Costa defende criação de "super bazuca" para a reconstrução da Ucrânia

Agência Lusa , CV
7 mai, 21:15
António Costa na Conferência sobre o Futuro da Europa. Fernando Veludo (Lusa)

O primeiro-ministro esclareceu ainda que o apoio que tem sido dado à Ucrânia não se tem limitado a ser humanitário ou de natureza financeira

O primeiro-ministro, António Costa, defendeu hoje a criação de uma “super bazuca” para ajudar na reconstrução da Ucrânia, à semelhança do Programa de Recuperação e Resiliência que a União Europeia criou para enfrentar a pandemia da covid-19.

“Tal como inventámos o ‘next generation’, o Programa de Recuperação e Resiliência, a bazuca, para respondermos às necessidades das economias europeias perante a covid-19, nós vamos ter que criar uma super bazuca para apoiar a Ucrânia na reconstrução. E aí é que devíamos tratar e já, porque aí não temos de esperar por mais nada, podemos fazer já”, declarou António Costa na conferência sobre o “Futuro da Europa”, que decorreu em Serralves, no Porto.

No seguimento de uma questão de Cármen, uma estudante ucraniana e portuguesa, sobre como é que Portugal apoiaria a Ucrânia a entrar na União Europeia, António Costa defendeu que, antes de uma adesão da Ucrânia à União Europeia, um processo que pode levar anos, a Europa tem de atuar de imediato na reconstrução da Ucrânia.

“Basta olhar para televisão para ver que não é só a maternidade que há para reconstruir. Há todo um país para reconstruir. Há cidades inteiras para reconstruir”, frisou.

O primeiro-ministro defendeu que se devia aproveitar “o Acordo de Associação, que já existe, e em duas semanas negociar o aprofundamento desse Acordo de Associação para integrar a economia ucraniana no conjunto da economia europeia e termos um pacto com a Ucrânia para apoiar o esforço de reconstrução que vai ser necessário”.

A prioridade é reconstruir

Para António Costa, o que é “urgente” e “imediato” é reconstruir todo um país.

“Acho que, ao mesmo tempo que temos de saudar de braços abertos a opção europeia da Ucrânia, temos de fazer aquilo que é absolutamente essencial, que é responder à urgência do que é urgente na Ucrânia e que não pode esperar três, quatro, cinco, nove anos, o tempo que levará a negociar essa adesão”, disse.

O primeiro-ministro esclareceu ainda que o apoio que tem sido dado à Ucrânia não se tem limitado a ser humanitário ou de natureza financeira.

“Tem sido dado e vai continuar a ser dado, nas medidas da capacidade quer dos países da União Europeia, quer dos países da NATO, equipamento militar para ajudar a Ucrânia a defender-se e a garantir a vitória sobre a Rússia. Hoje, a vitória sobre a Rússia é absolutamente essencial para fortalecer e preservar as democracias em todo o Continente europeu e não só. E também para limitar a influência da Rússia noutras regiões do mundo, onde tem historicamente, ou presentemente, uma presença importante, designadamente no Continente africano. Essa derrota hoje é uma derrota essencial para preservar o quadro das liberdades e da democracia”, afirmou.

Segundo o primeiro-ministro, nenhum país democrático poderia desencadear uma guerra com esta “brutalidade”.

“Isso é uma das grandes forças da democracia que ajuda a promover a paz e ajuda a dificultar a guerra. Uma condição absolutamente essencial. (…) É evidente que o senhor Putin não é uma peça isolada num sistema, que é um sistema que permanece autocrático e onde só assim é possível desencadear uma guerra com a barbaridade que esta guerra é desencadeada sem que isso tenha qualquer tipo, aparentemente, de reação interna suficientemente forte e visível”, considerou.

Relacionados

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Europa

Mais Europa

Patrocinados