Em atualização

GUERRA AO MINUTO | Kiev procura "terreno comum" com Pequim em diálogo sobre fim da guerra

Todas as informações mais recentes sobre o conflito na Ucrânia, que começou a 24 de fevereiro de 2022
2024-07-21

O que está a acontecer

  • Kiev procura "terreno comum" com Pequim em diálogo sobre fim da guerra

  • Chefe do gabinete de Zelensky fala sobre a guerra na Ucrânia com o conselheiro de segurança de Kamala Harris

  • Russos levam a cabo vários bombardeamentos na região de Sumy

  • Rússia promete recorrer à justiça se lucros dos bens congelados russos forem enviados para a Ucrânia

  • Zelensky e secretário de Estado do Vaticano analisaram “difícil situação” humanitária

2024-06-14
12:01

Putin impões as condições para um cessar-fogo na Ucrânia

Putin garantiu que a Rússia está pronta para começar as negociações "amanhã" se as tropas ucranianas retirarem de Zaporizhzhia, Kherson, as regiões de Donetsk e Luhansk e se a Ucrânia desistisse dos seus planos de aderir à NATO.

Se a Ucrânia concordasse com essas condições, Putin disse que a Rússia cessaria os ataques e iniciaria negociações.

“Hoje estamos a fazer outra proposta de paz concreta e real [a Kiev]”, disse, citado pela Tass. "A essência da nossa proposta não é uma espécie de trégua temporária ou suspensão de fogo, como pretende o Ocidente, a fim de restaurar as perdas, rearmar o regime de Kiev, prepará-lo para uma nova ofensiva. Repito, não estamos a falar  de congelar o conflito, mas de seu fim definitivo”, disse Putin. "Repito, a nossa posição de princípio é a seguinte: o estatuto neutro, não alinhado e livre de armas nucleares da Ucrânia, a sua desmilitarização e desnazificação."

Siga ao minuto:

2024-07-24
23:11

Marinha ucraniana afirma que Rússia retirou todos os navios do Mar de Azov

O porta-voz da marinha ucraniana afirmou que a Rússia retirou todos os seus navios do Mar de Azov, poucos dias depois de ter feito o mesmo na península da Crimeia.

"Já não há mais navios russos no Mar de Azov", anunciou Dmytro Plentenchuk numa publicação de Facebook.

Recorde-se que, nos últimos meses, as forças ucranianas têm atingido com sucesso várias embarcações russas na região, obrigando a frota russa do Mar Negro a afastar os seus navios da região.

2024-07-24
21:57

Ucrânia repele um dos maiores ataques russos desde o início da guerra

Os militares da 79.ª Brigada de Assalto Aéreo Tavriia partilharam imagens nas redes sociais de uma das maiores ofensivas russas desde o início da guerra, na frente de Kurakhove, na região de Donetsk.

De acordo com as imagens partilhadas pelos soldados desta unidade militar, foram utilizados 11 carros de combate, 45 veículos blindados e vários motociclos, apoiados por aproximadamente 200 militares.

"As colunas inimigas avançaram para atacar ao amanhecer. O ataque começou simultaneamente em várias direções", escreveram os militares, que revelam que a ofensiva foi detetada por elementos do reconhecimento aéreo ucraniano e o ataque russo foi alvo deu um forte bombardeamento. 

2024-07-24
18:59

Trabalhava há 14 anos em Paris como chef mas acabou detido - afinal era um espião ao serviço da Rússia

Jogos Olímpicos eram o principal alvo da conspiração. Uma das chamadas intercetadas falava numa "cerimónia de abertura como nunca antes"
Leia mais aqui
2024-07-24
18:56

Autoridades turcas detêm suspeito de atentado de hoje em Moscovo

As autoridades turcas detiveram hoje na cidade de Bodrum, na costa ocidental do país, um cidadão russo suspeito de colocar esta manhã uma bomba num carro em Moscovo, causando dois feridos.

“Detido em Bodrum um terrorista que realizou um atentado à bomba na Rússia”, anunciou o ministro da Administração Interna turco, Ali Yerlikaya, nas redes sociais.

Yerlikaya especificou que às 10h30 locais (08:30 de Lisboa) a Interpol Rússia contactou as autoridades turcas para comunicar a chegada a Bodrum do cidadão russo Evgenii Serebriakov, num voo proveniente de Moscovo.

A Turquia confirmou que o suspeito entrou no país através do aeroporto de Bodrum e que não constava das listas de procurados da Interpol ou dos registos nacionais.

2024-07-24
18:32

Eslováquia admite retaliar Ucrânia caso persista bloqueio à importação de petróleo russo

O Presidente da Eslováquia, Peter Pellegrini, admitiu hoje medidas de retaliação dirigidas à Ucrânia caso não seja levantada a interrupção de fornecimento de petróleo russo da empresa Lukoil, sancionada por Kiev, através do oleoduto Druzhba.

“A decisão da Ucrânia em relação à Eslováquia é um assunto muito, muito sério”, sublinhou Pellegrini, acrescentando esperar que Kiev solucione esta questão “o mais rapidamente possível”, sem concretizar as medidas que poderão ser adotadas por Bratislava.

A Eslováquia argumenta que Kiev violou o acordo de associação com a União Europeia, e quando o país está abrangido por uma exceção para a importação de petróleo russo até ao final de 2024 e que proíbe a interrupção do trânsito de energia.

Na segunda-feira, a Hungria e a Eslováquia solicitaram à Comissão Europeia a mediação com a Ucrânia, após Kiev ter incluído a petrolífera Lukoil na sua lista de sanções, implicando a interrupção das importações de petróleo para os dois países através do oleoduto Druzhba (Amizade) “e que ameaça o fornecimento energético”.

2024-07-24
17:29

Número de mortos em Kharkiv sobe para três

O número de mortos do ataque russo à cidade de Lozova, em Kharkiv, aumentou para três, informou o Ministério Público da região.

"Infelizmente, duas pessoas que estavam a ser procuradas na fábrica de Lozova foram encontradas mortas. O número de pessoas soterradas pelo ataque com mísseis aumentou para três. Quatro pessoas ficaram feridas", pode ler-se na publicação no Telegram.

2024-07-24
17:21

Polónia condiciona entrada da Ucrânia na UE à resolução de antigo contencioso histórico

O vice-primeiro-ministro da Polónia, Wladyslaw Kosiniak-Kamysz, assegurou hoje que a Ucrânia não será admitida na UE caso Varsóvia e Kiev não resolvam o contencioso histórico em torno do massacre de Volhynia, que se prolonga há décadas.

Kosiniak-Kamysz, que também ocupa a pasta da Defesa, assinalou à cadeia televisiva PolSat que “não haverá fronteiras abertas nem trocas comerciais ao nível atual [com a Ucrânia] caso não seja resolvida a questão de Volhynia”.

O vice-primeiro-ministro assegurou pretender “que a Ucrânia se desenvolva", mas sem "deixar esquecida uma ferida que não cicatrizou”.

“Permitam que o diga claramente: a Ucrânia não se juntará à União Europeia se não for resolvida a questão de Volhynia”, insistiu, ao qualificar os acontecimentos de Volhynia de “genocídio” que deve ser “resolvido”, mas sem especificar de que forma.

O “massacre de Volhynia”, como é designado na Polónia, refere-se à execução de cerca de 120.000 civis por nacionalistas ucranianos na região histórica da Galícia (atualmente parte da Ucrânia), entre 1943 e 1945, no decurso da Segunda Guerra Mundial.

Este litígio permanece desde há décadas e ainda perturba as relações bilaterais entre os dois países vizinhos, que mantêm visões opostas sobre os acontecimentos.

2024-07-24
17:19

Com receio de que Trump abandone a Ucrânia, Reino Unido e Alemanha querem reforçar cooperação defensiva

Novo governo trabalhista está apostado em intensificar laços militares com vários aliados
Leia mais aqui
2024-07-24
16:50

Ataque russo a Kherson faz um ferido

Um ataque russo a Kherson fez um ferido esta quarta-feira, reportou a procuradoria da região. O ataque ocorreu por volta das 15:00.

"Há uma hora, o exército russo voltou a bombardear Kherson. Uma mulher de 44 anos ficou ferida no ataque e foi para o hospital sozinha. Os médicos diagnosticaram-lhe um ferimento por explosivos e uma contusão", escreveu a procuradoria no Telegram.

2024-07-24
14:56

Rússia avisa que irá fortalecer Marinha de guerra perante ameaças dos EUA e NATO

A Rússia deve fortalecer a sua Marinha de guerra em resposta às crescentes ameaças dos Estados Unidos da América (EUA) e da NATO, afirmou hoje Nikolai Patrushev, assessor da presidência russa para o desenvolvimento da indústria naval do país.

2024-07-24
14:24

Ataque em Kharkiv deixa seis pessoas feridas

Seis pessoas ficaram feridas num ataque russo em Kharkiv, avançou o autarca da cidade, Ihor Terekhov, através do Telegram, escreve a agência de notícias ucraniana, Ukrinform.

"Como resultado do último ataque com mísseis em Kharkiv, seis cidadãos ficaram feridos. E estão recebendo cuidados médicos", afirmou.

Este é o terceiro ataque a Kharkiv desde o início desta quarta-feira. A cidade já tinha sido atingida por mísseis às 05h15 e 12h12.

2024-07-24
14:20

Rússia atacou região de Zaporizhzhia mais de 400 vezes num dia

A região de Zaporizhzhia foi atacada mais de 400 vezes na terça-feira. Os alvos foram oito localidades

De acordo com a Ukrinform, a agência de notícias ucraniana, o chefe da Administração Militar Regional de Zaporizhzhia, Ivan Fedorov, avançou a informação através da rede de mensagens Telegram.

2024-07-24
12:18

Navios russos acompanhados pela Marinha portuguesa

Operação terminou na terça-feira e foi divulgada agora pela Marinha. Foram três navios ao todo
Leia mais aqui
2024-07-24
12:13

Roménia emite alerta à população durante ataque com drones russos em portos ucranianos

A Roménio emitiu um alerta à população, junto ao lado romeno do Danúbio, às primeiras horas da manhã, durante um ataque com drones russos a portos ucranianos.

A informação é avançada pela agência ucraniana Ukrinform que cita o jornal Romania.

Além disso, foi ainda noticiado que dois caças F-16 romenos tinham descolado para monitorizarem o espaço aéreo.

2024-07-24
11:45

Sinal da Ucrânia sobre negociações parece estar em uníssono com a posição da Rússia 

O Kremlin afirmou esta quarta-feira que o sinal da Ucrânia sobre negociações com Moscovo parecia estar em uníssono com a própria posição da Rússia, mas que mais detalhes eram necessários, escreve a Reuters.
 
O ministro dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia, Dmytro Kuleba, disse que Kiev estava pronta para conversações com a Rússia se Moscovo estivesse preparado para negociar de boa fé, embora tenha acrescentado que a Ucrânia não tinha visto nenhum sinal disso.

2024-07-24
10:48

Bombas russas atingem ecoparque perto de Kharkiv

Bombardeamento russo perto de Kharkiv atingiu o ecoparque Feldman que também tem animais. Como consequência eclodiu um incêndio e alguns funcionários ficaram feridos ao tentar salvar os animais, avança a agência de notícias Ukrinform. O incidente foi divulgado na página de Facebook do Feldman Ecopark, com vídeos e fotos do local.

“Ontem à noite, um incêndio atingiu o Feldman Ecopark. Não se registou nenhuma explosão, mas provavelmente devido à queda dos destroços dos drones russos, os estábulos e algumas casas de hóspedes arderam". Dois funcionários ficaram feridos enquanto salvavam os animais e um deles precisou de ser hospitalizado.

2024-07-24
10:13

Rússia está a gastar seis vezes mais em cemitérios do que há quatro anos

Quantos soldados russos já morreram na Ucrânia? O número ninguém sabe, talvez só Vladimir Putin, mas os dados indicam que o investimento para enterrar corpos nem na pandemia de covid-19 foi tão alto
Leia mais aqui
2024-07-24
09:20

Kiev procura "terreno comum" com Pequim em diálogo sobre fim da guerra

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia disse hoje que está a procurar um "terreno comum" nas conversações com o seu homólogo chinês sobre uma solução para a guerra do seu país com a Rússia.

A invasão russa da Ucrânia, que já vai no terceiro ano, afetou as relações entre os dois países.

Num vídeo divulgado pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia, Dmytro Kuleba aparece na chegada ao local da reunião, na cidade de Cantão, sul da China, e a trocar impressões com o homólogo chinês, Wang Yi.

Trata-se da primeira visita de um ministro dos Negócios Estrangeiros ucraniano desde o início da guerra em 2022.

Surge também após as fortes críticas da NATO à ajuda económica de Pequim a Moscovo. Mas, acima de tudo, ocorre uma semana depois de o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, ter aberto pela primeira vez a porta a conversações com a Rússia, ao afirmar ser favorável à participação de Moscovo numa futura cimeira de paz.

No mês passado, a China recusou participar na conferência de paz na Suíça por não incluir a Rússia.

Wang Yi afirmou que a China atribui grande importância às relações com a Ucrânia. Salientou o crescimento do comércio entre os dois países e afirmou que as relações bilaterais continuaram a desenvolver-se normalmente, "apesar das situações internacionais e regionais complexas e em constante mudança".

Pequim, que considera a parceria com a Rússia fundamental para contrapor a ordem democrática liberal, liderada pelos Estados Unidos, nunca condenou a invasão russa e acusa a NATO de negligenciar as preocupações de segurança de Moscovo.

Mas o país asiático também apelou, no ano passado, numa proposta de paz, ao respeito pela integridade territorial de todos os Estados - incluindo a Ucrânia.

A posição de Pequim colocou, no entanto, o país em desacordo não só com a Ucrânia, mas também com os países europeus e os Estados Unidos, que exigem a retirada da Rússia como base para qualquer acordo.

Num vídeo publicado nas redes sociais, Kuleba disse que vai realizar negociações extensas e pormenorizadas para procurar um terreno comum na busca da paz na Ucrânia.

"Precisamos de avançar para uma paz justa e estável", afirmou. "A China pode desempenhar um papel importante neste domínio", vincou.

Citado pelo jornal de Hong Kong South China Morning Post, o ministro ucraniano disse esperar que a “República Popular da China desempenhe um papel construtivo na superação dos desafios à segurança regional e global”, apontando para os riscos para o leste da Ásia suscitados pela parceria militar recentemente estabelecida entre Rússia e Coreia do Norte.

Kuleba chegou à China na terça-feira e a sua partida está prevista para sexta-feira.

A porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, Mao Ning, disse na terça-feira que a China vai "apoiar a comunidade internacional na obtenção de um maior consenso e na procura conjunta de formas práticas de resolver politicamente a crise".

Lusa

2024-07-24
09:19

Russos levam a cabo vários bombardeamentos na região de Sumy

A região de Sumy foi bombardeada diversas vezes, durante a noite e já esta quarta-feira de manhã, avança a Ukrinform, a agência de notícias ucraniana.

Foram feitos, pelo menos, nove bombardeamentos e registadas 78 explosões.

Tudo terá sido relatado através da rede de mensagens Telegram pela Administração Militar Regional de Sumy.