível como aquela que têm juntado os Estados-membros da União Europeia e aqui os aliados da NATO e os seus parceiros”, disse.

Num balanço da cimeira de Washington, Montenegro destacou os 75 anos da Aliança Atlântica, de que Portugal é um dos 12 países fundadores, e que tem atualmente 32 membros.

2024-07-12
07:14

Presidente da Hungria e Trump encontram-se depois de cimeira da NATO

O primeiro-ministro nacionalista húngaro debateu "formas de fazer a paz" com o ex-Presidente dos Estados Unidos, num encontro, na Florida (sudeste).

"Discutimos formas de fazer a paz", disse Viktor Orbán numa mensagem publicada na rede social X (antigo Twitter) na quinta-feira à noite, acompanhada por uma fotografia do encontro entre os dois líderes na residência de Donald Trump em Mar-a-Lago.

"A boa notícia do dia: ele vai resolver o problema", acrescentou, sem dar mais pormenores sobre o encontro, que decorreu depois de o governante húngaro ter participado na cimeira da NATO, em Washington.

Antes, Orbán deslocou-se a Kiev, Moscovo e Pequim, onde pretendia encontrar uma solução para a guerra na Ucrânia.

Donald Trump e Viktor Orbán estão ligados por uma admiração mútua e já se encontraram em várias ocasiões. O slogan para os seis meses da Presidência húngara da UE é "Make Europe Great Again", uma inspiração direta do "Make America Great Again" de Trump.

Desde 01 de julho, a Hungria exerce a presidência rotativa do Conselho da UE, um papel que coordena o trabalho legislativo mas não lhe permite falar em nome dos europeus na cena internacional.

Na cimeira de Washington, o líder húngaro, que mal falou à imprensa, mostrou-se isolado, criticado por vários líderes europeus que condenaram a viagem a Moscovo na semana passada, onde manteve conversações com o Presidente russo, Vladimir Putin.

"É a sua escolha, fê-la de livre vontade, mas ao fazer estas visitas, não nos comprometeu de forma alguma, porque não nos informou previamente de nada e não recebeu qualquer mandato", sublinhou o chefe de Estado francês, Emmanuel Macron, à imprensa, no final da cimeira da NATO.

No dia anterior, o Presidente finlandês, Alexander Stubb, tinha dito não ver "qualquer utilidade em ir falar com regimes autoritários", e o Presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, acrescentou que "não concordava de todo com isso".

A sombra de Donald Trump pairou sobre a cimeira da NATO e a visita de Viktor Orbán surge num contexto de dúvidas sobre se o Presidente norte-americano vai manter a candidatura a um segundo mandato em novembro.

Joe Biden cometeu uma série de lapsos durante a cimeira, nomeadamente ao anunciar o "Presidente Putin" quando deu as boas-vindas ao Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, antes de se corrigir.

"Bom trabalho, Joe", disse Donald Trump na sua rede social Truth Social.

2024-07-11
23:58

Biden enganou-se onde não podia mas Zelensky respondeu com humor: "Eu sou melhor"

O presidente dos Estados Unidos voltou a enganar-se e, desta vez, chamou "presidente Putin" ao presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky. Sorte a de Joe Biden que o seu homólogo ucraniano respondeu com humor.

2024-07-11
23:58

"Ucrânia não entrou nem entrará na NATO. Há dois países que nunca permitirão", diz Agostinho Costa

Agostinho Costa lembra que quando a guerra na Ucrânia começou se falou num conflito resolvido no terreno. O major-general indica que não é bem assim, deixando críticas à reunião da NATO.

2024-07-11
23:58

Vem aí uma "nova página da guerra na Ucrânia" e Agostinho Costa quer ver "até que ponto" os F-16 vão ser eficazes

Major-general Agostinho Costa refere que a Ucrânia deverá receber entre 10 a 20 aviões F-16, apesar de ter pedido mais de 120. O comentador da CNN Portugal levanta a questão: "Onde vão ficar" estes aviões?

2024-07-11
23:58

"Desde as quedas, a sentar-se em cadeiras imaginárias, cumprimentar personalidades inexistentes: temos andado distraídos, Biden comete gafes a mais"

Para além do apoio à Ucrânia, a cimeira da NATO é também "uma preparação do pós-Biden", defende o major-general Agostinho Costa. O comentador da CNN Portugal considera que Joe Biden tem cometido gafes sucessivas e relembra algumas delas, nomeadamente "cumprimentar personalidades inexistentes". 

2024-07-11
23:52

Stoltenberg afirma que cimeira lançou bases para triunfo da Ucrânia

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, defendeu que a cimeira da Aliança Atlântica, que hoje terminou em Washington, lançou as bases para que a Ucrânia triunfe face à invasão russa.

Em conferência de imprensa, no final do encontro de alto nível na capital dos Estados Unidos, o político norueguês apontou "o compromisso financeiro, mais ajuda militar, mais acordos de segurança e melhor interoperabilidade" como "bases para a Ucrânia prevalecer" na sua luta contra a agressão russa.

Os chefes de Estado e de Governo aliados participaram hoje no Conselho NATO-Ucrânia com o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, sessão que encerrou a cimeira.

"Os aliados da NATO concordaram que, à medida que a Ucrânia prossegue as reformas necessárias, iremos apoiá-la no caminho irreversível para a adesão", sublinhou Stoltenberg, repetindo a expressão usada pelos líderes na declaração final da cimeira, aprovada na quarta-feira.

Stoltenberg sublinhou que os aliados forneceram à Ucrânia um "apoio sem precedentes" desde que a Rússia iniciou a sua invasão em grande escala em fevereiro de 2022.

O responsável da NATO reconheceu que a Ucrânia viveu "um inverno e uma primavera difíceis" devido a atrasos na prestação de ajuda, que tiveram consequências na frente de combate, e alertou: "Não podemos nem vamos permitir que isso volte a acontecer".

Na cimeira, os aliados decidiram criar um centro de comando da NATO na Alemanha para gerir o envio de doações internacionais de material para a Ucrânia, bem como a coordenação de missões de treino dos seus militares em países do leste da Aliança.

Da mesma forma, decidiram comprometer pelo menos 40 mil milhões de euros no próximo ano para financiar a ajuda militar a Kiev.

"Iremos rever este nível nas próximas cimeiras para garantir que o nosso apoio continua a responder às necessidades da Ucrânia", observou Stoltenberg.

Este compromisso, disse, garantirá que os aliados distribuam melhor os seus esforços de apoio militar à Ucrânia e dará "um apoio fiável para dissuadir e defender-se de novas agressões russas agora ou no futuro".

2024-07-11
23:46

Macron diz que é legítimo que Orbán visite a Rússia e a China, mas não como representante da UE

O presidente francês Emmanuel Macron disse que é legítimo que Viktor Orban viaje para a Rússia e China como primeiro-ministro húngaro, mas não em nome da União Europeia. Orban lidera a presidência rotativa da UE durante seis meses.

2024-07-11
23:44

Gafes de Biden "não são novas" mas a mais recente chegou na "pior altura"

Joe Biden volta a cometer gafe e chama Putin a... Zelensky. Diana Soller defende que a cimeira da NATO era a pior altura para o atual presidente dos EUA cometer gafes. A comentadora da CNN Portugal relembra que as gafes de Biden não são novas.