Movimentos cívicos e ativistas reportam incidentes nas assembleias de voto em Angola

Agência Lusa , BC
25 ago, 06:29
Eleições gerais em Angola

Vídeos e testemunhos partilhados nas redes sociais garantem que houve incumprimento em várias assembleias de voto angolanas

Vídeos partilhados por movimentos cívicos e ativistas angolanos registam vários incidentes e irregularidade em assembleias de voto, em todo o país, ainda esta quarta-feira.

O Movimento Cívico Mudei reporta, através da conta na rede social Twitter, a detenção de um ativista cívico na província do Zaire por estar a fotografar a ata síntese na sede do município do Cuimba, posteriormente libertado.

 

Na assembleia de voto 61, em Luanda, a presidente não quis tornar pública a ata síntese “e foi-se embora com a polícia sem publicar a ata”, relata o movimento.

O Mudei denuncia ainda a não afixação de atas síntese em cinco assembleias de voto no Luau, província do Moxico, onde foi também detido um  ativista cívico que estava a fotografar atas síntese.

 

Segundo o Mudei, o mesmo aconteceu no Uíje.

Um vídeo partilhado por Florindo Chivukute, diretor da organização Friends of Angola [Amigos de Angola], mostra ânimos exaltados numa assembleia de voto no Kilamba Kiaxi (Luanda), com gritos de “fraude”, vendo-se uma urna transparente com os votos a ser retirada sob proteção policial.  

“Carro civil está a levar os votos”, gritam os populares.

 

Num outro vídeo, também no Kilamba Kiaxi, algumas dezenas de populares cantam o hino angolano e aplaudem “a hora é agora”, o slogan da candidatura de Adalberto da Costa Júnior, líder da UNITA, na assembleia 1527, depois de um impasse na afixação da ata.

O portal VOA, página da rádio Voz da América, falou com um  membro responsável da assembleia de voto da Avenida Lenine que disse ter tido ordem da CNE para não afixar a ata síntese.

“Estamos a ser muito pressionados pela CNE”, confessou um membro da assembleia de voto, que pediu para não ser identificado por temer represálias.

A União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) deu uma conferência de imprensa em que o número dois da lista, Abel Chivukuvuku, afirmou que os dados provisórios recolhidos das eleições de quarta-feira apontam para uma vitória do partido.

"Os nossos centros de escrutínio [dão] claros indicadores provisórios de tendência de vitória da UNITA em todas as províncias do no nosso país", afirmou Chivukuvuku, indicando que, nos municípios da província de Luanda, o partido no poder (Movimento Popular de Libertação de Angola, MPLA) ganhou apenas em um município.

Instantes antes, a Comissão Nacional Eleitoral (CNE) anunciou dados diferentes, com um terço dos votos contabilizados que, segundo as autoridades, indiciam uma vitória do MPLA com 60,65% dos votos.

África

Mais África

Patrocinados