Tire os sapatos antes de entrar em casa. Cientistas explicam porquê

CNN , Mark Patrick Taylor, Universidade de Macquarie e Gabriel Filippelli, da Universidade de Indianapolis
15 jan, 21:00
Deixar os sapatos à porta pode impedir que agentes patogénicos potencialmente nocivos entrem em sua casa. Foto: Carlos Avila Gonzalez/San Francisco Chronicle via AP

As pessoas passam até 90% do seu tempo em casa, por isso a questão de usar ou não sapatos no interior não é uma questão trivial

É provável que limpe os seus sapatos quando pisa algo lamacento ou nojento. Mas, quando chega a casa, tira sempre os sapatos antes de entrar?

Muitas pessoas não o fazem. Para muitos, o que trazem na sola dos sapatos é a última coisa que têm em mente quando se chega a casa.

Nós somos químicos ambientais que passaram uma década a examinar o ambiente interior e os contaminantes aos quais as pessoas estão expostas nas suas próprias casas.

Apesar do nosso exame do ambiente interior (através do nosso programa DustSafe) esteja longe de ser finalizado, quanto à questão de calçar ou descalçar em casa, a ciência afirma que a última é a resposta correta.

É melhor deixar a sua sujidade do lado de fora da porta.

Que contaminantes existem na sua casa?

As pessoas passam até 90% do seu tempo em casa, por isso a questão de usar ou não sapatos no interior não é uma questão trivial.

O foco da política é normalmente no ambiente exterior para o solo, a qualidade do ar e os riscos ambientais para a saúde pública. Contudo, há um interesse regulamentar crescente na questão da qualidade do ar interior.

A acumulação de matéria dentro da sua casa não inclui apenas o pó e a sujidade das pessoas e animais de estimação que perdem o cabelo e pele. Cerca de um terço é do exterior, ora seja trazido pelo vento, ora venha agarrado às solas dos seus sapatos.

Alguns dos micro-organismos presentes no calçado e no chão são agentes patogénicos resistentes aos medicamentos, incluindo agentes infeciosos hospitalares (germes) de difícil tratamento.

Acrescente toxinas causadoras de cancro, provenientes de resíduos de estradas de alcatrão e de produtos químicos que destroem o sistema endócrino da relva, e poderá ver a sujidade dos seus sapatos sob uma nova perspetiva. 

Atenção aos patógenos internos

O nosso trabalho abrangeu a medição e avaliação da exposição a uma série de substâncias nocivas encontradas no interior das casas, incluindo:

  • Genes resistentes aos antibióticos (genes que tornam as bactérias resistentes a antibióticos);
  • Produtos químicos desinfetantes no ambiente doméstico;
  • Microplásticos;
  • Produtos químicos perfluorados (também conhecidos como PFAS ou “forever chemicals”, devido à sua tendência para permanecerem no corpo e não se decomporem) utilizados de forma omnipresente numa grande variedade de produtos industriais, domésticos e de embalagem de alimentos;
  • Elementos radioativos.

Um dos pontos fulcrais do nosso trabalho inclui a avaliação dos níveis de metais potencialmente tóxicos (tais como arsénico, cádmio e chumbo) no interior das casas em 35 países.

Estes contaminantes, especialmente o chumbo neurotóxico, são inodoras e incolores. Por conseguinte, não há maneira de saber se os perigos da exposição ao chumbo estão apenas no solo ou nos canos de água, ou se também estão no chão da sua sala.

A ciência sugere uma ligação muito forte entre o chumbo dentro da sua casa e o que existe no solo do seu quintal. A causa mais provável para esta relação é a sujidade trazida do seu jardim ou pisada pela sola dos seus sapatos e pelas patas peludas dos seus queridos animais de estimação. Deste modo, é uma prioridade garantir que as substâncias do seu ambiente exterior fiquem onde pertencem: na rua.

Um artigo do Wall Street Journal argumentou que estar calçado dentro de casa não é assim tão mau. O autor ressaltou que a E. coli, uma bactéria perigosa que se desenvolve nos intestinos de muitos mamíferos, incluindo humanos, é tão amplamente distribuída que está praticamente em todos os lugares. Portanto, não é surpresa nenhuma que ela esteja na sola dos sapatos (96% das solas dos sapatos, como indicou o artigo).

Mas vamos ser claros. Embora seja bom ser científico e utilizar o termo E. coli, essa substância é, dito de forma mais simples, a bactéria associada ao cocó.
Quer seja nosso ou de um animal, tem o potencial de nos deixar muito doentes se formos expostos a níveis elevados. E sejamos francos, é simplesmente nojento. Porquê passeá-la dentro da sua casa se há uma alternativa muito mais simples: descalçar-se à porta?

Estar descalço é o melhor

Existem desvantagens em ter uma casa sem sapatos?

Para além das dores ocasionais de bater com os dedos em algum canto da casa, do ponto de vista da saúde ambiental, não há muitas desvantagens. Deixar os sapatos no tapete de entrada também deixa lá agentes patogénicos potencialmente nocivos.

Todos nós sabemos que é melhor prevenir do que remediar, e tirar os sapatos à porta de casa é uma atividade de prevenção básica e fácil para muitos de nós. Precisa de sapatos para apoiar os pés? Simples, basta ter um “calçado interior”.

Resta a questão da "síndrome da casa esterilizada", que se refere ao aumento das taxas de alergias entre as crianças. Alguns argumentam que está relacionado com agregados familiares demasiado estéreis.

De acordo com alguns estudos, alguma sujidade é provavelmente benéfica, uma vez que ajudam a desenvolver o seu sistema imunitário e a reduzir o risco de alergias. Mas, há formas melhores e menos nojentas de o fazer do que andar por casa com os seus sapatos sujos. Saia, vá dar uma caminhada, desfrute o ar livre. 

Só não traga as partes mais sujas para dentro para acumular e contaminar a sua casa.

Futuro

Mais Futuro

Mais Lidas

Patrocinados