Em atualização

GUERRA AO MINUTO | Rússia diz ter abatido 29 drones ucranianos que sobrevoavam a região de Belgorod

Todas as informações mais recentes sobre o conflito na Ucrânia, que começou a 24 de fevereiro de 2022
2024-06-25

O que está a acontecer

  • Negociações para a adesão da Ucrânia e da Moldova à União Europeia começam hoje. Zelensky vai discursar

  • Putin enviou soldados para a Ucrânia mas esqueceu-se de uma maldição que existe em plena Rússia: o islamismo extremista

  • Stoltenberg espera que cimeira obtenha acordo de longo prazo para a Ucrânia

  • Entrega de 1.400 milhões de euros de lucros de bens russos congelados aceite por ministros da UE

  • Zelensky ordena a purga da Guarda do Estado devido a alegações de planos de assassinato

  • Ucrânia ataca Crimeia com mísseis americanos - banhistas russos atingidos por fragmentos de ATACMS. Pelo menos cinco pessoas morreram e mais de 100 ficaram feridas

  • A União Europeia aprovou o 14º pacote de sanções contra a Rússia e, mesmo sem a Hungria, deu luz verde ao uso de 1,4 mil milhões de euros de lucros provenientes de ativos russos congelados

  • Coreia do Sul, Japão e EUA condenam pacto entre Pyongyang e Moscovo. Imprensa chinesa diz que preocupação - sobretudo europeia - é infundada

  • Mais de 200 comunidades de minorias étnicas vivem na Rússia, que se estende por onze fusos horários e alberga cerca de 144 milhões de pessoas. Algumas destas comunidades foram especialmente atingidas pela guerra de Putin na Ucrânia, tendo as minorias étnicas sido desproporcionadamente mobilizadas para enfrentar o horror das táticas de Moscovo na frente de batalha

  • O Comité Antiterrorista da Rússia (NAK, na sigla em russo) disse ter terminado a operação para pôr fim aos ataques armados que causaram 20 mortos na região do Daguestão

  • Ataque de mísseis russos na região de Kiev faz dois feridos e danifica casas

  • Zelensky diz que a Rússia já usou 2.400 bombas guiadas contra a Ucrânia só este mês

2024-05-20
10:33

Rússia diz que Irão não pediu ajuda para investigar morte do presidente Ebrahim Raisi

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, adiantou que as autoridades do Irão não pediram ajuda da Rússia para investigar a morte do presidente iraniano, Ebrahim Raisi,

"Não houve nenhum sinal a esse respeito por parte dos nossos amigos iranianos”, frisou Peskov, quando questionado sobre isso em conferência de imprensa.

De acordo com Dmitry Peskov, a Rússia estava pronta para enviar dois helicópteros para o Irão para procurar o helicóptero que se despenhou com o presidente iraniano a bordo. "Houve uma interação muito próxima entre o Ministério de Situações de Emergência e o Ministério da Defesa, (...) dois helicópteros também estavam a postos para serem enviados para a Arménia assim que as condições climatéricas normalizassem", esclareceu.

Siga ao minuto:

2024-06-25
09:09

Von der Leyen parabeniza Moldova e à Ucrânia pela abertura das negociações de adesão

A presidente da Comissão Europeia deu esta terça-feira os “parabéns à Moldova e à Ucrânia pela abertura das negociações de adesão”. Numa publicação feita na rede social X, antigo Twitter, Ursula von der Leyen diz que se trata de “uma ótima notícia para os cidadãos da Ucrânia, da Moldávia e de toda a União Europeia”, embora reconheça que “o caminho a percorrer será difícil, mas cheio de oportunidades”.

2024-06-25
08:41

China insta UE a revogar sanções contra empresas chinesas por ligações à Rússia

A China instou a União Europeia a revogar as sanções impostas às empresas chinesas por aquilo que considera ser o apoio à guerra da Rússia na Ucrânia, disse o porta-voz Mao Ning numa conferência de imprensa.

2024-06-25
08:23

Kremlin diz que qualquer plano de paz de Trump terá de refletir a realidade no terreno

Embora Vladimir Putin mantenha abertura para conversações, uma fonte do Kremlin diz que a Rússia teria de analisar os detalhes de qualquer plano de paz proposto por Donald Trump, caso vença a corrida à Casa Branca. Em causa, explica a Reuters, está a exigência de Moscovo em que o plano reflita a realidade no terreno. Para já, o que se sabe do possível plano de paz de Trump é que a Ucrânia só receberá mais armas dos EUA se entrar em negociações de paz. 

2024-06-25
08:20

Narendra Modi poderá visitar a Rússia em julho

A Rússia e a Índia estão a preparar uma visita do primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, à Rússia, segundo a agência noticiosa estatal russa RIA, que cita um assessor do Kremlin. A visita poderá acontecer já no próximo mês.

2024-06-25
08:13

Investimentos robustos em Defesa e apoio à Ucrânia dominarão Cimeira da NATO

A importância de “investir robustamente” nas indústrias de Defesa e a continuidade do apoio à Ucrânia serão temas dominantes da próxima Cimeira da NATO, em julho em Washington, segundo a diplomacia norte-americana.

Num 'briefing' de antecipação da Cimeira, que decorrerá de 09 a 11 de julho na capital norte-americana e em que se assinalarão os 75 anos da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), o embaixador John Bass, secretário-adjunto interino para Assuntos Políticos dos Estados Unidos, indicou que serão debatidas formas de melhorar e reforçar a defesa coletiva dos aliados, "numa época em que há um conjunto de ameaças em evolução que transcendem aquelas que os membros originais da aliança enfrentaram" inicialmente.

Isso inclui garantir a continuação de “investimentos robustos nas respetivas indústrias de Defesa", bem como garantir que a Ucrânia saia vencedora da “guerra de agressão russa em curso”, disse Bass na conferência de imprensa na noite de segunda-feira, acompanhada pela Lusa.

Também a questão da possível adesão da Ucrânia à NATO pairará sobre a Cimeira, com o secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, a dizer no mês passado que, durante o evento do próximo mês, serão tomadas "medidas concretas" para aproximar a Kiev da Aliança Atlântica e "garantir que haja uma ponte para a adesão, uma ponte que seja forte e bem iluminada”.

Questionado sobre as palavras de Blinken, Bass salientou que a Ucrânia, como aspirante a membro da Aliança, "está numa posição qualitativamente diferente" da de outros países que pretendem aderir, ou aderiram, à NATO.

Kiev "está nesta posição, em parte devido aos mais de dois anos de conflito ativo em que defende a sua liberdade, a sua soberania e integridade territorial, com enorme apoio dos atuais membros da Aliança e com uma evolução constante na táticas e equipamentos e nas capacidades que os aliados e parceiros forneceram aos militares ucranianos", argumentou.

O diplomata sustentou que, neste momento, a Ucrânia está ativamente empenhada na sua defesa "e, mais importante ainda, na defesa dos princípios que sustentam o Tratado de Washington e a aliança desde a sua criação", advogando que essa posição diferenciadora será enaltecida pelos vários líderes que participarão na Cimeira.

"Isso é bastante diferente das circunstâncias sob as quais outros aliados geralmente aderiram no passado. E por isso penso que, sem prefigurar linguagens específicas na cimeira, veremos - estou confiante - líderes a refletirem esta diferença qualitativa única que temos visto na Ucrânia ao longo dos últimos dois anos", reforçou.

2024-06-25
08:12

EUA lamentam falta de progresso da Geórgia para cumprir critérios de adesão à NATO

O secretário-adjunto interino norte-americano para Assuntos Políticos, John Bass, lamentou a falta de "progressos" da Geórgia no cumprimento das obrigações de adesão à NATO, considerando "muito perturbadores" os últimos meses do Governo.

De acordo com Bass, a Geórgia irá tornar-se membro da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO) quando "os aliados avaliarem que o país está preparado para cumprir as obrigações decorrentes da adesão, incluindo a defesa dos princípios fundamentais da governação democrática, incluindo o princípio fundamental de que as pessoas são livres para escolher seus próprios líderes".

Num 'briefing' de antecipação da próxima Cimeira da NATO, que decorrerá de 09 a 11 de julho em Washington e na qual se assinalarão os 75 anos da Aliança, John Bass afirmou que, desde que foi embaixador na Geórgia (2009-2012), "não foram observados progressos no país em relação ao cumprimento dos objetivos" de adesão à organização.

Bass considerou ainda "profundamente perturbador" ver o partido no poder, Sonho Georgiano, "a desgastar agora os alicerces da governação democrática na sociedade".

"É profundamente perturbador e triste ver as aspirações e sonhos de uma sociedade inteira tornarem-se reféns das queixas de um indivíduo: Bidzina Ivanishvili", acrescentou na conferência de imprensa acompanhada pela Lusa na noite de segunda-feira, referindo-se ao milionário considerado o líder paralelo da Geórgia.

2024-06-25
07:58

“Quaisquer ações retaliatórias são absolutamente corretas do ponto de vista militar e absolutamente legais do ponto de vista jurídico”

Mykhailo Podolyak recorreu à rede social X, antigo Twitter, para criticar todos os que condenam a ação da Ucrânia em território russo.

Para o conselheiro do presidente ucraniano, “quaisquer ações retaliatórias de um país (Ucrânia), que trava uma guerra de defesa, são absolutamente corretas do ponto de vista militar e absolutamente legais do ponto de vista jurídico”, defendendo, por isso, que “não há ‘ataques terroristas’ em território russo pelos quais a Ucrânia seja culpada”. 

“A Rússia atacou deliberadamente a Ucrânia e está hoje a travar uma guerra contra um país soberano, usando práticas terroristas e genocidas, incluindo ataques em grande escala com mísseis/bombas/munições em todo o território da Ucrânia, incluindo civis. Portanto, NÃO transmita declarações de funcionários da Federação Russa nas quais mencionem a palavra “ataque terrorista” [por parte da Ucrânia]. Não tem sentido nenhum…”, vinca.

2024-06-25
07:50

Rejeitado recurso de banqueiros que ajudaram amigo Putin a abrir conta na Suíça

O Tribunal Superior de Zurique rejeitou o recurso dos banqueiros que ajudaram um amigo de Vladimir Putin a abrir uma conta bancária na Suíça, noticia a Reuters.

2024-06-25
07:34

Propostas de paz de Putin podem ditar fim imediato à guerra, garante o Kremlin

Um assessor do Kremlin diz que as propostas de paz de Vladimir Putin podem pôr fim ao conflito na Ucrânia no imediato, avança a Reuters, citando a agência russa de notícias TASS.

2024-06-25
06:57

União Europeia condena ataques contra locais religiosos no Daguestão

O chefe da diplomacia da União Europeia (EU), Josep Borrell, condenou os ataques terroristas de domingo contra locais religiosos e membros das forças de segurança no Daguestão, no Cáucaso russo, que fizeram 20 mortos.

"Condeno veementemente os ataques terroristas perpetrados no domingo contra locais religiosos judaicos e cristãos e contra as forças de segurança na república do Daguestão”, disse Borrell, na rede social X (antigo Twitter).

“As minhas mais profundas condolências às famílias das vítimas. Desejo sinceramente uma rápida recuperação aos feridos”, acrescentou na segunda–feira à noite o alto-representante da UE para os Negócios Estrangeiros e Política de Segurança.

Os atentados armados de domingo contra igrejas ortodoxas e pelo menos uma sinagoga no Daguestão, no Cáucaso russo, fizeram 20 mortos e 46 feridos, de acordo com o último balanço das autoridades locais.

O Comité Antiterrorista da Rússia (NAK, na sigla em russo) disse na segunda-feira ter terminado a operação para pôr fim aos ataques armados.

“Devido à neutralização das ameaças à vida e à saúde dos cidadãos, foi decidido pôr fim à operação antiterrorista” no Daguestão, disse o NAK, citado por agências de notícias russas.

Também na segunda-feira, depois dos atentados, a Presidência russa descartou o regresso de uma "insurreição islamita" à República do Daguestão, afirmando que a população está "consolidada face ao terrorismo".

"A Rússia mudou, a sociedade consolidou-se e essas manifestações terroristas não são apoiadas pela sociedade, nem na Rússia nem no Daguestão", afirmou Dmitri Peskov, porta-voz do Presidente russo, Vladimir Putin, quando questionado pelos jornalistas sobre se o Kremlin (presidência) temia o regresso de uma "insurreição islamita" no país.

A questão, colocada durante a habitual conferência de imprensa do porta-voz presidencial, referia-se aos acontecimentos ocorridos na década de 2000, na sequência da segunda guerra da Chechénia.

Apesar das declarações do porta-voz do Kremlin, Putin ainda não se pronunciou diretamente sobre aos ataques atribuídos a terroristas no Daguestão.

No novo balanço, o governador da república russa de maioria muçulmana do Cáucaso, Sergei Melikov, destacou que entre as vítimas mortais estão agentes das forças de segurança e vários civis, entre os quais um padre ortodoxo.

Melikov disse que homens armados abriram fogo no domingo contra duas igrejas ortodoxas, uma sinagoga e uma esquadra da polícia em duas cidades da região do sul da Rússia, tendo decretado três dias de luto.

Também informou que seis militantes armados foram mortos.

2024-06-25
06:55

Rússia diz ter abatido 29 drones ucranianos que sobrevoavam a região de Belgorod

Os sistemas de defesa aérea da Rússia destruíram 29 drones lançados pela Ucrânia sobre a região de Belgorod, no sul da Rússia, informaram as agências noticiosas russas, citando o Ministério da Defesa.

2024-06-24
20:33

EUA negam envolvimento nos ataques à Crimeia e consideram as alegações russas "ridículas"

O Departamento de Estado norte-americano negou as alegações russas de que os EUA estariam por detrás dos recentes ataques com mísseis na Crimeia, classificando as acusações de "ridículas" e "hiperbólicas".

De acordo com as autoridades russas, quatro pessoas morreram e cerca de 150 ficaram feridas no ataque, tendo os destroços dos mísseis caído numa praia em Sevastopol. O Ministério da Defesa russo afirmou que os mísseis utilizados pela Ucrânia eram ATACMS fornecidos pelos EUA e alegou que especialistas norte-americanos os tinham programado.

O porta-voz do Departamento de Estado, Matthew Miller, respondeu durante um briefing, afirmando: "Não tenho qualquer avaliação do ataque subjacente, incluindo quem foi responsável por ele. Mas já viram a Rússia fazer afirmações ridículas sobre a responsabilidade no passado". Citou casos anteriores em que Moscovo atribuiu falsamente ataques aos EUA, sublinhando que tais afirmações "não são apoiadas por factos".

Miller reiterou a posição dos EUA sobre o fornecimento de armas à Ucrânia, afirmando que estas se destinam a defender o território soberano da Ucrânia, incluindo a Crimeia. E acrescentou: "A Rússia poderia parar esta guerra hoje e acabar com o sofrimento causado pela guerra que lançou se terminasse a sua ocupação do território soberano da Ucrânia e parasse de lançar ataques contra civis".

2024-06-24
19:55

Stoltenberg espera que cimeira obtenha acordo de longo prazo para a Ucrânia

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, expressou esta segunda-feira confiança de que a próxima cimeira da Aliança Atlântica em Washington chegue a acordo sobre um compromisso de ajuda financeira de longo prazo para a Ucrânia.

"Na cimeira em Washington, a nossa tarefa mais urgente será aumentar o apoio à Ucrânia", disse Stoltenberg à imprensa depois de se reunir com o Presidente francês, Emmanuel Macron, para preparar o encontro de alto nível, que terá lugar de 09 a 11 de julho.

O líder da Aliança Atlântica lembrou que algumas "lacunas recentes" na ajuda "tiveram consequências no campo de batalha", defendendo que é preciso "dar previsibilidade e responsabilidade à Ucrânia".

"Espero que os aliados cheguem a acordo sobre a coordenação no treino das tropas ucranianas", acrescentou Stoltenberg, referindo-se também a "um compromisso financeiro a longo prazo".

O aumento deste apoio "não significa tornar a NATO parte do conflito, mas antes dar à Ucrânia o seu direito à autodefesa", sublinhou.

Macron, por seu lado, reiterou que o apoio francês à Ucrânia "permanecerá constante" para "responder às necessidades imediatas" daquele país.

Stoltenberg, que termina o seu mandato este ano, também frisou que até à cimeira de Washington um número recorde de 23 membros da NATO terão cumprido o compromisso de que as suas despesas com defesa atinjam 2% do produto interno bruto.

2024-06-24
19:07

Zelensky nomeia novo comandante das Forças Conjuntas

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, anunciou esta segunda-feira a nomeação do Major-General Andriy Hnatov como novo comandante das Forças Conjuntas da Ucrânia, em substituição do Tenente-General Yuri Sodol.

A decisão foi revelada durante o discurso noturno de Zelensky, seguiu-se a uma série de notícias de que a Sodol tinha na guerra de mais de dois anos da Ucrânia contra a Rússia.

2024-06-24
18:18

Entrega de 1.400 milhões de euros de lucros de bens russos congelados aceite por ministros da UE

Os países da União Europeia (UE) chegaram, esta segunda-feira, a acordo sobre a disponibilização à Ucrânia de 1.400 milhões de euros, no próximo mês, provenientes dos rendimentos de ativos financeiros russos congelados, anunciou o chefe da diplomacia europeia.

"Os ministros [dos Negócios Estrangeiros] chegaram a um acordo sobre um quadro para a utilização dos lucros inesperados de bens russos imobilizados [em território europeu] e a sua alocação ao Mecanismo Europeu de Apoio à Paz [MEAP]", disse Josep Borrell, em conferência de imprensa no final de uma reunião no Luxemburgo.

Os primeiros 1.400 milhões de euros vão estar disponíveis já em julho e estão previstos "mais mil milhões de euros até ao final do ano", acrescentou.

Este dinheiro vai ser utilizado para o fornecimento de munições e armamento para ajudar a Ucrânia a debelar a invasão russa, que dura há quase dois anos e meio.

O alto-representante da UE para os Negócios Estrangeiros e Política de Segurança revelou que estes lucros inesperados são para utilização "o mais rápido possível" e "para benefício da Ucrânia".

Mas "ainda há um país que está a bloquear a utilização de 6.000 milhões de euros", referiu, aludindo à oposição da Hungria: "Como não quis participar […], também não participa na decisão de como utilizar o dinheiro".

2024-06-24
18:00

Polónia espera que a China possa ajudar a encontrar uma solução para a paz na Ucrânia

O presidente da Polónia diz que esperaa que a China possa ajudar a encontrar uma solução de paz na Ucrânia que respeite o direito internacional, avança a SkyNews.

Andrzej Duda está a realizar uma visita de Estado à China e, esta segunda, em Pequim, conversou com o líder chinês Xi Jinping, em que a guerra na Ucrânia esteve na ordem do dia.

"Estou muito satisfeito pelo facto de o presidente Xi Jinping chamar-me de amigo, é uma grande honra para mim poder contribuir para a construção das relações [polaco-chinesas] em conjunto com o Presidente", afirmou Duda posteriormente.

2024-06-24
16:27

Cinco mortos e mais de 40 feridos em Pokrovsk

Subiu para cinco o número de mortos na cidade ucraniana de Pokrovsk, atingida esta manhã por um ataque russo.

De acordo com o governador regional existem ainda 41 pessoas feridas, entre as quais estão quatro crianças.

2024-06-24
14:30

Zelensky ordena a purga da Guarda do Estado devido a alegações de planos de assassinato

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, ordenou uma purga abrangente do Serviço de Guarda do Estado, na sequência da detenção de dois dos seus coronéis acusados de conspirar para assassinar altos funcionários, incluindo o próprio Zelensky. O Serviço de Segurança ucraniano (SBU) revelou no mês passado que os oficiais colaboraram com agentes russos no planeamento dos assassinatos, que se destinavam a ser uma "prenda" para o Presidente russo Vladimir Putin.

Ao apresentar o Coronel Oleksiy Morozov como novo chefe do Serviço de Guarda do Estado, Zelenskiy sublinhou a necessidade de lealdade no seio da agência. Deu instruções a Morozov para garantir que apenas aqueles que estão totalmente empenhados no futuro da Ucrânia permaneçam no serviço, sublinhando a importância de afastar quaisquer indivíduos que desacreditem a agência ou mostrem fidelidade a potências estrangeiras.

Esta mudança de direção segue-se ao recente despedimento de Serhiy Rud, depois de o SBU ter descoberto ligações entre funcionários da agência e o Serviço Federal de Segurança da Rússia.

2024-06-24
13:57

Sobe para 20 o número de mortos no Daguestão

Um novo balanço dá conta de que o ataque a duas sinagogas - uma na cidade de Derbent e outra na cidade de Makhachkala - causou a morte a 20 pessoas, tendo deixado ainda 46 pessoas feridas, avança a TASS. Entre os feridos e mortos estão policiais e civis, disse Tatyana Belyaeva, Ministra da Saúde do Daguestão.