"Um carro acabou de atravessar a casa do meu vizinho". Chamada para o 112 revela pânico depois de Anne Heche chocar contra uma casa em Los Angeles

CNN , Faith Karimi
17 ago, 14:25
Anne Heche (AP Photo)

Chamadas telefónicas para o 911 [número de emergência nos EUA, equivalente ao 112] dão pistas sobre o acidente que acabou por vitimar a atriz

A chamada para o 911 começa com uma observação chocante: "Um carro acabou de atravessar a casa do meu vizinho".

Anne Heche tinha colidido com o seu Mini Cooper azul numa casa em Los Angeles, a 5 de agosto, e o autor da chamada, tal como foi ouvido numa gravação obtida e publicada pela TMZ, desconhecia que a atriz veterana estava ao volante, ou sequer que alguém ainda estava na altura no carro. O autor da chamada disse ao operador que o carro estava cerca de três metros dentro da casa.

Todos os que estavam em casa haviam sido encontrados, disse o autor da chamada, acrescentando que não tinha a certeza de quantas pessoas estavam no carro quando este se despistou.

"Alguém está a abrir a porta de trás para ver se podemos aceder porque estão meio encurralados... dentro do carro", continuou a pessoa que telefonou. Ao fundo, uma voz gritou "fogo!" e outra gritou por mangueiras enquanto o operador tentava determinar se o fumo era dentro de casa ou do carro.

O acidente de Heche contra a casa de dois andares no bairro Mar Vista provocou uma explosão que levou 59 bombeiros a combater o fogo durante uma hora, segundo as autoridades. Heche sofreu queimaduras graves e outros ferimentos, e esteve em coma até à sua morte no domingo.

Embora subsistam dúvidas sobre esse dia trágico, surgiram mais informações sobre os acontecimentos que levaram ao acidente de Heche.

Uma peruca vermelha e uma escolha matinal "aleatória"

Cerca de 20 minutos antes do carro da Heche colidir com a casa, ela fez uma compra inócua: uma peruca vermelha num cabeleireiro em Venice, a cerca de três quilómetros do local do acidente.

Por volta das 10:35 da manhã desse dia, ela entrou no salão de cabeleireiro por uma porta dos fundos, disse o proprietário Richard Glass ao Los Angeles Times.

Ela olhou para perucas numa prateleira na área dos champôs e escolheu uma azul. Glass disse-lhe que a peruca já tinha sido escolhida por outra pessoa, pelo que ela optou por uma peruca vermelha, contou ele à publicação.

Glass reconheceu-a, e o par tirou selfies, uma das quais ele publicou no Instagram.

"Então, conheci @anneheche hoje e ela comprou uma peruca #redwig tão aleatória", escreveu ele na legenda da fotografia.

Com um sorriso radiante -- o seu cabelo loiro num corte curto e despenteado -- Heche agarrava-se na fotografia à sua nova peruca.

Glass usou o carimbo da hora nas fotos para estimar a hora de chegada de Heche ao salão, disse ele à publicação. Acabou por ser uma das suas fotos finais antes do acidente.

Quando contactado pela CNN, Glass recusou-se a fornecer mais pormenores, dizendo que a situação "bizarra e horrenda" tem sido difícil de processar e que lhe custou uma preço.

"Descobri rapidamente que tem sido difícil navegar no... cyber bullying de estranhos, as chamadas telefónicas aleatórias e todo o alcance do impacto que daí advém - bem como os sentimentos esmagadores de luto que tenho ao ver a perda trágica da vida de alguém", disse à CNN.

Cerca de 20 minutos mais tarde, um violento desastre contra uma casa de dois andares

Pouco depois da sua paragem no salão de cabeleireiro, segundo a polícia, o carro de Heche em excesso de velocidade entrou por uma casa em Los Angeles adentro. O vídeo da cena mostrou a carroçaria carbonizada do carro e nuvens de fumo.

"Veículo de passageiro solitário bateu e veio parar dentro de uma casa de dois andares de 69 metros quadrados construída em 1952, comprometendo a estrutura e causando um forte incêndio", disse o Corpo de Bombeiros de Los Angeles num comunicado.

Os quase 60 bombeiros demoraram cerca de 65 minutos a extinguir as chamas e a salvar Heche, disseram as autoridades. Ela foi levada depressa para o hospital em estado crítico.

Lynne Mishele vivia na casa com os seus cães, Bree e Rueban, e a tartaruga Marley. Mal conseguiram sair com vida, mas perderam quase tudo no incêndio, disse o vizinho Roy Morgen à filial da CNN, KCAL/KCBS. O automóvel de Heche parou a cerca de 70 centímetros do local onde Mishele estava sentada, disse Morgen.

Pouco antes do acidente, Heche esteve envolvida num outro incidente de atropelamento e fuga, mas os seus ferimentos graves impediram os agentes da polícia de a interrogarem sobre o assunto, disse uma fonte de polícia. As autoridades do Departamento de Polícia de Los Angeles (LAPD) disseram à CNN que não há planos para divulgar detalhes adicionais sobre esse incidente.

Na altura do desastre, Heche estava envolvida em vários projetos, incluindo o podcast "Better Together", que destacava amizades com significado. Num episódio do podcast divulgado antes do acidente, Heche falava em ter um dia mau. "Hoje tem sido um dia muito único", disse ela no podcast. "Não sei o que aconteceu, às vezes os dias são uma lástima".

Não é claro quando é que o episódio foi gravado. Não se sabe muito sobre o seu paradeiro naquela manhã, até minutos antes do acidente.

Uma chamada para o 911 e o pânico sobre uma vítima encurralada

A chamada para o 911 dá uma visão do pânico no local do acidente.

No áudio frenético, o autor da chamada disse à central que o carro se deslocava tão depressa que se encontrava na segunda sala da casa. "Assim três metros para dentro da casa", disse a pessoa que telefonou.

Mais tarde, a pessoa que telefonou disse à central que o carro estava a arder e que o fumo estava a ficar "realmente negro", enquanto outras pessoas gritavam ao fundo que alguém estava preso no carro. As sirenes gritavam ao fundo.

"Aí vem o paramédico", disse a pessoa que telefonou. A central instou o interlocutor a permanecer ao telefone até os médicos começarem a ajudar a vítima.

Um teste de drogas positivo e uma investigação dispensada

Heche foi hospitalizada em estado crítico na sequência do acidente.

Os detetives receberam um mandado de busca para a sua amostra de sangue, e os testes posteriores mostraram que ela estava sob a influência de narcóticos, disse a polícia.

O seu porta-voz disse à CNN que a atriz tinha uma lesão pulmonar significativa, que exigia um ventilador, e queimaduras graves. A sua família e amigos disseram mais tarde que ela também sofreu uma grave lesão cerebral anóxica, que ocorre quando o cérebro é privado de oxigénio.

Até ao domingo da sua morte, foi mantida em suporte de vida para determinar se os seus órgãos eram viáveis para doação e foi feito um exame de compatibilidade.

A LAPD anunciou inicialmente que ela estava a ser investigada por conduzir embriagada com álcool , após as análises ao sangue terem mostrado sinais de incapacidade, elevando o caso de um delito menor.

Após a sua morte, disse a polícia, as autoridades abandonaram a sua investigação criminal sobre o acidente.

Mundo

Mais Mundo

Patrocinados