Afinal, este é que é o mamífero mais antigo alguma vez identificado

CNN , Lianne Kolirin
10 set, 17:00
Uma criatura parecida a um musaranho que viveu há 225 milhões de anos é o mamífero mais antigo alguma vez identificado (CNN Internacional)

O mamífero mais antigo do mundo foi identificado através de registos dentários fósseis – precedendo o mamífero que havia sido anteriormente confirmado por cerca de 20 milhões de anos - numa nova descoberta aclamada como “muito significativa” pelos investigadores. 

Brasilodon quadrangularis era uma pequena criatura parecida a um musaranho com cerca de 20 centímetros de comprimento, que caminhou na terra há 225 milhões de anos, juntamente com alguns dos mais antigos dinossauros e traz alguns esclarecimentos sobre a evolução dos mamíferos modernos, de acordo com uma equipa de cientistas brasileiros e britânicos. 

A descoberta foi feita por investigadores do Museu de História Natural de Londres, do King's College London e da Universidade Federal do Rio Grande do Sul em Porto Alegre. 

Os cientistas recorreram às pistas fornecidas por fósseis de tecidos duros, tais como ossos e dentes. Isto porque as glândulas dos mamíferos, que produzem leite, não foram preservadas em nenhum fóssil encontrado até aos dias de hoje. 

Até agora, o Morganucodon tinha sido considerado o primeiro mamífero, com dentes isolados, provando que esta espécie datava de há cerca de 205 milhões de anos. O Morganucodon tinha um corpo pequeno semelhante ao de um gerbo e um focinho longo semelhante ao dos musaranhos ou das civetas.  

Os registos dentários do estudo publicado na terça-feira no Journal of Anatomy datam o Brasilodon quadrangularis a 225 milhões de anos atrás - 25 milhões de anos após o evento de extinção em massa do Permiano-Triássico, a terceira e maior extinção em massa, quando mais de 90% das espécies no oceano desapareceram e 70% dos animais terrestres morreram. 

Equívoco em identificação de espécie

Martha Richter, colaboradora científica do museu e autora sénior no jornal, disse à CNN que o Brasilodon quadrangularis era anteriormente considerado um “réptil avançado”, mas o exame dos seus dentes mostra “definitivamente” que se tratava de um mamífero. 

“Se pensarmos nos répteis, eles têm muitos, muitos dentes de substituição diferentes ao longo das suas vidas, mas nós, os mamíferos, só temos dois. Primeiro, os dentes de leite e depois a segunda dentição que substitui a original. Isto é o que define os mamíferos”, afirmou Richter. 

Brasilodon é o mais antigo vertebrado extinto com dois tipos de dentição sucessivos – os dentes de bebé e os dentes definitivos -- também conhecidos como difiodonte, referia o comunicado de imprensa. 

 A primeira dentição começa a desenvolver-se durante a fase embrionária e a segunda desenvolve-se após o nascimento. 

Richter e os seus colegas examinaram três maxilares inferiores da espécie, que viviam na região hoje coberta pela secção mais a sul do Brasil. Sob o microscópio descobriram “o tipo de dentes de substituição que só estão presentes nos mamíferos”, referiu. 

Richter acrescentou: “Este era um mamífero muito, muito pequeno que era provavelmente um animal que vivia nas sombras dos dinossauros mais antigos de que temos conhecimento desse período.” 

Afirmou que a equipa tinha estado a trabalhar no projeto durante mais de cinco anos e descreveu esta descoberta como sendo “muito significativa”. 

No comunicado de imprensa, Richter disse que os resultados contribuíram “para a nossa compreensão da paisagem ecológica deste período e da evolução dos mamíferos modernos.” 

Moya Meredith Smith, autora e professora colaboradora de biologia dentosquelética evolutiva no King's College London, afirmou no comunicado de imprensa: “O nosso artigo eleva o nível de debate sobre o que define um mamífero e prova que foi uma época muito anterior ao registo fóssil do que era anteriormente conhecido.” 

Relacionados

Ciência

Mais Ciência

Patrocinados