“Não podemos vacinar o planeta de seis em seis meses”. Investigador da vacina da AstraZeneca diz que "já passámos o pior"

4 jan, 20:33
Andrew Pollard, um dos investigadores responsáveis pelo desenvolvimento da vacina da AstraZeneca e da Universidade de Oxford
Andrew Pollard, um dos investigadores responsáveis pelo desenvolvimento da vacina da AstraZeneca e da Universidade de Oxford

Andrew Pollard considera que o mundo terá de reabrir "mais tarde ou mais cedo"

PUB

Um dos investigadores da Universidade de Oxford que ajudou a desenvolver a vacina da AstraZeneca contra a covid-19 afirmou que não é possível vacinar as pessoas várias vezes por ano com doses de reforço.

“Não podemos vacinar as pessoas de quatro em quatro ou de seis em seis meses. Não é sustentável nem financeiramente acessível”, considerou Andrew Pollard, diretor do Oxford Vaccine Group e líder do Comité para a Vacinação e Imunização do Reino Unido, em entrevista ao The Daily Telegraph.

PUB

Pollard afirmou, também, que são necessárias mais provas científicas da eficácia da administração de uma quarta dose, e defendeu que, “mais tarde ou mais cedo, a sociedade terá de reabrir”.

“Já passámos o pior, temos só de aguentar o inverno. Quando reabrirmos, haverá um período de aumento das infeções. Por isso, o inverno não será a melhor altura para tal”.

O professor universitário apela também a que se dê prioridade aos “mais vulneráveis”, em vez de se administrarem doses de reforço a pessoas acima dos 12 anos.

PUB
PUB
PUB

Numa outra entrevista, à estação de televisão Sky News, Pollard alertou para as desigualdades entre países desenvolvidos e pobres.

“Nos dias de hoje, menos de 10% da população dos países mais pobres recebeu uma dose da vacina, portanto, a ideia de administrar quatro doses a nível global não é sensata”, declarou.

As considerações de Pollard contrastam com as do CEO da Pfizer, Albert Bourla que, em dezembro disse à CNBC que uma quarta dose poderá ser necessária face a ameaça da variante Ómicron.

“Quando analisarmos os dados, veremos se a variante Ómicron está bem coberta pela terceira dose e durante quanto tempo. Mas acho que precisaremos de uma quarta dose”, vincou.

Para já, apenas Israel começou a vacinação com uma segunda dose de reforço, disponível para profissionais do setor da saúde e pessoas acima dos 60 anos desde segunda-feira.

Veja também: O que é mesmo a Ómicron: um ensinamento em sete minutos

Relacionados

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Covid-19

Mais Covid-19

Patrocinados