A jovem portuguesa que a Forbes elegeu como uma das mais influentes do mundo no entretenimento digital

11 dez 2021, 19:00

Ana Carolina Sena, 29 anos, vive atualmente em Los Angeles e foi escolhida pela revista Forbes como um dos talentos mais promissores a nível internacional. Lidera a estratégia de uma das maiores empresas de livestream que foi comprada pela Amazon e fatura milhões. “É muito interessante ser uma mulher portuguesa numa grande companhia de entretenimento”, diz

PUB

Ana Carolina Sena saiu de Portugal há uns anos para ir estudar produção de cinema em Londres. Hoje, com apenas 29 anos, tornou-se um dos jovens mais influentes, a nível internacional, na área dos videojogos, uma indústria que deverá faturar, até 2030, mais de 260 mil milhões de euros. Foi considerada pela revista norte-americana Forbes uma das maiores promessas mundiais, na última edição da "30 Under 30".

A CNN Portugal falou com Ana Carolina Sena, que vive atualmente em Los Angeles. “Ter um reconhecimento como este ajuda a querer fazer mais, a continuar determinada e a saber que o que fiz até agora valeu a pena e estou no caminho certo”, diz a jovem portuguesa, que lidera a estratégia da empresa Twitch, uma das maiores plataformas de transmissão de conteúdos em direto, conhecidos como livestream, que foi comprada pela Amazon por 857 milhões de euros.

PUB

Todos os dias, a Ana Carolina ajuda os criadores de conteúdo (streamers) a definirem a melhor estratégia para os seus canais. Seja para pessoas com potencial, seja para conhecidos streamers com milhões de seguidores, como Dream, Corpse Husband e Ranboo.

PUB
PUB
PUB

Natural de Alverca, Ana Carolina Sena sempre se sentiu fascinada pela cultura de entretenimento norte-americana. “Via muitas séries, filmes”, recorda, contando que isso a influenciou na hora de escolher um caminho profissional. Aos 17 anos saiu de Portugal para estudar cinema na London College of Communication. Depois tirou um MBA (Master of Business Administration) na Califórnia, onde chegou a trabalhar como assistente numa das maiores agências de talentos, a Creative Artists Agency, para atores, músicos, realizadores e produtores, que representava personalidades como Will Smith, Angelina Jolie e Meryl Streep. Depois foi trabalhar para a Warner Brothers, também como assistente. “É interessante porque se calhar muita gente pode pensar: "Ah foste tirar um MBA e começaste a trabalhar como assistente de outras equipas?”, afirma, explicando que nos EUA é importante seguir “o percurso tradicional”.

Se nos anos 60 e 70, no entretenimento, as pessoas começavam a trabalhar nas agências a distribuir correio e depois passavam a assistentes, então eu sabia que o meu percurso tinha que ser parecido para que eles conseguissem entender que eu era uma profissional que devia ser levada a sério”.

PUB
PUB
PUB

Foi assim que Ana Carolina Sena começou a lidar com importantes figuras do mundo do entretenimento.

O ano passado entrou na Twitch e trocou o cinema pelo livestream – que são conteúdos gravados e transmitidos em tempo real, uma nova tendência que se instalou e que hoje em dia é mercado em ascendência. No caso da Twitch, esta plataforma online permite fazer transmissões ao vivo e os criadores de conteúdo e o público podem interagir através do chat. E apesar de hoje existirem conteúdos de todo o tipo, incluindo chefes de cozinha a explicarem receitas, foi através dos jogos em direto que ao Twitch se tornou conhecida.

Por isso ficou contente com a distinção que a escolha da prestigiada revista Forbes para a lista dos jovens com maior sucesso nesta área.

“É bom saber que estamos a fazer um bom trabalho e que fazemos um esforço que vale a pena. É um grande esforço não estar em Portugal e não ver a minha família todos os dias”, conta emocionada.

E ser portuguesa, garante, também influenciou a sua forma de trabalhar: "É muito interessante ser uma mulher portuguesa numa grande companhia de entretenimento porque é impossível desligar a perspetiva portuguesa. É impossível esquecer que sou de Portugal, que há referências que não vou entender e tenho de procurar ser muito curiosa para conseguir comunicar as minhas ideias"

PUB
PUB
PUB

Ana Carolina é também um dos principais membros da Twitch Women's Alliance (um novo programa dedicado a elevar e capacitar criadores do Twitch que se identificam como mulheres) e está a desenvolver uma incubadora de conteúdo para criadores hispano-americanos para aumentar a representação, visibilidade e inclusão entre os criadores da Twitch.

A curiosidade, determinação e coragem são, garante, essenciais para que os jovens como ela possam ter uma carreira. ”O meu maior conselho é não responder à pergunta "O que queres ser quando fores grande?", e em vez disso, continuar a ser curioso e a procurar o que poderás vir a ser, mas se calhar não sabes ainda". Quem sabe "os trabalhos do futuro não existem ainda", diz.

"Eu não sabia que queria trabalhar na Twitch quando era nova, nem sabia o que livestream era, mas continuei a ser curiosa e a procurar informação sobre o que se estava a passar no entretenimento global, e, quando fiz isso, descobri oportunidades em que nunca tinha pensado".

A lista da Forbes dos 30 mais promissores com menos de 30 anos foi publicada na semana passada. São 23 categorias e a portuguesa, a única na lista, está na dos videojogos. Ao seu lado, no ranking, estão nomes como o de Kris Lamberson, jogador profissional da Faze Clan, entidade de e-sports que já vale mais de mil milhões de euros e tornou-se um caso de estudo da junção entre performance e negócios nesta área.

PUB
PUB
PUB

Uma newsletter para conversarmos - Decisão 22

Envie-nos as suas questões e sugestões de temas, responderemos pela caixa do correio

Saiba mais

Tecnologia

Mais Tecnologia

Patrocinados