Altice diz que assegura cumprimento do quadro legal sobre metadados das comunicações

Agência Lusa , DCT
12 jun, 15:15
Altice

A Vodafone também já garantiu que vai respeitar a decisão da CNPD.

A Altice assegurou este domingo que cumpre o quadro legal em vigor, depois da Comissão Nacional de Proteção de Dados ter ordenado a eliminação dos dados pessoais conservados ao abrigo da lei 32/2008, na sequência de um acórdão do tribunal.

“Sem prejuízo do que vier a ser determinado pela CNPD [Comissão Nacional de Proteção de Dados], a Altice Portugal garante o cumprimento do quadro legal em vigor, incluindo do recente acórdão do tribunal constitucional”, adiantou, em resposta à Lusa, fonte oficial da empresa.

A Vodafone também já garantiu que vai respeitar a decisão da CNPD.

A CNPD ordenou aos fornecedores de telecomunicações que eliminem, em 72 horas, os metadados das comunicações abrangidos pela lei 32/2008, após publicação do acórdão que declarou inconstitucional algumas normas.

Numa nota divulgada, na quinta-feira, no seu ‘site’, a CNPD revelou ter decidido, em reunião do passado dia 07, ordenar aos fornecedores de serviços de comunicações eletrónicas ou da rede pública de comunicações "a eliminação dos dados pessoais conservados" ao abrigo daquela lei, na sequência de acórdão do Tribunal Constitucional (TC) sobre metadados.

Segundo a CNPD, é "ilícito que as operadoras mantenham o tratamento de dados autónomo", criado especificamente pela chamada "lei de retenção de dados", com "um vasto conjunto de dados pessoais, incluindo dados de tráfego e de localização de todas as comunicações, para fins de investigação, deteção e repressão de crimes graves".

A CNPD referiu que da publicação do acórdão do TC sobre a matéria, em 3 de junho último, resulta "a impossibilidade da aplicação" da lei de retenção de dados por nulidade da mesma.

A lei 32/2008, de 17 e junho, já tinha sido considerada inválida pelo Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE), no acórdão de 08 de abril de 2014, no caso 'Digital Rights Ireland e outros', por violação do princípio da proporcionalidade à luz da Carta dos Direitos Fundamentais da UE.

A Lusa contactou ainda a NOS, mas não obteve resposta.

Relacionados

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Tecnologia

Mais Tecnologia

Patrocinados