"Salsicha de fígado ofendida": embaixador da Ucrânia em Berlim gozou durante meses com os alemães - mas não foi demitido por isso

13 jul, 18:33
Andriy Melnyk (Sean Gallup/Getty Images)

Andriy Melnyk defende uma figura historicamente controversa na história do Holocausto. O assunto voltou a público e Zelensky acabou por demiti-lo

Chamou “salsicha de fígado ofendida” ao chanceler da Alemanha, afirmou que o presidente alemão tinha “uma rede de contactos na Rússia” que era “fundamental, até sagrada”, e deixou várias mensagens irónicas sobre a alegada lentidão da ajuda alemã à Ucrânia. O embaixador da Ucrânia na Alemanha fez tudo isto e mais algumas coisas em menos de seis meses mas não foi demitido por isso - algo que fez há vários anos é que que acabou por ditar agora a sua demissão.

Andriy Melnyk foi demitido do seu cargo pelo presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, depois de ter sido recordado que tinha deixado flores na campa de Stepan Bandera, líder da Organização dos Nacionalistas Ucranianos e que sempre teve visões antissemitas e fascistas, tendo mesmo chegado a contribuir com tropas para o lado nazi durante a Segunda Guerra Mundial, já depois de ter estado preso três anos num campo de concentração de onde saiu com a promessa de colaborar com os alemães contra a União Soviética, nomeadamente em massacres contra judeus e polacos.

Relembrado deste ato ocorrido quando tinha apenas três meses no cargo de embaixador na Alemanha, em 2015, Andriy Melnyk disser ser “contra atirar todas culpas dos crimes para Bandera”. “Não existem provas de que as tropas de Bandera assassinaram centenas de milhares de judeus”, afirmou, contradizendo aquilo que é defendido pelos historiadores. Indo mais longe, o embaixador disse mesmo que “isto são narrativas que estão a ser trazidas pela Rússia e que encontram apoio na Alemanha, na Polónia e em Israel”.

Homem queima fotografia com o rosto de Stepan Bandera (Maciej Luczniewski/Getty Images)

O reavivar do tema e as declarações do diplomata provocaram revolta em grande parte da Ucrânia e até dos seus aliados, como a Polónia, o que acabou por forçar Volodymyr Zelensky a demiti-lo, ainda que o presidente da Ucrânia tenha dito que tudo fez parte de “uma prática diplomática normal”.

Na Polónia o assunto ganhou importância tal que o secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros do país se referiu aos comentários como “absolutamente inaceitáveis”. Mais tarde o presidente polaco, Andrzej Duda, afirmou que a verdade sobre os massacres ocorridos entre 1942 e 1945 deve ser “clara e firme”.

O mesmo aconteceu na Alemanha, onde até alguns políticos que tinham apoiado alguns atos de Andriy Melnyk decidiram afastar-se.

Sem nunca se referir à polémica, Andriy Melnyk acabou por fazer várias publicações relacionadas com o Holocausto nos últimos dias, a última das quais mostra uma fotografia dos presidentes da Ucrânia e da Polónia que vem acompanhada de uma legenda em que o embaixador presta "tributo a todas as vítimas que a Polónia teve durante a Segunda Guerra Mundial".

A divisão sobre Bandera

A figura de Stepan Bandera continua a dividir ucranianos e já foi mesmo utilizada por Vladimir Putin durante esta guerra. O presidente russo acusa os ucranianos que combatem os russos no terreno de serem “Banderitas”, apoiantes de Stepan Bandera que servem interesses nacionalistas, como a Rússia diz ser o caso dos soldados do Batalhão Azov.

Ucranianos festejam 111.º aniversário de Stepan Bandera (Sergei Supinsky/Getty Images)

Mas mesmo para os ucranianos não é fácil: se muitos têm facilidade em recusar os atos do homem como heroicos, na sua terra natal, em Lviv, a história é diferente. Naquela cidade do oeste da Ucrânia existem estátuas, ruas e até t-shirts ou meias à venda com o nome do antigo combatente.

Volodymyr Zelensky sempre mostrou de que lado estava. Em 2019 decidiu despedir um historiador que dirigia o Instituto Nacional da Memória da Ucrânia que sugeriu reabilitar a figura de Stepan Bandera como histórica, bem como outros nacionalistas.

Relacionados

Europa

Mais Europa

Patrocinados