Em atualização

GUERRA AO MINUTO | Marcelo sobre a cimeira da Suiça: "É muito difícil tratar de forma pacífica e duradoura sem estarem todos os envolvidos"

Todas as informações mais recentes sobre o conflito na Ucrânia, que começou a 24 de fevereiro de 2022
2024-06-16

O que está a acontecer

2024-05-13
10:26

Zelensky visita Portugal nos próximos dias

Presidente ucraniano visita Portugal nos próximos dias, apurou a CNN Portugal. Fonte do governo revelou que a deslocação do presidente ucraniano está prevista, ainda assim não está totalmente confirmada.

Não foi também revelada a data da visita, por questões de segurança.

A confirmar-se, a deslocação vai ocorrer 9 meses depois de o presidente Marcelo Rebelo de Sousa ter visitado Kiev. 
 

Siga ao minuto:

2024-06-16
12:50

Áustria duvida que declaração da cimeira seja assinada por todos os participantes

O chanceler austríaco, o conservador Karl Nehammer, indicou que não haverá unanimidade na declaração final da Cimeira da Paz para a Ucrânia, que termina hoje na Suíça, e que provavelmente não será assinada por todos os participantes.

Nehammer, que participa no encontro em Bürgenstock (Suíça) juntamente com representantes de quase uma centena da Estados e organizações, sustentou a sua posição com o facto de alguns países, por exemplo, se mostrarem relutantes em qualificar a Rússia como agressor.

Porém, o chanceler austríaco minimizou a importância desta falta de consenso, afirmando que existe uma posição básica comum e que as conversações na cimeira o "motivaram positivamente", de acordo com a agência noticiosa austríaca APA.

Segundo a informação que está a ser disponibilizada no local, cerca de 80 países apoiam o comunicado conjunto final que sairá da cimeira, bem como instituições da União Europeia e o Conselho da Europa.

O chefe do Governo austríaco referiu que a segurança da central nuclear de Zaporijia, ocupada pela Rússia, a renúncia ao uso de armas atómicas, a exportação de cereais e a troca de prisioneiros estão entre os temas discutidos na cimeira.

Sem avançar pormenores, o chanceler referiu que a intenção é realizar uma nova cimeira na qual serão negociados pontos concretos.

A declaração final será o corolário de dois dias de contactos entre cerca de 100 delegações das quais mais de 60 são pessoalmente chefiadas por presidentes e chefes de Estado e as restantes por ministros ou embaixadores.

2024-06-16
12:50

Primeira marcha do orgulho LGBT em Kiev desde início da guerra

Cerca de 500 pessoas marcharam hoje no centro de Kiev naquela que foi a primeira marcha do orgulho LGBT na capital ucraniana desde o início da guerra com a Rússia, em 2022. Na manifestação, que foi autorizada não obstante a lei marcial em vigor, os participantes pediram a legalização das uniões civis entre pessoas do mesmo sexo e a imposição de sanções duras por discriminação com base na orientação sexual ou identidade de género. Presentes na manifestação estiveram um elevado número de militares ucranianos LGBT, que sublinhavam o seu contributo na guerra com a Rússia.
2024-06-16
12:29

Marcelo sobre a cimeira da Suiça: "É muito difícil tratar de forma pacífica e duradoura sem estarem todos os envolvidos"

Ainda assim, presidente da República português considera que se lançou uma “via imparável” para o fim do conflito
Leia mais aqui
2024-06-16
12:28

"As intervenções que Zelensky quereria ouvir foram quase todas contra as suas intenções"

Tiago André Lopes considera que o presidente ucraniano queria ouvir as intervenções de países como a Arábia Saudita e o Quénia, mas que estas foram foram "as declarações que quereria ouvir". O comentador diz ainda que o texto final conjunto é "inócuo".

2024-06-16
12:28

"Temos de dar passos concretos e trazer novos parceiros que deviam ter vindo": o discurso de Marcelo na Suíça

No discurso na Cimeira da Paz para a Ucrânia, Marcelo Rebelo de Sousa disse que o encontro marcou o início do caminho para uma paz justa e duradoura no país. Sem citar nomes, o Presidente da República defendeu que é necessária a participação de quem esteve ausente da reunião.

2024-06-16
12:28

Cimeira na Suíça foi "muito muito relevante" mas "é preciso envolver todas as partes na solução para a paz", avisa Rangel

Paulo Rangel faz o balanço da Cimeira da Paz na Ucrânia, garantindo que "o diálogo muito importante". O ministro dos Negócios Estrangeiros sublinha, no entanto, a necessidade de "todas as partes" serem "chamadas" para a solução.

2024-06-16
12:28

Marcelo diz que é "impossível tratar do conflito" na Ucrânia "de forma pacífica e duradoura sem estarem todos envolvidos"

O Presidente da República diz que pode ser "bom" alagar próximas cimeiras a "todas as partes envolvidas" no conflito na Ucrânia. Ainda assim, Marcelo Rebelo de Sousa garante que a reunião na Suíça foi "um sucesso".

2024-06-16
12:19

Kremlin diz que Zelensky deve refletir sobre proposta de paz de Putin

O Kremlin considerou hoje que a Ucrânia devia refletir sobre a recente proposta de paz do Presidente Vladimir Putin, uma vez que a situação na frente de batalha está a piorar para as forças ucranianas.

"A dinâmica atual da situação na frente [de batalha] mostra-nos claramente que vai continuar a piorar para os ucranianos. É provável que um homem que coloca os interesses do seu país acima dos seus próprios interesses e dos interesses dos seus 'patrões', considere tal proposta", disse o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, referindo-se ao Presidente ucraniano Volodymyr Zelensky.

Na sexta-feira, o Presidente russo, Vladimir Putin, prometeu ordenar imediatamente um cessar-fogo na Ucrânia e iniciar negociações se Kiev começasse a retirar as tropas das quatro regiões anexadas por Moscovo em 2022 e renunciasse aos planos de adesão à NATO.

Estas reivindicações constituem uma exigência de facto para a rendição da Ucrânia, cujo objetivo é manter a sua integridade territorial e soberania, mediante a saída de todas as tropas russas do seu território, além de Kiev pretender aderir à aliança militar.

As condições colocadas por Moscovo foram rejeitadas de imediato pela Ucrânia, Estados Unidos e NATO.

Peskov afirmou ainda que não se trata de um ultimato, mas de "uma iniciativa de paz que tem em conta as realidades no terreno".

2024-06-16
12:19

Centenas participam na primeira marcha do orgulho LGBT em Kiev desde início da guerra

Primeira marcha do orgulho LGBT em Kiev desde início da guerra

 Cerca de 500 pessoas marcharam hoje no centro de Kiev naquela que foi a primeira marcha do orgulho LGBT na capital ucraniana desde o início da guerra com a Rússia, em 2022.

Na manifestação, que foi autorizada não obstante a lei marcial em vigor, os participantes pediram a legalização das uniões civis entre pessoas do mesmo sexo e a imposição de sanções duras por discriminação com base na orientação sexual ou identidade de género.

Presentes na manifestação estiveram um elevado número de militares ucranianos LGBT, que sublinhavam o seu contributo na guerra com a Rússia.

“Somos pessoas comuns que estão a lutar em pé de igualdade com todos os outros, mas privados dos direitos que as outras pessoas têm”, afirmou o soldado Dmitriy Pavlov à Associated Press (AP).

Os ativistas pretendem reformas legais que permitam que cidadãos em união de facto com pessoas do mesmo sexo possam tomar decisões médicas, por exemplo, no caso de soldados feridos.

O papel de membros LGBT nas forças armadas tem sido considerado um fator de mudança da perceção pública quanto a relações e uniões entre pessoas do mesmo sexo num país mais conservador nos costumes.

2024-06-16
11:04

Reféns de seis reclusos em prisão na Rússia já foram libertados

As forças de segurança conseguiram libertar dois guardas que tinham sido hoje sequestrados por seis presos durante um motim numa prisão na cidade de Rostov, informou o Serviço Penitenciário Federal da Rússia.

"Os criminosos foram mortos. Os guardas que tinham sido feitos reféns foram libertados e estão bem", disse, em comunicado, o Serviço Penitenciário Federal da Rússia (FSIN, na sigla em russo).

Fontes dos serviços de emergência citadas pela agência noticiosa Interfax adiantaram que os sequestradores tinham exigido uma carro e autorização para sair da prisão como condição para libertar os reféns.

Em causa estão, segundo a agência noticiosa oficial TASS, seis reclusos com ligações à organização jihadista Estado Islâmico (EI) que tinham sido condenados a 18 anos de prisão em dezembro de 2023 por vários crimes de terrorismo, nomeadamente por estarem a preparar um ataque com um carro armadilhado contra o Supremo Tribunal de Justiça da República Russa de Karachaevo-Circasia.

O incidente que levou à tomada de reféns ocorreu no Centro de Detenção n.º 1, na cidade de Rostov do Don, a capital regional.

A Rússia tem sido alvo de vários ataques reivindicados pela organização jihadista.

Em 22 de março, homens armados abriram fogo numa sala de concertos perto de Moscovo, matando pelo menos 144 pessoas e ferindo centenas. Foi o ataque mais mortífero em solo russo desde 2004.

2024-06-16
09:41

Três mortos e cinco feridos em ataque em Donetsk

Três pessoas morreram e outras cinco ficaram feridas no sábado na região de Donetsk, segundo informou o chefe ucraniano da administração militar daquela região, Vadim Filashkin, através do canal Telegram.

As três mortes ocorreram na cidade de Ulakly, a cerca de 60 quilómetros a oeste de Donetsk, de acordo com Filashkin, que não adiantou mais detalhes sobre as vítimas, que as autoridades de Kiev atribuíram à Rússia.

"Desde o início da invasão da Ucrânia pelo exército russo, a 24 de fevereiro de 2022, foram mortas 1.999 pessoas e 5.029 ficaram feridas na região de Donetsk", segundo indicou 'Ukrinform', a agência noticiosa local, num dia em que se registaram 74 ataques russos em diferentes pontos da linha da frente, de acordo com os oficiais militares ucranianos.

Estes ataques, diz ainda a Ukrinform, concentraram-se em diferentes zonas das regiões de Jarkov e Donetsk.

2024-06-16
09:41

Fotojornalista russo morre em ataque com drones ucranianos

Nikita Tsitsagi

O fotojornalista Nikita Tsitsagi, que trabalhava para o site de notícias russo News.ru, morreu na sequência de um ataque com drones ucranianos no Donbass, informou o site de notícias.

“O nosso correspondente Nikita Tsitsagi foi morto num ataque de drones pelas forças armadas ucranianas. (…) Oferecemos as nossas mais profundas condolências à família e amigos de Nikita”, escreveu o site.

O ataque teve lugar na zona do mosteiro de São Nicolau, perto de Vugledar, uma cidade que há já vários meses tem sido palco de intensos combates.

A morte deste jornalista russo acontece depois de, na quinta-feira, um jornalista da televisão estatal russa ter sido morto e um outro ter ficado ferido num ataque com um drone ucraniano em Golmivsky, uma aldeia controlada pela Rússia perto das linhas da frente no leste da região de Donetsk.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros russo acusou a Ucrânia de visar deliberadamente os jornalistas.

2024-06-16
09:29

Meloni viaja para a Suíça para participar na sessão final da cimeira sobre a Ucrânia

A primeira-ministra italiana, Giorgia Meloni, viaja este domingo para Bürgenstock (Suíça) para participar na sessão final da cimeira internacional sobre a Ucrânia. Meloni esteve ausente da cimeira no sábado, porque esteve em Apúlia, no sul de Itália, na cimeira do G7.

Meloni fez-se representar no sábado pelo ministro das Relações Exteriores, Antonio Tajani, que, no seu discurso, defendeu que um possível acordo de paz “não pode implicar a rendição da Ucrânia e a continuação da ocupação do seu território pela Rússia”.

2024-06-16
08:55

Autoridades russas confirmam início de motim em prisão na região de Rostov

 Pelo menos dois guardas prisionais foram feitos reféns por membros da organização jihadista Estado Islâmico (EI) num centro de detenção da região de Rostov, no sul da Rússia, segundo informação divulgada pelos serviços prisionais.

O início do motim foi comunicado pelo Serviço Penitenciário Federal da Rússia, adiantando que o incidente está a acontecer no Centro de Detenção n.º 1, na cidade de Rostov do Don, a capital regional.

"No local do incidente encontra-se o responsável pelo Serviço Penitenciário Federal da Rússia, bem como representantes das forças da ordem e do Ministério Público", segundo adianta um comunicado publicado na página na internet do Serviço Penitenciário, referindo que estão a decorrer negociações para libertar os reféns.

"Os presos que se encontravam numa das celas do Centro de Detenção n.º 1 […] para a região de Rostov fizeram reféns dois guardas prisionais", declarou.

A mesma informação adianta que o estabelecimento prisional está a "funcionar normalmente" e que "a situação está controlada", sem adiantar mais detalhes.

A Rússia tem sido alvo de vários ataques reivindicados pela organização jihadista.

Em 22 de março, homens armados abriram fogo numa sala de concertos perto de Moscovo, matando pelo menos 144 pessoas e ferindo centenas. Foi o ataque mais mortífero em solo russo desde 2004.

2024-06-15
22:52

"A capacidade sem pessoal não opera. E a aquisição de pessoal para as forças armadas é dramática"

O comandante João Fonseca Ribeiro, do Observatório de Segurança e Defesa da SEDES, analisa na CNN Portugal o estado das Forças Armadas em Portugal e se o país está preparado para uma guerra.

 

2024-06-15
22:52

"As forças armadas portuguesas estão completamente depauperadas. Se nada for feito, é uma tragédia"

Tenente-general Alfredo Cruz, piloto aviador, analisa na CNN Portugal o estado das Forças Armadas em Portugal e se o país está preparado para uma guerra.

 

2024-06-15
22:52

"As nossas armas de artilharia estão profundamente obsoletas"

O coronel Carlos Mendes Dias, especialista militar, analisa na CNN Portugal o estado das Forças Armadas em Portugal e se o país está preparado para uma guerra.

2024-06-15
22:19

"Putin vem pedindo de forma explícita ao seu aparelho militar 'por favor conquistem o Donetsk, conquistem o Donbass. Anda a fazê-lo há um ano e não conseguiu"'

Isidro de Morais Pereira, especialista militar, analisa os últimos desenvolvimentos da guerra na Ucrânia, nomeadamente o apoio de uma centena de países à paz, países esses que estão reunidos na Suíça para uma cimeira com vista ao fim do conflito.

2024-06-15
22:18

"As condições da Ucrânia, já sabemos, não vão ser aceites pela Rússia"

Jorge Botelho Moniz, especialista em Relações Internacionais, analisa a cimeira de paz que está a decorrer na Suíça, com a presença da Ucrânia e a exclusão da Rússia, e depois de ambos os lados se terem manifestado irredutíveis nos seus objetivos para o fim da guerra.

2024-06-15
19:54

Capacidade ucraniana de atacar para lá da fronteira "pode mudar o avanço das forças russas"

Sérgio Furtado, enviado especial à Ucrânia, analisa os últimos desenvolvimentos da guerra numa altura em que decorre uma cimeira de paz na Suíça, para a qual a Rússia não foi convidada.