Os distúrbios de ansiedade são comuns. E isto é o que todos devem saber sobre eles

Katia Hetter
8 out 2022, 13:00
Depressão

Todos os adultos com menos de 65 anos devem fazer um rastreio à ansiedade, de acordo com o influente Grupo de Trabalho dos Serviços Preventivos dos EUA, que emitiu novos esboços de orientação no mês passado. As orientações, que ajudam as decisões dos médicos, só são definitivas quando um período de comentário público terminar no final deste mês. Ainda assim, esta é a primeira vez que o grupo nacional de especialistas recomenda o rastreio à ansiedade para uma faixa tão ampla do público americano.

Quão comuns são os distúrbios de ansiedade e há algumas populações mais em risco do que outras? Quais são alguns sintomas que as pessoas podem ter? Com que frequência devem ocorrer rastreios à ansiedade – e o que implicam? Que tratamentos estão disponíveis? E o que significam estas recomendações?

Para responder a estas perguntas, falei com a analista médica da CNN, Leana Wen, médica de emergência e professora de política e gestão de saúde na George Washington University Milken Institute School of Public Health. É também autora de "Lifelines: A Doctor's Journey in the Fight for Public Health".

Quão comuns são os distúrbios de ansiedade?

De acordo com as recomendações do Grupo de Trabalho dos Serviços Preventivos dos EUA, a prevalência vitalícia de perturbações de ansiedade é de 26% para os homens e 40% para as mulheres. Isso significa que cerca de 1 em cada 4 homens e 4 em cada 10 mulheres desenvolverão um distúrbio de ansiedade em algum momento durante a sua vida.

Esta é claramente uma questão que tem de ser abordada. A ansiedade, como a depressão e outras preocupações do foro mental, deve ser tratada com a mesma atenção que damos às preocupações do foro físico. Ainda bem que o grupo de trabalho emitiu orientações que consciencializem mais a necessidade de diagnosticar a ansiedade.

Como se define a ansiedade?

Este é um esclarecimento importante - é crucial distinguir sentimentos de ansiedade do diagnóstico médico de um transtorno de ansiedade. A ansiedade é uma reação normal ao stresse. Todos sentem algum nervosismo em situações nas suas vidas.

Os distúrbios de ansiedade são caracterizados por um medo ou ansiedade persistentes, excessivos que afetam a capacidade de funcionamento de uma pessoa. Podem levar a que as pessoas evitem situações - compromissos sociais, funções profissionais, marcações ou mesmo tarefas diárias, por exemplo - e podem afetar os seus empregos, a educação e as relações pessoais. Os distúrbios de ansiedade incluem uma série de diagnósticos, incluindo transtorno de ansiedade generalizada, transtorno de pânico, transtorno de ansiedade social e fobias específicas.

Algumas populações podem estar em maior risco de ansiedade?

A presença de outra condição de saúde mental aumenta a probabilidade de uma pessoa desenvolver distúrbios de ansiedade. Por exemplo, a depressão e a ansiedade muitas vezes sobrepõem-se. Um grande estudo descobriu que 67% das pessoas com depressão também tinham um distúrbio de ansiedade. Existe também uma associação entre perturbações de ansiedade e tabagismo e consumo de álcool. Eventos de vida stressantes como perda de emprego, luto ou gravidez também podem aumentar a probabilidade de perturbações de ansiedade.

(O projeto de recomendações também reconhece a necessidade de uma investigação mais aprofundada sobre a prevalência de perturbações de ansiedade em grupos populacionais definidos por raça e etnia, orientação sexual e identidade de género, entre outros.)

Quais são alguns sintomas de perturbações de ansiedade?

As pessoas com transtornos de ansiedade podem experimentar uma grande variedade de sintomas - estarem inquietos e incomodados, terem uma sensação de pânico ou desespero, terem dificuldade em concentrar-se ou dormir e terem ataques de pânico. Os ataques de pânico são caracterizados por palpitações cardíacas, falta de ar ou mãos frias e com formigueiro.

É importante realçar que muitas pessoas com distúrbios de ansiedade podem ter outros sintomas físicos. Por exemplo, algumas desenvolvem dores de cabeça, dores de estômago, náuseas e fadiga. Uma vez que os sintomas do transtorno de ansiedade são tão variados, a subdeteção e o subdiagnóstico são comuns.

Com que frequência os médicos devem fazer o rastreio à ansiedade em pacientes?

O projeto de recomendações do grupo de trabalho não especifica. Isso é porque ainda não há pesquisa suficiente para dizer que o rastreio à ansiedade precisa de ocorrer num determinado intervalo de tempo. O grupo de trabalho nacional apela a uma "abordagem pragmática" que "possa incluir o rastreio de todos os adultos que não tenham sido previamente alvos de rastreios e usar o julgamento clínico em consideração de fatores de risco, condições comórbidas e eventos de vida para determinar se o rastreio adicional de pacientes de alto risco é justificado".

O que isso me diz, como médica, é que se nunca fizemos um rastreio à ansiedade num paciente, é uma boa prática fazê-lo pelo menos uma vez. (Isto normalmente implica que os pacientes completem um questionário e/ou respondam a uma série de perguntas durante uma consulta médica.) Então, dependendo do que mais aprendermos das circunstâncias de mudança de um paciente, podemos fazer novo rastreio. Por exemplo, poderíamos fazer outro rastreio se um paciente tivesse uma mudança de vida recente, se fosse diagnosticado com depressão ou outra condição de saúde mental, ou se relatasse um aumento no consumo de álcool.

Os médicos também devem estar atentos a outros sintomas que possam indicar um distúrbio de ansiedade subjacente.

Que tratamentos estão disponíveis para pessoas diagnosticadas com um transtorno de ansiedade?

Como a depressão e alguns outros diagnósticos de saúde mental, os distúrbios de ansiedade podem ser tratados através de farmacoterapia, psicoterapia ou ambos. A farmacoterapia envolve medicamentos, enquanto a psicoterapia inclui terapia cognitiva comportamental que é feita através do trabalho com um psicólogo ou outro especialista em saúde mental. Muitas vezes, os médicos recomendam mudanças de estilo de vida também, incluindo meditação, exercício e redução do consumo de álcool e tabagismo.

Alguns pacientes precisam de tratamento contínuo. Muitos recebem tratamento por um período e depois são monitorizados para ver se poderão precisar dele novamente.

A questão é que os tratamentos funcionam. Reduzem os sintomas de perturbações de ansiedade e ajudam as pessoas a recuperar o bem-estar nas suas vidas.

O que alguém deve fazer se acha que pode ter um distúrbio de ansiedade?

Existem ferramentas de rastreio online que as pessoas podem usar para ver se podem ter ansiedade, incluindo a escala de Perturbação Generalizada da Ansiedade. Qualquer um que pense que pode ter um distúrbio de ansiedade deve marcar uma consulta com o seu médico de família. Se já forem consultados por um especialista em saúde mental, também podem ir diretamente a essa pessoa.

É importante dizer ao seu prestador de cuidados de saúde todos os seus sintomas. Alguns que não parecem diretamente ligados podem realmente apontar para um distúrbio de ansiedade. Não adie; lembre-se de que o tratamento existe e funciona.

Se tivesse um problema de saúde física - por exemplo, dores de cabeça devido a enxaquecas ou dores de estômago devido a úlceras - gostaria que isso fosse resolvido. As preocupações com a saúde mental devem ser tratadas da mesma forma, com o mesmo nível de urgência.

Porque é que as recomendações dizem que os rastreios devem ser para adultos com menos de 65 anos? E as crianças ou os mais velhos?

O grupo de trabalho especifica que os indícios são mais fortes no apoio ao rastreio rotineiro de ansiedade em adultos com menos de 65 anos.

Isso não significa que crianças ou idosos não devam fazer um rastreio à ansiedade. É uma boa prática os médicos estarem atentos a sintomas de ansiedade ou preocupações em todos os seus pacientes, independentemente da idade - e para os pacientes, independentemente da idade, manifestarem a possibilidade de sintomas de ansiedade ao seu prestador de cuidados de saúde.

O que vem a seguir para as recomendações do grupo de trabalho — quando entrarão em vigor?

Estas recomendações estão em forma de projeto, o que significa que o grupo de trabalho está a solicitar comentários do público até 17 de outubro. Prevejo que estejam finalizadas no final deste mês.

Mesmo assim, ainda cabe aos prestadores de cuidados de saúde implementar o rastreio de ansiedade aos seus pacientes. Espero que as orientações concretizem o seu objetivo crucial de sensibilizar para os distúrbios de ansiedade e levar mais doentes a receberem tratamento para esta preocupação com a saúde mental.

Relacionados

Saúde Mental

Mais Saúde Mental

Patrocinados